• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Construtoras temem perder recursos com liberação de saques do FGTS

Construtoras temem perder recursos com liberação de saques do FGTS

Governo Federal vai liberar saque de contas ativas para injetar recursos na economia e estimular consumo. Para o Sinduscon-SP, medida prejudica a construção civil

Texto: Yuri Soares

Governo Federal vai liberar saque de contas ativas para injetar recursos na economia e estimular consumo. Para o Sinduscon-SP, medida prejudica a construção civil


De acordo com o vice-presidente do Sinduscon-SP, o saque reduzirá a curto prazo o volume de investimentos destinados para habitação, saneamento e mobilidade urbana (Créditos: Arquivo/Agência Brasil)

18/07/2019 | 17:41 - O presidente da República, Jair Bolsonaro, informou que o governo irá liberar o saque em contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do PIS-Pasep. O objetivo é injetar recursos que estimulem a economia e fomentem o consumo. Segundo ele, a equipe econômica ainda ajusta detalhes operacionais antes da publicação da medida, que deve acontecer na próxima semana.

A ideia já vinha sendo estudada pelo governo. Inicialmente, o intuito era liberar os saques apenas após a aprovação da reforma da Previdência, ainda em tramitação no Congresso Nacional. Entretanto, a aprovação da reforma, se confirmadas as expectativas dos aliados do governo, deverá acontecer somente a partir de setembro.

Impactos na indústria da construção

Em nota divulgada, o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), se manifestou negativamente a respeito da medida anunciada pelo Governo Federal. De acordo com o vice-presidente da entidade, Ronaldo Cury, o saque poderá prejudicar o setor, pois reduzirá a curto prazo o volume de investimentos destinados à habitação, saneamento e mobilidade urbana, além de colocar em risco “a sustentabilidade do fundo a longo prazo”.

Conforme informações do Sinduscon-SP, o fluxo de caixa do FGTS previsto para 2019 indica uma disponibilidade (caixa) de R$ 112,145 bilhões e saldo em dezembro de R$ 94,004 bilhões, sendo R$ 31,634 bilhões correspondentes à por reserva legal para cobertura de saques.

“Já aumentou o volume de saques diminuindo sistematicamente assim o valor do saldo total. O alerta foi dado e provavelmente devemos encarar uma sucessão de revisões para baixo dos orçamentos futuros como forma de honrar compromissos assumidos e manter o FGTS”, afirma Cury.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro