Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

ABRAVIDRO

ABRAVIDRO - Associação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos

ABRAVIDRO

Associação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos

EntidadeSão Paulo, SP
Telefone:(11) 3873-9908

Vidros para painéis fotovoltaicos: saiba como eles devem ser

O objetivo do texto é apresentar quais características que o vidro deve ter para ser considerado adequando para os painéis fotovoltaicos

O objetivo do texto é apresentar quais características que o vidro deve ter para ser considerado adequando para os painéis fotovoltaicos

Edificação sustentável
Divulgação ABRAVIDRO

Vivemos em um País que mesmo durante o inverno o Sol brilha em diversas regiões. Por isso, o setor de energia solar fotovoltaica, sistema que transforma a luz em eletricidade, segue em ascensão. Mesmo com o cenário econômico difícil vivenciado por quase todos os mercados nacionais nos últimos dois anos, a energia solar fotovoltaica não deixou de crescer no Brasil.

Aliás, muito pelo contrário: se, cerca de um ano atrás, a potência instalada no País em sistemas fotovoltaicos distribuídas era de pouco mais de 60 MW, em um estudo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) de março constatou-se que esse número “saltou” para mais de 200 MW!

O que isso tem a ver com o vidro? Muita coisa: afinal, nosso material é muito usado pelas fabricantes de painéis solares na parte externa da estrutura deles, protegendo as células fotovoltaicas ao mesmo tempo em que permite a passagem de luz do Sol. Mas não é qualquer vidro que pode ser usado. A seguir, saiba as características que ele precisa apresentar para ser considerado adequado para os painéis:

Baixo teor de ferro (ou seja, deve ser uma peça extra clear). Isso acontece porque ele precisa oferecer máxima transparência, para que haja a maior passagem de luz possível;

Temperado, para garantir a integridade do painel durante condições climáticas ruins, como chuvas de granizo;

Espessuras bastante finas (para facilitar a passagem da luz para as células fotovoltaicas), variando entre 2 e 4 mm;

Finalmente, todo cuidado é pouco no beneficiamento das chapas: elas não podem apresentar ondulações, empenos ou qualquer outra irregularidade em suas superfícies, o que pode influenciar negativamente na eficiência do painel.

Anotou tudo? Embora os vidros para esses painéis costumem ser importados, várias empresas que comercializam esses sistemas no Brasil já afirmaram ter interesse em encontrar quem seja capaz de produzir essas peças por aqui.

Leia mais sobre o assunto na reportagem da edição de Abril de 2017 da Revista O Vidroplano.

 

Fonte: ABRAVIDRO.

Notícias

Complete seu cadastro