• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > A importância da comunicação visual em ambientes de saúde

A importância da comunicação visual em ambientes de saúde

Artigo de Lara Kaiser, líder de Healthcare Practice do estúdio da Perkins and Will em São Paulo

O sistema de sinalização em edificações hospitalares pode ser um detalhe pouco percebido por seus usuários. Exceto quando mal executado. A comunicação visual ineficiente prejudica o andamento dos processos administrativos e até terapêuticos dessas instalações.

Em qualquer local, um direcionamento confuso gera desconforto, frustração e estresse. Em um hospital, esse ruído tem consequências ainda piores, impactando diretamente na experiência oferecida aos colaboradores, visitantes e, principalmente, pacientes. A ansiedade e frustração resultantes dessa dificuldade estão entre as principais queixas dos usuários de unidades de saúde.

Estudos mostram que visitantes com dificuldade de se localizar em hospitais podem parar um colaborador a cada 10 metros para pedir informação sobre o trajeto. Esse aspecto indica o impacto indireto de um sistema de navegação ineficaz no trabalho da equipe hospitalar. A assertividade da comunicação visual é crucial para evitar interrupções, mantendo os colaboradores concentrados e produtivos e, consequentemente, reduzir estresse, riscos de erros e até acidentes.

O sistema de sinalização bem planejado deve informar aos visitantes as etapas de navegação de forma progressiva, onde cada fase fornece apenas a informação necessária para o próximo ponto de decisão até a chegada ao destino.

Assim como a falta de informação, o excesso dela também gera ruído no deslocamento. É comum encontrar sinalizações complexas e mal localizadas em hospitais. Placas que indicam como ir a qualquer ponto X partindo de qualquer ponto Y oferecem uma sobrecarga de informação.

No caso da comunicação visual, menos é mais. Os layouts têm um papel fundamental na sinalização. Um hospital pode ter configurações espaciais complexas e, por isso, é importante remover excessos para evitar distrações e comunicar de forma amigável e intuitiva. Dessa forma, é possível oferecer uma experiência positiva aos pacientes e visitantes, contribuindo com o aumento da satisfação com os serviços prestados no hospital. 

Muito usada na construção de sistemas de localização de edifícios públicos, a metodologia do Wayfinding pode ajudar a desenvolver uma navegação coerente e segura em hospitais. O conceito aplica elementos visuais, auditivos e táteis como “pistas” que ajudam os usuários a se locomoverem de forma instintiva.

Entre as principais diretrizes do Wayfinding aplicadas em hospitais estão:

• Coerência – A sinalização deve ser clara e com termos de fácil entendimento. Os usuários precisam de uma linguagem acessível, aplicada de forma consistente em todos os pontos de contato;
• Flexibilidade – A flexibilidade no sistema de sinalização é essencial em unidades de saúde, já que essas instalações sofrem mudanças frequentes de acordo com necessidades de uso dos departamentos e possíveis expansões;
• Identidade única - É importante que todas as áreas de um hospital sigam o mesmo código de comunicação. A comunicação nas áreas externas e internas, por exemplo, deve ter a mesma identidade para funcionar de forma integrada e evitar confusões;
• Códigos Visuais – Linhas multicoloridas correspondentes a mapas e setores podem facilitar o wayfinding;
• Zoneamento por cores ou ícones – Muitos hospitais usam cores para identificar cada departamento, facilitando e agilizando a localização. Outras instituições também usam imagens e símbolos para ajudar os visitantes a navegarem pelas instalações. Um ursinho de pelúcia, por exemplo, pode representar o departamento de pediatria;
• Tecnologia interativa – A Cleveland Clinic desenvolveu quiosques interativos, nos quais os visitantes podem traçar seus destinos, como em um dispositivo de GPS. Os usuários podem imprimir as direções ou enviá-las para seus smartphones;
• Marcos proeminentes – O MD Anderson Cancer Center, em Houston, instalou uma grande escultura de uma árvore que atua como ponto de referência para os visitantes;
• Atendimento humanizado – Instituições como a Universidade da Pensilvânia e o Hospital Israelita Albert Einstein contam com recepcionistas em tempo integral na entrada do hospital para atender e direcionar os visitantes.

A aplicação dos princípios do Wayfinding facilita a comunicação com pacientes e visitantes, tornando-a clara e amigável. Quando implantado de forma eficiente, o sistema de sinalização de edifícios de saúde resulta em uma experiência positiva para os usuários e, consequentemente, contribui com a eficiência dos processos e serviços de um hospital.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.
Lara KaiserArticulistaLara Kaiser

PERFIL

Lara Kaiser é graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Belas Artes de SP (1995); pós-graduada em Gestão e Gerenciamento de Projetos pela Faculdade de Engenharia da USP – Poli (2006) e mestre em Planejamento Hospitalar pela Unidade de Pesquisa de Arquitetura Hospitalar da London South Bank University, na Inglaterra (2008). Líder de Healthcare Practice do estúdio da Perkins and Will em São Paulo, Lara aplica seus mais de 20 anos de experiência projetos hospitalares e educacionais, tendo projetado mais de 500.000m². Entre os principais nomes atendidos pela arquiteta estão Hospital Israelita Albert Einstein, Rede D’Or, Hospital São Camilo, Prevent Senior e Laboratórios Fleury.

ARTIGOS DESTE AUTOR

    Mais artigos deste autor

    Complete seu cadastro