• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > Preço dos imóveis residenciais no Brasil caem 0,10% em dezembro

Preço dos imóveis residenciais no Brasil caem 0,10% em dezembro

Segundo o Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial, calculado pela Abecip, no acumulado de 12 meses os valores registraram queda de 0,64%

Texto: Yuri Soares

Segundo o Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial, calculado pela Abecip, no acumulado de 12 meses os valores registraram queda de 0,64%


Entre as dez capitais brasileiras pesquisadas, apenas Recife e Rio de Janeiro apresentaram variações nominais negativas dos imóveis residenciais no acumulado de 2018 (Créditos: Iuliia Timofeeva/ Shutterstock)

04/02/2019 | 16:15 - Segundo o Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial (IGMI-R), calculado pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), o valor dos imóveis residenciais no Brasil caiu 0,10% em dezembro do ano passado, percentual ligeiramente inferior ao observado no mês anterior (0,19%). Com o resultado, o indicador acumulado em 12 meses recuou para 0,64%, frente ao 0,79% observado em novembro.

A pesquisa aponta que, entre as dez capitais brasileiras pesquisadas, apenas Recife e Rio de Janeiro apresentaram variações nominais negativas dos imóveis residenciais no acumulado de 2018. Os destaques positivos ficaram por conta de São Paulo, Fortaleza, Curitiba, Salvador e Goiânia, todas com aumentos superiores a 1%.

Apesar disso, os resultados não foram suficientes para compensar as quedas registradas nos anos anteriores, com exceção de Fortaleza e Goiânia, que conseguiram sustentar os preços nominais ao longo de 2015 e 2016, recuando apenas em 2017. Sob a perspectiva dos termos reais, os valores dos imóveis residenciais ainda apresentaram quedas.

A expectativa é de que as condições de financiamento melhorem com a tendência de permanência das taxas de juros em níveis baixos. Conforme a Abecip, a retomada do crescimento do mercado imobiliário está condicionada à aprovação das reformas necessárias para que possa impactar a confiança de investidores e as condições do mercado de trabalho.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro