O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta CimaFornecedores
  • Seta CimaProdutos
  • Seta CimaArquitetura
  • Seta CimaEquipamentos
  • Seta CimaRevista Digital
  • Seta CimaWeb Seminários
  • Seta CimaConexão AEC
  • Seta CimaBlog
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > IGP-M avança para 0,25% na primeira medição de março

IGP-M avança para 0,25% na primeira medição de março

Houve uma queda menor nos preços agropecuários e uma alta maior nos preços industriais no atacado. Para o consumidor, a inflação arrefeceu

Houve uma queda menor nos preços agropecuários e uma alta maior nos preços industriais no atacado. Para o consumidor, a inflação arrefeceu

09 de março de 2017 - A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) acelerou para 0,25% na primeira prévia de março, após se situar em 0,10% no mesmo período de um mês antes. Houve uma queda menor nos preços agropecuários e uma alta maior nos preços industriais no atacado. Para o consumidor, a inflação arrefeceu.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 0,23% no primeiro decêndio de março, depois de marcar elevação de 0,01% em igual intervalo de fevereiro. Os preços dos produtos industriais subiram de 0,24% para 0,39%, enquanto a deflação dos produtos agropecuários diminuiu de 0,59% para 0,21%.

Individualmente, os itens que mais contribuíram para a alta da inflação no atacado foram o minério de ferro, o leite in natura, ovos, aves e refrigerantes. Por outro lado, a queda de preços da soja, do milho, carne bovina, gasolina e diesel frearam a elevação do indicador.

Já a alta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) passou de 0,22% para 0,17% da medição inicial de fevereiro para a de março. Das oito classes de despesa avaliadas, o destaque coube ao grupo Educação, Leitura e Recreação (1,75% para -0,44%), influenciado pelo item cursos formais, cuja taxa passou de 3,56% para zero. Também tiveram taxas menores Vestuário (0,69% para 0,14%) e Comunicação (0,27% para -0,01%), refeltindo os itens calçados masculinos (1,33% para -2,22%) e tarifa de telefone móvel (0,60% para zero), respectivamente.

Subiram mais Transportes (0,29% para 0,64%), Habitação (0,17% para 0,27%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,33% para 0,51%) e Despesas Diversas (0,21% para 0,45%). Alimentação deixou queda de 0,41% para declínio de 0,19%.

Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) acelerou de 0,39% para 0,54% da prévia de fevereiro para a parcial de março. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços avançou 0,23% e aquele que representa o custo da Mão de obra aumentou 0,80%.

Fonte: Valor Econômico
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro