O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta Cima Fornecedores
  • Seta Cima Produtos
  • Seta Cima Arquitetura
  • Seta Cima Equipamentos
  • Seta Cima Revista Digital
  • Seta Cima Web Seminários
  • Seta Cima Conexão AEC
  • Seta Cima Blog
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou Produto Utilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > Gestão predial sustentável

Gestão predial sustentável

Um outro olhar para a redução de custos nas edificações existentes

A construção civil e o uso das edificações são os maiores responsáveis pelo consumo de recursos naturais (16,6% de água potável, 25% de madeira, 40% de combustíveis fósseis e materiais manufaturados). Esta indústria responde, também, pelo processo de contaminação atmosférica, através das emissões de C02, principal gás do efeito estufa.

Em função das exigências de conforto ambiental em edifícios (gerado principalmente por meio de sistemas e equipamentos supridos com energia proveniente de fontes não renováveis), o consumo energético em edifícios comerciais representa 19,9% (BEN, 2015) do total consumido no país.

Frente à crise energética e de recursos é importante repensar a forma como vem sendo executada a manutenção e operação das edificações existentes durante sua vida útil, para incluir, de forma clara, técnica e economicamente viável, as considerações energéticas e ambientais com vistas à redução de insumos (energia elétrica e água) e de seus impactos.

Edificações mais antigas são confrontadas aos novos padrões de qualidade e na medida do possível, vêm passando por um processo de atualização (renovação), tornando-as compatíveis com o desempenho exigido atualmente.

A crescente utilização de sistemas prediais de alta tecnologia aumentou a complexidade da operação das edificações novas. Em nossas consultorias e auditorias, muitas vezes, nos deparamos com gestores de manutenção predial que não possuem o conhecimento necessário para assegurar o desempenho das instalações, impedindo uma operação otimizada e, ocasionalmente, impossibilitando a eficiência energética. Temos vivenciado intervenções em edificações existentes cujas reduções nas faturas de energia elétrica e de água chegaram a 30%, quando operado e gerenciado corretamente, em média de após um ano de conclusão do retrofit.

Vários países no mundo têm ou estão produzindo leis e incentivos para que as edificações sejam projetadas, construídas e operadas de forma ambientalmente responsável e com alto desempenho.

O Governo Federal, já há algum tempo, diante dos resultados das Conferências Internacionais de Mudanças Climáticas, vem atuando em prol da sustentabilidade de suas edificações por meio políticas públicas, como por exemplo o PROCEL EDIFICA (Etiquetagem de Eficiência Energética de Equipamentos e Edificações Públicas, pela Instrução Normativa N.2/ MPOG), que obriga a emissão da Etiqueta Nível A com vistas à redução do consumo de energia elétrica nos edifícios públicos novos e existentes. A Instrução Normativa N.10/MPOG exige a elaboração pelos servidores dos Planos de Gestão de Logística Sustentável - PLS, na Administração Pública Federal direta, autárquica, fundacional e nas empresas estatais dependentes, com vistas à redução dos insumos água, papel, copos descartáveis, resíduos sólidos e a realização de compras sustentáveis, etc.

Entretanto, observamos uma lacuna quando se trata de políticas voltadas às edificações existentes ocupadas por empresas privadas, visto que a Etiquetagem Procel ainda é voluntária. Atualmente, tem sido o desejo da valorização imobiliária e a redução dos custos operacionais os incentivos para a maior parte dos condomínios comerciais (e mesmo alguns residenciais) no caminho do retrofit. Muitos desses empreendimentos tiveram o valor do metro quadrado de locação elevado de R$ 13 para R$ 55 após a renovação das fachadas e a implantação de sistemas prediais eficientes.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

PERFIL

Arquiteta especialista em sustentabilidade, conforto ambiental e eficiência energética para edificações. Pós-graduada em conforto térmico e eficiência energética pela Universidade de Brasília (UnB). Sócia-diretora da Ambiente Eficiente Consultoria, empresa de consultoria e gestão de projetos sustentáveis, conforto ambiental e eficiência energética de edificações. Comprovada experiência profissional, com ênfase em sustentabilidade, eficiência energética, simulação computacional termo-energética, retrofits energéticos e em projetos de implementação de Sistemas de Gestão Ambiental para empresas públicas e privadas.

ARTIGOS DESTE AUTOR

    Mais artigos deste autor

    Complete seu cadastro

    Receba gratuitamente os Boletins e
    Informativos do Portal AECweb.

    +55 (11) 3879-7777

    Fale conosco