Argamassa: preço, tipos, como usar e mais

Veja o preço do saco da argamassa em 2024, conheça quais são os diferentes tipos, entenda quando usar cada um deles e muito mais

Publicado em: 18/05/2015Atualizado em: 07/02/2024

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Argamassa sendo aplicadaA argamassa é fundamental na construção civil (Foto: winnond/Shutterstock)

A argamassa é composta por uma mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerantes inorgânicos e água, sendo indicada para o assentamento de tijolos e o acabamento de superfícies. Pode ou não conter aditivos ou adições, com propriedades de aderência e endurecimento – dosadas na obra ou através de processos industriais.

Os materiais que compõem a mistura são cimento, cal hidratada e areia natural. Porém, o mercado oferece diferentes tipos de argamassa. Conhecer cada um e em quais situações aplicá-los é fundamental para atingir o resultado esperado.

Preço do saco de argamassa em 2024

O preço do saco de argamassa em janeiro de 2024 é R$ 26,76 (argamassa AC-II saco de 20 kg). Esse valor médio foi calculado com base em 35 cotações realizadas no Portal AECweb e no Construcompras. Considerando os últimos três meses, a média do valor é R$ 27,86.

Confira, também, como o preço do saco de argamassa variou ao longo dos últimos 12 meses.

Preço saco argamassaPeríodoCotações
R$ 26,76
Janeiro/202435
R$ 26,81Dezembro/202332
R$ 30,02Novembro/202331
R$ 27,41Outubro/202384
R$ 44,38Setembro/202310
R$ 31,40Agosto/202328
R$ 25,88Julho/202363
R$ 26,54Junho/202383
R$ 26,62Maio/2023132
R$ 36,51Abril/2023359
R$ 41,11Março/2023533
R$ 38,17Fevereiro/2023386


Argamassa sendo aplicadaÉ importante escolher o tipo de argamassa certo (Foto: Sidorov_Ruslan/Shutterstock)

Tipos de argamassa

Os tipos de argamassa principais são:

  • Argamassa pronta
  • Argamassa virada
  • Argamassa colantes

“Existe argamassa específica para rejuntamento, revestimento, assentamento, contrapiso, impermeabilização e grauteamento, entre outros”, afirma Luiz Carlos Gonçalves Junior, gerente de Produto da Weber Saint-Gobain. A determinação do produto ideal passa por algumas análises, envolvendo o tipo de base em que será aplicado, o modelo da peça, se é em ambiente externo ou interno e em qual fase da obra será utilizado. Mesmo existindo ampla quantidade de soluções, é possível separá-las em três macro categorias, conforme suas características.

O engenheiro Marcio Matsumoto, coordenador Comercial na Votorantim Cimentos, explica que a argamassa pode ser dividida entre as prontas, as viradas em obra e as colantes.

Argamassa pronta

Como o nome diz, ela já vem pronta. É necessária somente a aplicação de água. “A argamassa pronta é aquela composta por cimento, areia e aditivos com funções de retenção de água, para não secar e fissurar, e de incorporação de ar, que cria bolhas dentro da massa, o que a torna mais macia e fácil de ser misturada. Esse tipo de argamassa serve para execução do assentamento de revestimentos cerâmicos e também para o reboco”, diz Matsumoto.

“O único cuidado em relação à argamassa pronta é não bater muito ou errar a quantidade de água. Se exagerar na mistura, o incorporador de ar vai criar muitas bolhas e quando a massa for aplicada na parede podem ocorrer problemas de esfarelamento”, adverte o engenheiro.

Argamassa virada

A argamassa virada em obra é o famoso cimento, cal e areia. “Esse é o tipo que pode sofrer mais alterações devido às qualidades das variáveis e, por isso, o que está mais sujeito a patologias. Normalmente, é utilizada também para assentamento e reboco”, fala Matsumoto. Na preparação da argamassa virada em obra, é utilizada betoneira e a qualidade do produto final depende dessa mistura, sendo possível alcançar massa mais dura ou mole.

“Para assentamento, geralmente, é usada a massa mais firme e para reboco, um pouco mais mole”, explica o engenheiro. Para esta tipologia, é possível a construtora comprar cimento, cal e areia, ou então, pode optar por adquirir em usinas de concreto que misturam cal e areia e mandam para obra, sendo necessário somente acrescentar o cimento.

Essa segunda possibilidade é a chamada massa usinada. Desvantagem deste produto é a dificuldade para dosar a quantidade certa dos componentes. Se não houver cuidado, a cada novo preparo se chega a um traço diferente.

Argamassa colante

A argamassa colante tem a função de colar o revestimento. “Para essa tipologia, existem três perguntas fundamentais: o tipo de argamassa que será utilizado, qual o tamanho da peça do revestimento e onde será aplicada - área interna ou externa, por exemplo”, indica Matsumoto.

Na argamassa colante, o produto também é entregue pronto e já contando com cimento, areia e aditivos. “É necessário somente adicionar água, misturar e está pronta para aplicação”, completa.

Argamassa piso sobre piso e para porcelanato

A argamassa colante pode ser usada para assentar piso sobre piso e também para porcelanato. “O piso sobre piso tem colagem (ancoragem) química com aditivos mais robustos, porque a argamassa precisa aderir em uma superfície esmaltada, para fixar e cumprir sua função”, detalha Gonçalves. Já o porcelanato é diferente: utiliza argamassa colante específica, por se tratar de peça com baixa absorção. Como referência, um porcelanato bom absorve 0,5% de água.

Como usar argamassa

Para usar argamassa, o procedimento depende do tipo de produto. Entretanto, o preparo segue alguns passos:

  1. A superfície deve estar limpa, íntegra, sem desagregações ou contaminantes, como óleos e graxas.
  2. É recomendada a lavagem prévia com jato de água ou areia.
  3. Caso haja trincas ou fissuras, é preciso providenciar correções prévias. As cavidades ou nichos existentes na superfície do concreto necessitam ser preenchidas com impermeabilizante de camada grossa.
  4. No caso de blocos de concreto, as juntas de assentamento devem ser preenchidas de maneira a regularizar a base.
  5. A passagem de elementos através da impermeabilização deve ser evitada. Quando existir, é recomendável executar cuidadosamente todos os detalhes, como ralos, rodapés, passagem de tubulações, entre outros.
  6. Cantos e arestas precisam ser arredondados com impermeabilizante camada grossa, com raio mínimo de 8 cm.
  7. As juntas de movimentação devem ser previstas com espaçamento correto e executadas para superfícies planas e paralelas.
  8. A quantidade necessária de água normalmente está indicada na embalagem de cada produto. “Em alguns casos, após a mistura, deve-se deixar a massa descansando por 15 minutos para os aditivos reagirem”, lembra Matsumoto, destacando que todo produto à base de cimento deve ser utilizado entre 2h e 2h30 após seu preparo, desde que não sejam utilizados aditivos. “Após esse período, a argamassa tem que ser descartada”, adverte Matsumoto.
  9. Durante a aplicação, a argamassa colante necessita de atenção especial, pois é subdividida em duas categorias: a simples e a dupla. “A colagem simples acontece quando a peça tem tamanho máximo de 30x30. Nesse caso, a argamassa pode ser aplicada na parede ou na peça. Em peças maiores, a dupla colagem se torna necessária: e nada mais é do que aplicar a argamassa na peça e também na superfície onde será aplicada”, afirma Matsumoto.
Argamassa sendo aplicadaA argamassa colante pode ser usada para assentar piso sobre piso (Foto: chomplearn/Shutterstock)

Traço e rendimento da argamassa

É comum que grandes construtoras comprem argamassa diretamente das indústrias. “Já o preço varia muito, não sendo possível calcular uma média”, avalia Gonçalves. O cálculo do consumo da argamassa é feito por kg/m² para revestimentos cerâmicos e em gramas/m² para rejuntamento

“Para a argamassa pronta, são necessários 17 kg/m² com 1 cm de espessura. Já para as colantes, na colagem simples são gastos de 4 a 5 kg/m² de argamassa e na dupla são necessários de 8 a 9 kg/m²”, finaliza Matsumoto.

O traço da argamassa é outra informação difícil de ser determinada. “A qualidade da água e da areia utilizadas é muito variável de uma obra para outra”, completa Matsumoto.


E mais: Veja como a argamassa colante é utilizada para colocar piso sobre piso.

Colaboraram para esta matéria

Luiz Carlos Gonçalves Junior
Luiz Carlos Gonçalves Junior – Formado em Administração de Empresas e com MBA em Marketing pela Universidade de São Paulo (USP), é gerente de produto da linha Quartzolit de argamassa colante e rejuntamentos. Atua na Weber há 5 anos. Anteriormente, ocupou diversas funções na área Comercial da Saint-Gobain Brasilit.
Marcio Matsumoto
Marcio Matsumoto – Coordenador comercial na Votorantim Cimentos. Com mais de 15 anos de atuação como consultor técnico de produtos, é formado em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Maringá. Possui experiência em obras, com atuação específica em cimentos e argamassa, tendo atuado também como responsável pela especificação de produtos em portfólios.