Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > Vidro de alta resistência mecânica oferece segurança aos projetos

Vidro de alta resistência mecânica oferece segurança aos projetos

Submetido a tratamento térmico específico, o material é cinco vezes mais resistente do que um vidro comum e suporta um diferencial de temperatura de até 220 °C entre as faces

Texto: Gabriel Bonafé

O vidro de alta resistência mecânica se caracteriza por ser um vidro submetido a tratamento térmico específico, que consiste em aquecimento gradativo seguido de resfriamento brusco. Tal processo estabelece tensões elevadas de compressão nas zonas superficiais e tração no centro.

vidro-de-alta-resistencia-mecanica
Em caso de quebra, o vidro temperado se desintegra em pequenos fragmentos
(A. Storm Photography/ Shutterstock.com)

Denominado temperado, esse material também é classificado como vidro de segurança. “Em caso de quebra, ele se desintegra em pequenos fragmentos, menos cortantes, o que diminui o risco de ferimentos”, explica Vera Andrade, coordenadora-técnica da Associação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos (Abravidro).

A produção desse tipo de vidro conta com norma própria, a NBR 14698:2001, publicada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Ela estabelece requisitos gerais, cuidados para garantir a segurança, métodos de ensaio, entre outros aspectos relacionados à aplicação do material na construção e indústria moveleira.

Em caso de quebra, o vidro temperado se desintegra em pequenos fragmentos, menos cortantes, o que diminui o risco de ferimentos
Vera Andrade

DESEMPENHO

A alta resistência mecânica não é um mero atributo do vidro temperado. “Ele é cinco vezes mais resistente que um vidro comum de mesma espessura”, conta o engenheiro Luiz Barbosa, sócio-diretor do Ci & Lab.

Autoportante, o material suporta fixação de ferragens diretamente em sua superfície, dispensando a necessidade de caixilhos. Como ele não permite modificações, como furos e redução de tamanho após a confecção, os pontos de fixação devem ser previstos antes da sua fabricação.

Outro aspecto do vidro temperado é que ele suporta diferenças de temperatura muito maiores do que um vidro comum. “Sua resistência térmica suporta um diferencial de temperatura de até 220 °C entre as faces”, aponta Andrade.

APLICAÇÕES

A aplicação do vidro temperado é orientada pela NBR 7199:2016, da ABNT, que trata sobre projeto, execução e aplicações de vidro na construção civil. Em suma, o documento permite a aplicação do vidro como autoportante ou encaixilhado, apesar de ele dispensar a necessidade desse segundo caso.

Deve-se prever, em projeto, a utilização de calços e gaxetas, dimensionadas a partir das características de projeto
Luiz Barbosa

Também é indicado para divisória de ambientes internos abaixo da cota de 1,10 m em relação ao piso, muros de vidro e situações nas quais o vidro ficará exposto a uma variação de temperatura superior a 30 °C na mesma face.

O vidro temperado pode ser utilizado de forma monolítica ou na composição de vidros laminados e insulados. “Caso a instalação de guarda-corpos e coberturas exija resistência mecânica, aplica-se o vidro laminado composto de peças temperadas”, exemplifica a coordenadora-técnica da Abravidro.

Saiba mais: vidro temperado pode ser usado em fachadas, lojas e halls de edifícios

FIXAÇÃO

Embora permitam aplicação encaixilhada e por meio de parafusos e ferragens, os vidros de alta resistência mecânica não podem fazer contato direto com as peças metálicas, alvenaria e qualquer material de dureza superior ao dele. “Deve-se prever, em projeto, a utilização de calços e gaxetas, dimensionadas a partir das características de projeto”, orienta Barbosa.

Além disso, também é necessário adotar outros cuidados para fixação dos vidros temperados. “As peças devem ser fixadas de tal forma que não sofram esforços originários de dilatação, contração, torção, vibração ou deformação do sistema”, acrescenta Andrade.

Colaboração técnica

Luiz Barbosa – Engenheiro e sócio-diretor do Ci & Lab, empresa de consultoria em vidro, esquadrias e fachadas.
Vera Andrade – coordenadora-técnica da Associação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos (Abravidro).
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro