Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

5 tipos de tinta para parede

Látex, acrílico e epóxi são alguns dos tipos de tinta disponíveis no mercado; conhecer as características de cada um é fundamental para a qualidade da pintura

Publicado em: 10/06/2021Atualizado em: 23/10/2023

Texto: Vinícius Veloso

Tipos de tinta para parede
É preciso analisar os detalhes do ambiente para escolher o tipo ideal de tinta (Foto: Sebastian Duda/Shutterstock)

O mercado oferece diferentes alternativas de tintas: acrílicas, esmaltadas, epóxi, látex, superlaváveis, entre outras opções — sendo que cada uma é indicada para determinada superfície ou ambiente. Saber qual delas adquirir é o primeiro (e importante) passo para a execução de um acabamento durável e que se destaque visualmente.

Se você é daqueles que fica em dúvida na hora de escolher, fique tranquilo. Nesse post, você irá conhecer 5 tipos de tinta para parede, suas características e os cuidados de aplicação. Ah, no final tem um bônus para você ficar ainda mais por dentro do assunto!

Veja também: Procraft Sherwin Williams

Tinta emborrachada para telhado

1. Tinta látex PVA

Solução muito utilizada na pintura de parede e teto, a tinta látex PVA deve ser empregada somente em ambientes internos (com exceção de áreas molhadas). Fácil de aplicar e com rápida secagem, o produto não exala odores fortes. Além disso, é solúvel na água. Proporciona acabamento fosco para superfícies de gesso e drywall (ou alvenarias que já receberam o reboco ou a massa corrida). Tem, ainda, a capacidade de disfarçar algumas imperfeições existentes no substrato.

Paredes ou tetos que recebem a tinta látex PVA devem ser higienizadas com pano úmido. A limpeza deve ser feita delicadamente, pois movimentos bruscos estragam o acabamento.

Além do produto padrão, existem as versões “Premium” e “Standard”, que podem ser especificadas para paredes externas, como fachadas.

2. Tinta acrílica

As tintas acrílicas fazem parte da família de tintas látex, mas se diferenciam pelo tipo de resina empregada. Enquanto as de PVA recebem o acetato de polivinila, as acrílicas são à base de resina acrílica. Esse componente é responsável por torná-las mais resistentes, permitindo seu uso em áreas externas e molhadas. Solúvel em água e impermeável, chega na cor desejada com menor quantidade de demãos (melhor cobertura).

É, ainda, resistente ao mofo e tem rápida secagem. No entanto, seu cheiro é mais forte em relação a látex PVA.

O acabamento pode ser fosco, acetinado (com brilho discreto) ou semibrilho — esse último exige a limpeza frequente da parede, pois destaca possíveis imperfeições do substrato. A higienização é realizada com água e detergente neutro.

O mercado também oferece a tinta acrílica “Econômica”, indicada somente para usos internos.

Veja também: 

Bloco de Concreto Vazado Guarani
Container Desmontável e Modular
Andaime Suspenso Manual  

3. Tinta Epóxi

Não solúvel na água (diluída em solventes) e sintética, a tinta epóxi tem como características principais a durabilidade e a resistência. Com isso, é ideal para locais com níveis elevados de umidade ou com presença de água, substâncias químicas e elementos abrasivos. Pode ser especificada para a pintura de parede, pisos de garagens e superfícies de empreendimentos comerciais ou industriais. Tem acabamento fosco ou brilhante (a depender do produto).

Há, ainda, a tinta epóxi à base d’água, que apresenta ótima aderência em superfícies mais lisas, sendo assim utilizada na pintura de azulejos ou de pastilhas cerâmicas.

4. Tinta superlavável

A tinta superlavável é um produto acrílico solúvel em água. Após sua aplicação, resulta num filme resistente, com visual acetinado e que evita a aderência da sujeira, além de repelir líquidos (não mancha facilmente). Tais propriedades a tornam muito interessante para ambientes que precisam ser lavados com frequência, como cozinhas ou espaços que recebem crianças.

A superfície com a tinta superlavável é higienizada com água e detergente neutro – mistura aplicada com o uso de uma esponja macia.

5. Tinta inodora

Ideal para reformas rápidas em que os ocupantes da edificação não podem ficar fora por muito tempo, a tinta inodora perde o cheiro característico após três horas de sua aplicação. Com secagem rápida e desenvolvida à base de água, oferece acabamento com visual acetinado ou fosco.

Veja também:
Como é feita a aplicação de massa corrida

BÔNUS

Esmalte sintético

O esmalte sintético não deve ser aplicado sobre superfícies de alvenaria ou gesso. Caso isso aconteça, o acabamento tende a criar bolhas e a descascar com o passar do tempo. É indicado para madeira ou ferro, e cria uma camada protetora sobre esses materiais. Está disponível em modelos à base d’água ou solvente, com a diferença de que o primeiro tem secagem rápida e o seu cheiro não é tão forte. A aplicação deve ser feita com pincel e/ou rolo de espuma.

Com resistência elevada, pode ser utilizado em ambientes internos ou expostos a intempéries nas áreas externas. Oferece aspecto brilhante para a peça que o recebe, mas existem opções que criam aparência mais acetinada, metalizada ou fosca.

Produtos para madeira

Além do esmalte sintético, na madeira são utilizados o verniz, o stain e as tintas a óleo. Todos esses produtos têm capacidade de proteger a superfície, evitando o surgimento de trincas ou rachaduras e reduzindo o risco de envelhecimento precoce, deterioração ou desbotamento. Caso a superfície esteja em uma área externa, é recomendado o uso de vernizes que tenham filtro solar ou, então, de esmaltes do tipo “Premium”.

A escolha do produto precisa considerar critérios estéticos e técnicos, pois nem sempre a solução visualmente mais agradável será capaz de oferecer a proteção necessária e vice-versa.