O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta CimaFornecedores
  • Seta CimaProdutos
  • Seta CimaArquitetura
  • Seta CimaEquipamentos
  • Seta CimaRevista Digital
  • Seta CimaWeb Seminários
  • Seta CimaConexão AEC
  • Seta CimaBlog
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > Varejo do Estado de São Paulo elimina 16.352 empregos em janeiro

Varejo do Estado de São Paulo elimina 16.352 empregos em janeiro

Na comparação com janeiro de 2016, o estoque ativo encolheu 2,1% e o setor encerrou o mês com 2.066.531 trabalhadores. Esse é o menor saldo negativo para o mês desde 2013

Na comparação com janeiro de 2016, o estoque ativo encolheu 2,1% e o setor encerrou o mês com 2.066.531 trabalhadores. Esse é o menor saldo negativo para o mês desde 2013

10 de abril de 2017 - O comércio varejista do Estado de São Paulo eliminou 16.352 empregos formais em janeiro, resultado de 66.549 admissões contra 82.901 desligamentos. Apesar do saldo negativo, tradicional para o mês de janeiro após as vendas de fim de ano, o fechamento de postos de trabalho foi o mais ameno para o mês desde 2013. Assim, o varejo encerrou o mês com um estoque total de 2.066.531 trabalhadores, queda de 2,1% na comparação com janeiro de 2016. No acumulado dos últimos 12 meses, foram extintos 43.422 empregos com carteira assinada.

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, mesmo com o resultado negativo, o quadro atual é melhor do que o observado nos últimos anos. Não apenas a contratação de temporários em 2016 foi maior que em 2015, mas também a perda de vagas em janeiro de 2017 é mais amena que no mesmo mês de 2016, 2015 e 2014. Esta tendência, segundo a Entidade, dá continuidade ao cenário de recuperação do mercado de trabalho celetista do varejo paulista.

Entre as nove atividades pesquisadas, apenas duas apresentaram crescimento no número total de empregos em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2016: farmácias e perfumarias (2,2%) e supermercados (0,7%). Por outro lado, os piores desempenhos foram registrados pelos segmentos de concessionárias de veículos (-5,8%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (-5,1%) e lojas de móveis e decoração (-4,7%).

Observando os dados por ocupações, os vendedores e demonstradores (-8.300 vagas) e os caixas bilheteiros e afins (-2.898 vagas) registraram os maiores saldos negativos no mês.

Segundo a FecomercioSP, o que se espera daqui para a frente é um horizonte parecido com o registrado em janeiro, com perdas menores de vagas em relação a contraposição anual e saldos cada vez mais próximos da estabilidade, para que se inicie uma reação na movimentação da mão de obra formal. Este movimento pode já acontecer no primeiro semestre, segundo a Federação, mas ficará mais evidente nos últimos seis meses de 2017.

Varejo paulistano

O comércio varejista da capital paulista seguiu a tendência estadual e eliminou 4.319 empregos formais em janeiro, resultado de 20.068 admissões contra 24.387 desligamentos. Com o resultado, o estoque total atingiu 645.312 trabalhadores. No acumulado dos últimos 12 meses, foram extintos 11.445 postos de trabalho, o que levou a uma queda de 1,7% do estoque de empregos na comparação com janeiro de 2016.

Das nove atividades pesquisadas, apenas as de farmácias e perfumarias (3,5%) e os supermercados (0,7%) apresentaram crescimento no estoque de empregos na comparação com janeiro de 2016. Já as maiores retrações foram registradas nas concessionárias de veículos (-5,5%), lojas de móveis e decoração (-4,7%) e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-4,6%).

Fonte: FecomercioSP
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro

Receba gratuitamente os Boletins e
Informativos do Portal AECweb.

+55 (11) 3879-7777

Fale conosco