O portal da Arquitetura,
Engenharia e Construção
Receba Boletins e Informativos. Saiba mais
Fechar


  • Home

  • Seta CimaFornecedores
  • Seta CimaProdutos
  • Seta CimaArquitetura
  • Seta CimaEquipamentos
  • Seta CimaRevista Digital
  • Seta CimaWeb Seminários
  • Seta CimaConexão AEC
  • Seta CimaBlog
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

ABRAMAT

ABRAMAT - Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

ABRAMAT

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

EntidadeSão Paulo, SP
Telefone:(11) 3026-4343

Para Abramat, 2017 deve ser um ano melhor

Entrevista com Walter Cover, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Entrevista com Walter Cover, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Walter
O setor já passou por momentos difíceis no passado, mas essa crise foi mais forte.

Redação AECweb / e-Construmarket

Apesar de ver seu faturamento real cair 12% em 2016, o setor fabricante de materiais de construção já consegue falar em recuperação em 2017 – mesmo assim, só no segundo semestre. Em entrevista ao Portal AECweb, Walter Cover, presidente da Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção), traça essas e outras perspectivas para o ano que se inicia, destacando que, para que a construção civil volte a crescer no país, será necessário haver um grande esforço de políticas públicas.

AECweb - Como foi o desempenho da indústria de materiais de construção em 2016?
Walter Cover - No ano que se encerrou, o setor apresentou queda no faturamento real de 12%. Os materiais de acabamento tiveram redução de 9,5% e os materiais de base, 13%. As causas principais desse desempenho foram o alto desemprego e medo de perder o trabalho, que reduziram o consumo; os juros elevados; as dificuldades na obtenção de crédito; a falta de confiança do empresário para investir; e a redução das obras de infraestrutura, em função da escassez de recursos públicos e dificuldades com a Lava Jato.

AECweb - Quais são os indicadores desse desaquecimento?
Cover - As construtoras, responsáveis por obras do mercado imobiliário e de infraestrutura, compraram 14% menos em relação a 2015. Já o varejo de materiais, chamado consumo formiga, sofreu redução um pouco menor, da ordem de 10%. O financiamento imobiliário continuou diminuindo e o Construcard – cartão da Caixa Econômica Federal que financia reformas –, foi praticamente inexistente em 2016. A redução no número de trabalhadores na indústria foi de 9,3%, o equivalente a cerca de 80 mil empregos.

AECweb - A exemplo de diversos segmentos econômicos, o setor de materiais de construção encolheu ou se manteve íntegro apesar da crise?
Cover - O setor já passou por momentos difíceis no passado, mas essa crise foi mais forte. Nos últimos três anos, a queda acumulada de vendas foi de 33%, levando o mercado a níveis de 2008. As grandes marcas se protegeram mais, entretanto tiveram de realizar cortes significativos nos gastos e buscar aumento de produtividade.

AECweb - Quais as perspectivas para 2017?
Cover - A expectativa é de transição para um novo ciclo do setor. O primeiro semestre ainda deverá apresentar queda de vendas, em comparação com os seis meses iniciais de 2016. Já na metade final de 2017, deveremos verificar alguma recuperação, de maneira que fecharemos o ano sem crescimento.

AECweb - O que deve ser feito para que a construção civil volte a crescer no país?
Cover - Certamente será necessário um esforço maior de políticas públicas para um incremento significativo.

As empresas continuarão buscando redução de custos, além de aumento na produtividade e inovação.

AECweb - Quais medidas as indústrias de materiais de construção vêm tomando para combater a crise?
Cover - As empresas continuarão buscando redução de custos, além de aumento na produtividade e inovação. No tocante à produtividade, os sistemas construtivos devem receber maior atenção, pois permitirão maior velocidade na execução de obras no momento de reaquecimento do setor. No quesito inovação, destacam-se iniciativas para incrementar o desenvolvimento de materiais economizadores de água e energia. É fundamental que as indústrias líderes avaliem o momento como uma oportunidade para investir em marketing e proteger suas marcas, de modo que possam se beneficiar quando começar a retomada do mercado.

AECweb - Historicamente, a Abramat faz gestões junto ao governo federal em defesa da indústria nacional. Suas propostas estão sendo consideradas?
Cover - Tivemos muitas reuniões, em especial com o presidente Michel Temer e diversos ministros, com a presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e com o presidente da Caixa Econômica Federal. Várias ações foram implantadas a partir da demanda da Abramat e de outras entidades. Destaco a retomada do Construcard, o Cheque Moradia, maior abrangência no financiamento direto pelo BNDES, redução nos juros do financiamento imobiliário e criação da faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida.

AECweb - Quais medidas recentes do governo federal agradaram ou atenderam às reivindicações do setor?
Cover - Todas essas medidas são bem-vindas, mas para um desenvolvimento significativo do setor a expectativa é que novas ações venham a ser implantadas. Por exemplo, política cambial que incremente exportações; medidas fortes contra a sonegação fiscal e falta de conformidade técnica dos materiais; maior celeridade nos leilões de concessão; redução nos juros; e programas para criação de emprego e manutenção do poder de compra das famílias.

Colaboração técnica

Walter
Walter Cover – É PhD em Economia Agrícola pela Michigan State University (Estados Unidos) e mestre em Economia Agrícola pela University of California (Estados Unidos). Cursou Gestão Empresarial Avançada no INSEAD (França) e tem formação em Engenharia Agronômica pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Foi CEO, diretor e conselheiro em empresas de grande e médio porte como Vale, Bunge, Lilly/Elanco, Teba Têxtil e CTM Citrus. Foi membro da Casa Civil da Presidência da República, onde coordenou uma estrutura multiministerial que apoiou a viabilização de projetos de investimentos privados, e foi representante titular na comissão interministerial de parcerias público-privadas (PPP). Como superintendente Geral da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), conduziu um extenso programa de reestruturação e modernização da gestão. Desde outubro de 2011, ocupa o cargo de presidente da Associação Brasileira da Indústria dos Materiais de Construção (Abramat).

Complete seu cadastro