• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > Veja, passo a passo, como é feita a aplicação de massa corrida

Veja, passo a passo, como é feita a aplicação de massa corrida

Produto é ideal para a regularização de paredes após o reboco. Apesar de sua aplicação parecer simples, deve ser realizada por profissionais experientes de pintura

Texto: Pedro Miranda

Aplicação de massa corrida exige cuidado e conhecimento técnico (crédito: shutterstock.com / Syda Productions)

A massa corrida PVA é um dos materiais mais importantes e populares da fase de acabamento de uma obra. Ela é ideal para a correção de pequenas imperfeições, garantindo o nivelamento de superfícies que receberão pinturas.

Sua aplicação é recomendada apenas para ambientes internos e que não tenham contato com áreas úmidas. “A massa corrida PVA deve ser usada para regularizar superfícies porosas de alvenaria, como o reboco, e corrigir superfícies de alvenaria para uma repintura”, explica Ricardo Martins de Sá, instrutor de formação profissional do Senai e especialista em efeitos decorativos.

A aplicação é simples, porém exige atenção e técnica, devendo, preferencialmente, ser realizada por profissionais da área de pintura. “É preciso entender sua forma de aplicação (que pode ser através da desempenadeira), as quantidades de demãos para não trabalhar com excesso de massa e o processo de lixamento e pintura”, pontua Martins de Sá. Veja a seguir como ela é aplicada.

A massa corrida PVA deve ser usada para regularizar superfícies porosas de alvenaria, como o reboco, e corrigir superfícies de alvenaria para uma repintura
Ricardo Martins de Sá

PASSO A PASSO

• Com a parede já rebocada, utilize lixa n° 80 ou 100 para preparar a parede para aplicação da massa corrida.

• É necessária uma superfície limpa, por isso, limpe o local com vassoura ou escova seca para retirar a poeira do lixamento.

• Aplique uma demão de selador acrílico. Isso garantirá menor poder de absorção da superfície, possibilitando melhor alastramento da massa corrida. Além de isolar o cimento, evitando manchas futuras.

• Chegou a hora de aplicar a massa corrida. Utilizando a desempenadeira, procure colocar uma quantidade que não resulte em excesso de massa. Isso evita o peso e que a massa escorra pelas laterais enquanto é aplicada. A desempenadeira deve estar sempre posicionada em um ângulo de aproximadamente 45°. O método para espalhar é semelhante a “passar manteiga no pão”. Enquanto estiver aplicando e esticando a massa, procure fazer uma pressão moderada para que fixe na superfície. Repita o processo até observar que o reboco foi coberto.

• Aplique nova quantidade de massa e repita a tarefa, procurando esticar a massa e dando sequência na aplicação anterior. É fundamental evitar o excesso. O ponto correto é quando se observa que o reboco foi coberto com uma fina camada de massa, cobrindo o grão de areia do reboco. O excesso de massa provoca um lixamento com maior esforço e poeira.

• Se foram observadas falhas, pode-se fazer o retoque após a secagem. O tempo de secagem deve ser seguido conforme orientação do fabricante (descrito na embalagem).

• O lixamento pode ser feito com lixas para alvenaria n° 150 e 180. Se houve excesso de massa corrida na aplicação, recomenda-se começar com uma lixa de numeração mais baixa e ir aumentando a numeração para retirar marcas de lixamento. A numeração da lixa pode ser avançada acrescentando metade da numeração anterior, por exemplo: 80 depois 120, 120 depois 180, 150 depois 220. Dessa forma irá garantir um lixamento sem marcas riscadas que poderão aparecer depois de aplicada a tinta.

• Limpe novamente usando uma vassoura ou escova. Em seguida, limpe com um pano úmido para retirar a poeira mais fina que fica na parede após a limpeza com vassoura.

Cada fabricante informa na embalagem quantos metros quadrados seu produto rende. Então é necessário medir a área levando em conta essa informação
Ricardo Martins de Sá

MASSA CORRIDA X MASSA ACRÍLICA

Existem produtos específicos para outros tipos de aplicações, como a massa acrílica. “Desenvolvida para a área externa e úmida, a massa acrílica possui em sua formulação resina acrílica, proporcionando maior dureza e resistência após a secagem”, diferencia Sá.

Já para madeiras, o ideal é utilizar um produto específico para o nivelamento desse material. O uso de massa corrida pode ocasionar inchamento e possíveis trincas conforme o uso. Sá conta que as aplicações de massa corrida em portas de madeira usualmente causam trincas nos batentes, guarnições e nas emendas das folhas.

ALTERNATIVA

Com uma aplicação semelhante à da massa corrida PVA, o gesso dispensa a necessidade de reboco e resulta em uma obra mais econômica. Entretanto, a utilização do produto também traz desvantagens consideráveis: acabamento com mais irregularidades, baixa resistência à umidade, e, por ser mais poroso, acaba exigindo mais tinta no caso de pintura.


QUANTIDADE

O cálculo do volume de massa corrida a ser usado deve ser realizado de acordo com o rendimento informado pelo fabricante. “Cada fabricante informa na embalagem quantos metros quadrados seu produto rende. Então é necessário medir a área levando em conta essa informação”, explica Sá, que completa: “Uma massa de boa qualidade rende, aproximadamente, 50m². Com reaplicação, poderá render 40m². Essa orientação não é definitiva, pois pode variar com a porosidade do reboco. Um reboco mais poroso certamente irá consumir mais massa corrida”.

Colaboração técnica

Ricardo Martins de Sá – Instrutor de Formação Profissional Senai e Especialista em Efeitos Decorativos.
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro