• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Aluguel residencial em SP cresce 0,31% em novembro, diz Secovi-SP

Aluguel residencial em SP cresce 0,31% em novembro, diz Secovi-SP

No acumulado de 12 meses, os valores permaneceram quase estáveis, com variação negativa em 0,01%. Números indicam tendência de recuperação do setor, acredita entidade

Texto: Yuri Soares

No acumulado de 12 meses, os valores permaneceram quase estáveis, com variação negativa em 0,01%. Números indicam tendência de recuperação do setor, acredita entidade


Em novembro, dois tipos de unidades residenciais tiveram aumento no preço do aluguel: as de três dormitórios, com variação de 1,3%, e as de dois dormitórios, que cresceram 0,5% (Créditos: Shutterstock / inacioluc)

19/12/2018 | 14:22 - O preço médio do aluguel residencial na capital paulista teve uma variação positiva de 0,31%, no mês de novembro. No acumulado de 12 meses (dezembro de 2017 a novembro de 2018), os valores permaneceram estáveis, com pequena variação negativa de 0,01%, bem abaixo do IGP–M (Índice Geral de Preços – Mercado), da Fundação Getúlio Vargas, que registrou variação de 9,68% no mesmo período.

Os dados constam da Pesquisa Mensal de Locação Residencial, realizada pelo Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP). Segundo o estudo, em novembro, dois tipos de unidades residenciais tiveram aumento no preço do aluguel: as de três dormitórios, com variação de 1,3%, e as de dois dormitórios, que cresceram 0,5%. Os imóveis com um quarto tiveram uma queda de 0,5% no valor do aluguel.

O fiador foi o tipo de garantia mais utilizada pelos inquilinos, correspondendo a 45,5% dos contratos de locação. Em seguida, está o depósito de três meses de aluguel, representando 37,5%. O seguro-fiança correspondeu por 17% dos contratos.

O vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP, Rolando Mifano, analisa que a variação negativa no período de 12 meses indica uma tendência de recuperação do setor. Segundo ele, o momento ainda é favorável para negociação entre proprietários e inquilinos.

“O locador tem flexibilizado as negociações com bons inquilinos. A estratégia é uma boa saída para ajudar a economizar com custos como IPTU, condomínio e manutenção do imóvel”, afirma.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro