• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Nível de atividade na construção retoma recuperação em junho

Nível de atividade na construção retoma recuperação em junho

Indicador medido pela Sondagem Indústria da Construção ainda registra números negativos, mas revela tendência de alta após efeitos da greve de caminhoneiros

Texto: Yuri Soares

Indicador medido pela Sondagem Indústria da Construção ainda registra números negativos, mas revela tendência de alta após efeitos da greve de caminhoneiros


Índices de nível de atividade e emprego ficaram abaixo da linha de 50 pontos (Créditos: Shutterstock/cifotart)

03/08/2018 | 10:25 – O nível de atividade na indústria da construção retomou a tendência de recuperação no mês de junho após o forte recuo causado pela greve dos caminhoneiros no mês anterior.

Medido pela Sondagem Indústria da Construção, realizada mensalmente pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o indicador de atividade subiu 2,3 pontos, alcançando 46,7 pontos em junho. Comparando com o mesmo período do ano passado, o índice teve alta de 3,9 pontos. Valores abaixo dos 50 pontos indicam queda no nível de atividade.

Segundo a CNI, “o resultado reflete a retomada do setor após a normalização do transporte rodoviário de cargas. O retorno, ainda que gradual, do fluxo de insumos e produtos viabilizou a melhora da atividade”.

Em tendência oposta, o indicador de emprego caiu 0,9 ponto, chegando a 43,4 pontos em junho deste ano. Abaixo da linha de 50 pontos, esse índice indica queda na geração de empregos no setor.

O nível de uso da capacidade operacional registrou 57% em junho, subindo 2 pontos percentuais na comparação com maio. Sendo assim, a pesquisa mostra que a indústria da construção operou com 43% das máquinas, equipamento e pessoal parados no mês antecedente.

A Sondagem aponta também que os principais problemas enfrentados pela indústria da construção no segundo trimestre do ano foram: elevada carga tributária (33,7% das respostas), demanda interna insuficiente (32% das respostas), falta de capital de giro (27% das menções), burocracia excessiva (21,6 % das respostas) e inadimplência dos clientes (21,2% das respostas.

Realizada entre 2 e 12 de julho, a pesquisa contou com a participação de 549 empresas do setor, sendo 195 pequenas, 242 são médias e 112 de grande porte.

Para conferir o levantamento completo acesse a página da Sondagem Indústria da Construção.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro