O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta CimaFornecedores
  • Seta CimaProdutos
  • Seta CimaArquitetura
  • Seta CimaEquipamentos
  • Seta CimaRevista Digital
  • Seta CimaWeb Seminários
  • Seta CimaConexão AEC
  • Seta CimaBlog
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > Falar de BIM é falar de dinheiro

Falar de BIM é falar de dinheiro

Artigo de Carlos Alejandro, executivo de vendas da Autodesk

Parece clichê, mas em tempos de crise não há indústria que não esteja buscando fazer mais com menos. Por isso, o uso da tecnologia para gestão de obras não se refere a uma questão apenas técnica, mas de impacto direto no desempenho dos negócios.

Em pleno 2017, o termo BIM – do inglês Building Information Modeling –, já é bem conhecido nos setores da engenharia, arquitetura e construção. Para contextualizar, a metodologia BIM refere-se ao planejamento detalhado de uma obra, que utiliza hardware, software e pessoas treinadas para prever detalhes desde o cronograma até o volume de material para uma construção, seja ela uma residência ou um complexo projeto de infraestrutura, como rodovias ou aeroportos, por exemplo.

Pessoalmente, noto uma mudança muito nítida nos mercados da engenharia, arquitetura e construção. Há alguns anos, esse tema interessava apenas ao grupo técnico de um empreendimento que estava diretamente envolvido em planejar, desenvolver e executar construções de qualquer porte.

De uns tempos para cá, entretanto, noto que gestores públicos e privados estão começando a entender que quando falamos de BIM não estamos nos referindo apenas a um processo de trabalho que pode ser melhorado, mas a uma gestão completa de recursos, o que afeta diretamente a questão financeira.

Vamos aos fatos: quando uma instituição opta por desenvolver projetos em BIM sabe que pode ter ganhos financeiros reais, considerando o aumento da margem e da redução de custos.

Com o aumento da adoção dessa metodologia em diferentes lugares do mundo, foi possível medir quantitativamente esse benefício. Para citar alguns números, a consultoria McGraw Hill entrevistou diversas empresas que adotaram a metodologia e descobriu que o BIM possibilita os seguintes dados:

- 41% redução de erros e omissões;
- 31% menos retrabalho;
- 23% redução do custo da construção;
- 21% melhor controle de custos;
- 35% melhor colaboração entre o ecossistema envolvido;
- 32% melhor imagem organizacional;
- 19% redução nos prazos dos projetos.

Agora, imagine: quanto esses dados poderiam impactar o seu negócio?

Por fim, vale lembrar que o BIM não é uma moda passageira, mas sim o futuro do projeto e da execução das indústrias da arquitetura, engenharia e construção. Portanto, quem implanta o BIM sai na frente do mercado e estará maduro o suficiente quando a recuperação econômica vier.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro