• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Vale anuncia projeto para reter detritos de barragem que rompeu

Vale anuncia projeto para reter detritos de barragem que rompeu

Segundo a empresa, foram instalados 45 pontos de monitoramento ao longo do Rio Paraopeba, com realização de coletas diárias de água e de sedimentos para análises

Texto: Yuri Soares

Segundo a empresa, foram instalados 45 pontos de monitoramento ao longo do Rio Paraopeba, com realização de coletas diárias de água e de sedimentos para análises


Plano reparte área afetada em três trechos, que receberão diferentes medidas de recuperação (Créditos: divulgação/ Ministério da Saúde)

05/02/2019 | 11:20 - A Vale anunciou o projeto para reter os rejeitos de minério dispersados da Barragem I, da Mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), que se rompeu no dia 25 de janeiro. Conforme o plano, a área afetada foi repartida em três trechos, que receberão medidas de recuperação diferentes.

O primeiro trecho possui dez quilômetros de extensão e abrange o entorno da barragem. Para que esta área seja reabilitada, serão construídos diques, que irão reter os rejeitos grossos e pesados. Com cerca de 30 quilômetros de extensão, o trecho 2 fica localizado no Rio Paraopeba, entre Brumadinho e a cidade de Juatuba. Nesta região está concentrado o material fino, composto por silte e argila, que será dragado e embalado para destinação adequada.

Já o trecho 3, situado entre Juatuba e a Usina de Retiro Baixo, possui 170 quilômetros. Neste local, onde se concentram os sedimentos ultrafinos, serão feitas ações levando em conta as características do curso d'água e o do material presente no rio. Os técnicos implantaram barreiras de retenção ao longo desse trecho do Rio Paraopeba. Existe, ainda, a possibilidade de aplicação de floculantes, utilizados para aglutinar os finos e facilitar a retirada do material do rio, mas a ação passa pelo aval dos órgãos ambientais.

O sistema de captação de água de Pará de Minas, que está situado a 115 quilômetros da barragem no rio Paraopeba, será protegido por três barreiras de retenção.

A Vale informou, ainda, que foram instalados 45 pontos de monitoramento ao longo do Rio Paraopeba, com realização de coletas diárias de água e de sedimentos para análises químicas. Em outros quatro pontos, a análise é feita de turbidez a cada hora.

(Com informações da Agência Brasil)

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro