• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > Alvenarias estrutural e de vedação: diferenças e vantagens

Alvenarias estrutural e de vedação: diferenças e vantagens

Apesar de diferirem em vários aspectos, os dois sistemas podem utilizar blocos cerâmicos ou de concreto

Redação AECweb / e-Construmarket

A alvenaria de vedação é projetada para resistir basicamente a seu próprio peso. Já a alvenaria estrutural vai além, devendo resistir a outras cargas e ações. Os dois sistemas, no entanto, podem utilizar blocos de concreto ou cerâmicos. “Os componentes da alvenaria – bloco, junta de argamassa, graute e armadura – devem atender a requisitos mínimos para que possam ser utilizados, conforme estabelecido pelas normas técnicas específicas”, menciona Márcio Corrêa, professor doutor da Universidade de São Paulo (USP).

Na alvenaria estrutural os requisitos costumam ser mais rigorosos, em especial quanto à questão da resistência dos elementos. No caso do bloco de concreto, a ABNT-NBR 6136:2013 – Blocos vazados de concreto simples para alvenaria – Requisitos – divide os blocos em classes, sendo menos exigente quanto à resistência à compressão, absorção e retração quando o bloco não tem função estrutural. “No caso das argamassas acontece algo parecido. A ABNT-NBR 15961 –1:2011 – estrutural – Blocos de concreto – Parte 1: Projeto – exige uma resistência mínima à compressão de 1,5 MPa e máxima limitada a 0,7 da resistência característica especificada para bloco, referida à área líquida, para que a junta de argamassa seja confinada pelo bloco”, acrescenta.

Os componentes da alvenaria – bloco, junta de argamassa, graute e armadura – devem atender a requisitos mínimos para que possam ser utilizados conforme estabelecido pelas normas técnicas específicas
Márcio Corrêa

BLOCO DE CONCRETO OU CERÂMICO

Considerando que cada material tem as suas propriedades específicas, a escolha entre bloco de concreto ou cerâmico está relacionada à disponibilidade na região da obra, aspecto estético, número de pavimentos da edificação, entre outros critérios. No caso de alvenaria aparente, alguns construtores preferem utilizar bloco cerâmico, apesar de haver blocos de concreto fabricados com texturas. Já quando precisam construir edifícios com um maior número de pavimentos, é comum optarem pelo bloco de concreto, que, diante de suas resistências mais elevadas, mostram-se mais apropriados. “Independentemente do material, o importante é que tenha boa qualidade e que o projetista conheça as suas diferenças de comportamento”, comenta Corrêa, citando, por exemplo, que o bloco cerâmico é cerca de 10% mais leve, mas o de concreto apresenta razão de resistência da parede para a resistência do bloco cerca de 50% maior que o cerâmico.

Quanto aos revestimentos, eles são os mesmos para alvenaria estrutural e de vedação. É preciso, contudo, sempre observar as suas funções: proteção das paredes contra intempéries e agentes externos, acabamento e regularização de sua superfície. Segundo Corrêa, a racionalização pode e deve ser alcançada com o uso de qualquer material e qualquer sistema construtivo. “Como é mandatório que se faça a modulação tanto em planta quanto na vertical, exige-se naturalmente que procedimentos de racionalização sejam utilizados em projetos de alvenaria.”

ALVENARIA ESTRUTURAL É MENOS FLEXÍVEL

Independentemente do material, o importante é que tenha boa qualidade e que o projetista conheça as suas diferenças de comportamento
Márcio Corrêa

De acordo com Márcio Corrêa, uma desvantagem da alvenaria estrutural é a dificuldade de adaptação futura da arquitetura, a menos que durante o projeto se contemplem layouts alternativos. Uma parede estrutural não pode ser removida, assim como não podem ser feitos furos horizontais no plano da parede, que comprometem a sua seção transversal. "Seria o mesmo que retirar um pilar de uma construção no sistema tradicional laje/viga/pilar. Qualquer intervenção desejada deve ser devidamente levada aos construtores que, por sua vez, deverão consultar o projetista de estruturas”, aconselha.

MÃO DE OBRA DE QUALIDADE

O professor defende que tanto na alvenaria estrutural quanto na de vedação é imprescindível contar com mão de obra bem qualificada. Na estrutural há exigências rigorosas quanto ao prumo, alinhamento das paredes, espessura de juntas horizontais e verticais, continuidade vertical, entre outros fatores, que acabam por demandar uma mão de obra muito bem treinada.

NORMAS TÉCNICAS 

É amplo o conjunto de normas relativas à alvenaria estrutural e seus componentes. As mais importantes estão relacionadas com a tarefa a ser realizada. Para o projeto estrutural, as mais importantes são ABNT 15961-1:2011 Alvenaria Estrutural – Blocos de Concreto – Parte 1: Projeto – e ABNT 15812-1:2011 Alvenaria Estrutural – Blocos Cerâmicos – Parte 1: Projeto.Para a execução e controle de obras, seguem-se as mesmas normas em suas segundas partes. Quanto ao principal componente da alvenaria, o bloco, as normas mais importantes são ABNT NBR 6136 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria – Requisitos – e ABNT NBR 15270 Componentes cerâmicos, em suas três partes.

Leia também:
O charme do tijolo aparente
Qualidade no processo da alvenaria estrutural

Colaborou para esta matéria

Márcio R. S. Corrêa – Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), mestrado e doutorado em Engenharia de Estruturas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente colabora com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). É professor associado da USP. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Estruturas de Concreto e Alvenaria, atuando principalmente nos seguintes temas: análise estrutural de edifícios, métodos numéricos, análise experimental. Orientou 22 mestrados e 9 doutorados. Publicou 50 artigos em periódicos, 94 em anais de congressos, um livro e capítulos em três livros.
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro