• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Barreiras de contenção de rejeitos já operam no Rio Paraopeba

Barreiras de contenção de rejeitos já operam no Rio Paraopeba

Estruturas visam a proteger o sistema de captação de água do município de Pará de Minas (MG), localizado a aproximadamente 40 quilômetros de Brumadinho

Texto: Yuri Soares

Estruturas visam a proteger o sistema de captação de água do município de Pará de Minas (MG), localizado a aproximadamente 40 quilômetros de Brumadinho


Método para reter os rejeitos de minério utiliza uma membrana no leito do rio, que atua como um tecido filtrante, evitando a dispersão de partículas sólidas (Créditos: Isac Nóbrega/Presidência da República)

06/02/2019 | 16:11 - As três barreiras de contenção de rejeitos instaladas pela mineradora Vale no Rio Paraopeba já entraram em operação. As estruturas visam a proteger o sistema de captação de água do município de Pará de Minas (MG), localizado a aproximadamente 40 quilômetros de Brumadinho.

As duas primeiras barreiras de contenção instaladas possuem 30 metros de comprimento, com profundidade de até três metros. A terceira estrutura apresenta 50 metros de comprimento, e sua profundidade varia de dois a três metros.

O método para reter os rejeitos de minério utiliza uma membrana no leito do rio, que atua como um tecido filtrante, evitando a dispersão de partículas sólidas como argila, silte e matéria orgânica, que provocam a turbidez da água a alteram sua transparência. As cortinas antiturbidez contêm correntes metálicas na parte submersa, permitindo que o tecido permaneça na borda inferior mesmo com o fluxo do rio. Além disso, uma boia cilíndrica fica na superfície, sendo utilizada para a contenção de elementos suspensos na água.

Segundo a Vale, a instalação das membranas é uma medida preventiva e abrange o plano de contenção e recuperação do Ministério Público e órgãos ambientais. As iniciativas contidas no plano têm o intuito de atenuar os efeitos da tragédia de Brumadinho em três trechos, sendo o de Pará de Minas na terceira parte.

A mineradora informa, ainda, que 46 pontos ao longo do Rio Paraopeba até a foz do Rio São Francisco estão sendo monitorados, com realização de coletas diárias de água e de sedimentos para análises químicas.

Para ler mais notícias relacionadas a tragédia de Brumadinho, acesse:

Vale anuncia projeto para reter detritos de barragem que rompeu

Governo determina fiscalização de barragens espalhadas pelo País

Engenheiros comentam rompimentos de barragens em Brumadinho e Mariana

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro