• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Construção de edifícios se torna ramo mais representativo no setor

Construção de edifícios se torna ramo mais representativo no setor

Participação das obras de infraestrutura no valor da atividade da construção civil em 2017 caiu 15,2 pontos percentuais em relação a 2008, ficando com 32,2%

Texto: Yuri Soares

Participação das obras de infraestrutura no valor da atividade da construção civil em 2017 caiu 15,2 pontos percentuais em relação a 2008, ficando com 32,2%


Os serviços especializados ficaram em terceiro lugar, com aumento na participação, passando de 15,4% para 22,0% (Créditos: Alex533/ Shutterstock)

11/06/2019 | 09:37 – Segundo a Pesquisa Anual da Indústria da Construção (Paic), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a participação das obras de infraestrutura no valor da atividade da construção civil em 2017 foi de 32,2%, queda de 15,2 pontos percentuais em relação a 2008 (47,4%).

No mesmo período, a construção de edifícios passou a ser o segmento mais representativo no setor, crescendo de 37,2% para 45,8%. Os serviços especializados ficaram em terceiro lugar, também com aumento na participação, passando de 15,4% para 22,0%.

O setor público perdeu representatividade como cliente da indústria da construção, com redução de 11 pontos percentuais na geração do valor de obras, caindo de 42,7% em 2008 para 31,7% em 2017. O segmento de obras de infraestrutura, que historicamente possui uma participação pública maior que a dos demais, teve a maior perda no setor público, caindo de 60,3% para 52,4%, na mesma base de comparação. A construção de edifícios recuou de 27,2% para 20,7% e os serviços especializados em construção apresentaram uma ligeira queda de 23,4% para 21,7%.

O valor total gerado por incorporações, obras e serviços da construção civil em 2017 foi de R$ 280 bilhões. Desse montante, R$ 128,1 bilhões foram movimentados em construção de edifícios, R$ 90,3 bilhões em obras de infraestrutura e R$ 61,6 bilhões em serviços especializados da construção.

Em 2017, o setor englobou 126,3 mil empresas ativas, onde trabalharam cerca de 1,91 milhão de pessoas, sendo 37,1% na construção de edifícios, 35% em serviços especializados, e 27,9% nas obras de infraestrutura. O gasto com remunerações chegou a R$ 53,5 bilhões. A média de pessoal ocupado por empresa caiu, entre 2008 e 2017, de 32 para 15 pessoas, e o salário médio mensal passou de 2,7 para 2,3 salários mínimos.

Na média de pessoal ocupado, todos os segmentos tiveram queda. O segmento que mais perdeu participação foi de obras de infraestrutura. O porte médio caiu de 93 para 42, entre 2008 e 2017, e a média salarial foi de 3,5 para 2,9 salários mínimos, no mesmo período.

O item que mais gerou custos e despesas na atividade de construção, em 2017, foi o referente aos gastos de pessoal (de 29,2%, em 2008, para 33,8%, em 2017). O consumo de materiais de construção recuou de 26,6% para 22,0%, e o índice de obras e/ou serviços contratados passou de 10,7% para 9,1%.

Obras residenciais foi o grupo de produtos e/ou serviços, oferecidos por empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas, com maior participação no valor de incorporações, obras e serviços da construção, em 2017, com percentual de 24,3%. Em segundo lugar está a construção de rodovias, ferrovias e obras urbanas (18,8%), seguida de serviços especializados para construção (18,0%).

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro