• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > Nova lei cria fundos patrimoniais para financiar projetos públicos

Nova lei cria fundos patrimoniais para financiar projetos públicos

Recursos serão utilizados para financiar projetos de interesse público nas áreas de educação, ciência, tecnologia, pesquisa e inovação, cultura, saúde, entre outras

Texto: Yuri Soares

Recursos serão utilizados para financiar projetos de interesse público nas áreas de educação, ciência, tecnologia, pesquisa e inovação, cultura, saúde, entre outras


A nova Lei é oriunda da Medida Provisória 851/18, editada pelo então presidente Michel Temer, em setembro do ano passado, após o incêndio no Museu Nacional do Rio de Janeiro (Créditos: divulgação/ Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Minas Gerais)

14/01/2019 | 15:06 - O Governo Federal sancionou a Lei 13.800/19, que estabelece a criação de fundos patrimoniais para financiar projetos de interesse público nas áreas de educação, ciência, tecnologia, pesquisa e inovação, cultura, saúde, meio ambiente, assistência social e desporto. A nova legislação foi publicada no Diário Oficial da União de 7 de janeiro.

Segundo o texto, os fundos servirão como financiamento de longo prazo para instituições de interesse público, por meio de parcerias, programas e projetos. Poderão participar instituições federais, estaduais, municipais e distritais. Qualquer pessoa física ou jurídica poderá fazer doações ao patrimônio.

A Lei é oriunda da Medida Provisória 851/18, editada pelo então presidente Michel Temer, em setembro do ano passado, após o incêndio no Museu Nacional do Rio de Janeiro. No final de 2018, o Congresso Nacional aprovou a medida e, por fim, Bolsonaro sancionou com sete vetos a legislação.

Entre os dispositivos vetados pelo presidente, está o item que equipararia as fundações de apoio de universidades e demais centros de ensino e pesquisa com as organizações gestoras de fundo patrimonial. A razão do veto, segundo o governo, é que a semelhança poderia gerar conflito de interesses, pois comprometeria a separação de funções entre as diferentes organizações que podem gerir ou se beneficiar dos fundos patrimoniais, além de prejudicar a credibilidade da política, comprometendo instrumentos importantes para a fiscalização das contas.

Outro trecho vetado é o que possibilitaria à associações e fundações já constituídas optar por enquadrar seus fundos como fundos patrimoniais. Para o governo, o dispositivo poderia “resultar em geração de déficit nas contas públicas, haja vista a possibilidade de transformação dos fundos públicos em fundos privados”.

Além disso, foram vetados três artigos que tratavam de benefícios tributários que poderiam ser concedidos aos fundos patrimoniais e organizações gestoras. Segundo o Poder Executivo, os benefícios acarretariam renúncia de receitas sem atender aos requisitos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF - Lei Complementar 101/00) e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018.

(Com informações da Câmara Notícias)

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro