• Busque fornecedores, produtos e matérias
O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta CimaFornecedores
  • Seta CimaProdutos
  • Seta CimaArquitetura
  • Canais
  • Seta CimaRevista Digital
  • Seta CimaWeb Seminários
  • Seta CimaConexão AEC
  • Seta CimaBlog
  • cotar produto
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > Placas cimentícias conferem versatilidade e estética a construções modulares

Placas cimentícias conferem versatilidade e estética a construções modulares

Rápida, limpa e econômica, a solução é compatível com revestimentos cerâmicos, laminados e pastilhas

Redação AECweb / e-Construmarket


Placas cimentícias geram menos entulho e exercem menor sobrecarga nas fundações e lajes

As placas cimentícias colaboram com a disseminação da construção modular. Disponíveis em várias cores, texturas e formatos, proporcionam flexibilidade às obras constituídas a partir de elementos pré-fabricados.

A solução agrega valor a projetos que pedem a otimização do espaço físico e de tempo, garantindo a qualidade de acabamento. “É uma alternativa rápida, limpa e econômica para a construção civil”, afirma o arquiteto Gabriel Pontes, gerente de Marketing e Administração de Vendas da Eternit.

As placas cimentícias são indicadas para projetos que justifiquem uma preocupação com os detalhes porque permitem trabalhar com cronogramas bem definidos, geram menos entulho, proporcionam ganho de área útil e exercem menor sobrecarga nas fundações e lajes
Gabriel Pontes

De acordo com o profissional, as placas cimentícias são uma ótima alternativa para sistemas de construção seca. “Elas são indicadas para projetos que justifiquem uma preocupação com os detalhes porque permitem trabalhar com cronogramas bem definidos, geram menos entulho, proporcionam ganho de área útil e exercem menor sobrecarga nas fundações e lajes”, destaca.

A solução não apodrece, tem montagem rápida, é resistente à umidade e de fácil manuseio. “Desde que especificado e executado corretamente, o material não apresenta nenhuma desvantagem”, afirma Pontes.

MATÉRIA-PRIMA

O que, basicamente, diferencia os produtos disponíveis no mercado são os processos de fabricação. “A principal matéria-prima é sempre o cimento e o que pode variar são os agregados de reforço: fibras, celulose, minerais, entre outros. As aplicações de cada tipo são as mesmas, variando o nível de desempenho em relação à resistência a impactos, permeabilidade e estabilidade dimensional”, completa.

A principal matéria-prima é sempre o cimento. O que pode variar são os agregados de reforço: fibras, celulose, minerais, entre outros. As aplicações de cada tipo são as mesmas, variando o nível de desempenho em relação à resistência a impactos, permeabilidade e estabilidade dimensional
Gabriel Pontes

ESPECIFICAÇÃO

A metodologia empregada na fabricação das placas é a CRFS – Cimento Reforçado com Fio Sintético. E o resultado é uma peça com bom desempenho técnico, flexibilidade no manuseio, durabilidade e estabilidade.

A solução pode ser encontrada nos comprimentos de 2,00, 2,40 e 3,00 m, sempre com a largura de 1,20 m. “A compra é feita por peça. A dimensão é escolhida mediante projeto de paginação. As placas podem ser facilmente cortadas nas obras com uso de serra mármore, de acordo com as necessidades de cada projeto”, finaliza Pontes.

O material pode ser especificado para paredes internas, fachadas, beirais, fechamento de shafts, módulos construtivos, Steel Frame, caixas de escadas, detalhes construtivos e elementos decorativos, além de suprir algumas restrições do gesso acartonado em áreas molhadas. “É possível, inclusive, o uso em fechamentos curvos de projetos mais arrojados”, ressalta o especialista, comentando que a solução também apresenta como característica a resistência a intempéries e imunidade contra fungos, insetos e roedores. “O material não propaga chamas e não oxida”, avalia.

É possível, inclusive, o uso em fechamentos curvos de projetos mais arrojados
Gabriel Pontes

INSTALAÇÃO

É importante que o profissional responsável pela instalação siga as recomendações do manual de compras do produto. Veja algumas orientações gerais:

- O encontro das placas deve estar em um mesmo plano, onde é preciso deixar espaçamento de 3 mm de espessura para futuro preenchimento.

- A fixação nessas regiões não deve estar a menos de 1,5 cm da borda da placa. “As placas cimentícias permitem diferentes tipos de acabamento. Entre as alternativas estão os revestimentos cerâmicos, tintas e vernizes acrílicos, argamassas, texturas, porcelanatos, laminados melamínicos e pastilhas”, detalha o especialista.

Placas cimentícias aparentes

Quando o projeto prevê painel com placa cimentícia aparente é recomendável a aplicação de pintura incolor para proteção de sua superfície.

- Para boa adesão de qualquer revestimento, o painel deverá estar limpo e seco, isento de óleo, gordura ou pó. Para isso, deve-se efetuar a limpeza com pano umedecido ou álcool comum.

- O assentamento de revestimento cerâmico pede o uso de argamassas AC III. É necessário deixar junta de dilatação entre o revestimento e as paredes de alvenaria ou pilares, evitando trincas ou descolamento em caso de movimentação da estrutura.

QUALIDADE E MANUTENÇÃO

O material deve estar em conformidade com a ABNT NBR 15498 - Placa de fibrocimento sem amianto — Requisitos e métodos de ensaio. Já os métodos de limpeza indicados para os produtos variam de acordo com o acabamento executado.

Colaboraram para esta matéria

Gabriel Pontes – arquiteto e urbanista formado pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Tem MBA em Engenharia Civil e Marketing, ambos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Atualmente é gerente de Marketing e Administração de Vendas da Eternit.
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro