O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta CimaFornecedores
  • Seta CimaProdutos
  • Seta CimaArquitetura
  • Seta CimaEquipamentos
  • Seta CimaRevista Digital
  • Seta CimaWeb Seminários
  • Seta CimaConexão AEC
  • Seta CimaBlog
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > Aeroportos e Meio Ambiente

Aeroportos e Meio Ambiente

Artigo de Jorge Luiz da Paixão Filho, professor do curso de Engenharia Civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas

É quase uma unanimidade a alegria de entrar em um aeroporto e viajar para lugares longínquos. Aeroportos permitem a logística do transporte aéreo de passageiros e cargas; para realizar essas atividades são utilizados diversos recursos naturais renováveis, como água, e não renováveis, como petróleo. A água é um recurso renovável escasso em algumas regiões, assim o consumo racional e o reaproveitamento devem ser praticados.

Nos aeroportos, a água é utilizada em grande quantidade para limpeza geral dos aparelhos sanitários e irrigação das áreas verdes, que também precisam de nutrientes, nitrogênio e fósforo para o crescimento das plantas ornamentais, sendo aplicados fertilizantes comerciais.

Para minimizar o consumo de água em atividades menos nobres, como a irrigação de áreas verdes, diversos pesquisadores têm estudado o aproveitamento de efluentes líquidos gerados no próprio aeroporto. Um resíduo gerado durante voos nacionais e internacionais é o efluente de banheiros de aeronaves, coletado após o desembarque dos passageiros e levado para tratamento em uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE).

No entanto, esse efluente apresenta uma composição química que o diferente daqueles que são gerados no aeroporto, pois possui uma composição semelhante a urina humana com nitrogênio amoniacal em elevada concentração, seguido por fósforo, além de produtos químicos utilizados para a limpeza do banheiro. Devido à presença desses produtos, o tratamento biológico em ETE não é recomendável.

Para aproveitar esses resíduos, foi desenvolvido um processo químico que remove a amônia e o fósforo em uma forma propícia de utilização na agricultura, ou seja, sem a presença de materiais indesejáveis. Essas substâncias foram removidas por precipitação química com a adição de magnésio, formando um mineral conhecido como estruvita (MgNH4PO4 6H2O). Esse mineral apresenta em sua composição dois nutrientes essenciais a plantas, além de nitrogênio, fósforo e magnésio – importantes para a fotossíntese. A recuperação de nutrientes em efluentes é importante, pois o fósforo é um recurso não renovável obtido a partir da mineração.

O tratamento do efluente do banheiro de aeronaves com a recuperação de nutrientes contribui para a sustentabilidade a partir do fechamento do ciclo do fósforo. O mineral da precipitação química poderá ser utilizado nas áreas verdes dos aeroportos, reduzindo assim o custo de manutenção desses lugares, além do tratamento do efluente. Espera-se que em breve seja possível realizar ensaios com aplicação de estruvita em áreas verdes.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.
Jorge PaixãoArticulistaJorge Paixão

PERFIL

Jorge Luiz da Paixão Filho é professor do curso de Engenharia Civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas.

ARTIGOS DESTE AUTOR

    Mais artigos deste autor

    Complete seu cadastro