O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta CimaFornecedores
  • Seta CimaProdutos
  • Seta CimaArquitetura
  • Seta CimaEquipamentos
  • Seta CimaRevista Digital
  • Seta CimaWeb Seminários
  • Seta CimaConexão AEC
  • Seta CimaBlog
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > Trânsito, fenômeno social e de saúde pública

Trânsito, fenômeno social e de saúde pública

Quando se dará atenção para a solução do transporte e do trânsito nesse país? Ações coordenadas do governo precisam de maior legitimidade. Leis complementares e resoluções parecem desarticular o conjunto de necessidades para solução do problema

A necessidade de mobilidade do ser humano leva-o a situações conflitantes. Busca por todos os meios o transporte individual, porque é privado do transporte coletivo diante do volume de passageiros, do “empurra-empurra” para acessar um ônibus, um trem, van ou qualquer outro meio.

Ir e vir são direitos assegurados pela Constituição, mas com muitas limitações na prática. O transporte hoje é, nas grandes metrópoles, a dificuldade maior. Perdem-se horas seguidas para o embarque, para transitar e para chegar a um destino.

A gestão, o planejamento e projetos estão distantes do objetivo da sociedade como um todo
Vítimas deste trânsito louco crescem de maneira assustadora. O último levantamento estatístico mostrou existirem 54 mil óbitos e 330 mil incapacitados. Não foram computados os óbitos tardios. Parece incrível, mas nem nas estatísticas temos dados reais e atualizados. É mostrado um panorama assustador, caracterizando um problema de saúde pública: são 154 óbitos por dia. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estimou em 40 bilhões de reais os custos com os acidentes de trânsito no Brasil.

O governo estimula a compra de veículos retirando impostos. Legaliza uma atividade de altíssimo risco quando libera a profissão de mototaxista. Tramita no parlamento projeto de lei permitindo que, aos 16 anos, o jovem possa ser portador da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Não são criados espaços para o trânsito dos veículos emplacados a cada dia. Milhares de novas carteiras são emitidas diariamente. Qual a intenção do governo: piorar o caos já existente, melhorar a popularidade, aumentar os conflitos, mostrar o crescimento econômico? Mas o custo de tudo isso, atualizado, já alcança cifras que dariam para construir quarenta estádios do Corinthians ou um milhão de casas populares.

O governo transita na contramão do fenômeno social e da saúde pública
A formação do motorista é precária, com ensinamentos elementares para fazer o veículo andar e estacionar. Nada é feito com relação a treinamento para os riscos em condições adversas como as condutas a serem tomadas com chuva, névoa, neblina, na área urbana, na rodovia, de dia, à noite e em outras situações. Como frear com freios comuns e ABS, com piso seco e molhado. Desviar de um obstáculo em emergência. Manipular todos os acessórios do veículo em situação normal e de emergência e tantos outros. As direções preventiva, defensiva e evasiva parecem não ter importância.

A avaliação psicológica é muito superficial, com tempo limitado, não permitindo um estudo aprofundado do perfil do futuro motorista. Liberam-se indivíduos pouco responsáveis, compulsivos, com distúrbios comportamentais e até portadores de doenças psiquiátricas. Não vemos direcionamento para uma qualificação mais adequada e o impedimento para acessar uma atividade de risco na direção veicular.

Todos, aos 18 anos, querem portar a carta de motorista. Esse é o passaporte para a liberdade, mesmo que não tenha condição para aquisição de um veículo. É a necessidade de, portando tal documento, ter “status” junto à sua galera. É o momento de poder dar uma voltinha no veículo de um colega. E, mal formado, desinformado, sem conhecer riscos, sem o aprendizado de situações de emergência, querer experimentar as emoções da velocidade, das frenagens bruscas, do cantar pneus, de chamar a atenção com som em nível alto, de fazer “pega” e muitas outras condições.

As autoridades são responsáveis por essa anarquia e precisam de atitudes severas para tornar a nossa mobilidade segura. A participação da sociedade se faz necessária.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.
Dirceu R. AlvesArticulistaDirceu R. Alves

PERFIL

Dirceu Rodrigues Alves é médico, diretor de Comunicação e do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego)

Complete seu cadastro

Receba gratuitamente os Boletins e
Informativos do Portal AECweb.

+55 (11) 3879-7777

Fale conosco