• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Lã de rocha é solução para conforto acústico de edificações

Lã de rocha é solução para conforto acústico de edificações

Material também atua como isolante térmico, requer baixo investimento e dispensa manutenção periódica

Redação AECweb / e-Construmarket

la-de-rocha
O responsável pela aplicação deve usar luvas, óculos e máscara descartável (Nagy-Bagoly Arpad/shutterstock.com)

A lã de rocha é uma opção interessante para ambientes que necessitam de isolamento acústico. Destacando-se por seu desempenho, leveza e baixo custo, o produto pode estar presente em diferentes tipos de obras. “A solução atua como material complementar ao preencher a cavidade de paredes duplas de alvenaria ou de drywall, fornecendo ganhos de isolamento acústico que variam entre 4 e 10 dB”, destaca o engenheiro Juan Frias, sócio-diretor da consultoria Bracústica.

A solução atua como material complementar ao preencher a cavidade de paredes duplas de alvenaria ou de drywall, fornecendo ganhos de isolamento acústico que variam entre 4 e 10 dB
Juan Frias

Além das paredes, a lã de rocha pode ser especificada em contrapisos flutuantes para atenuar os sons de impactos ou com o objetivo de executar o tratamento acústico e antivibratório de tubulações hidráulicas. A solução é encontrada também em tratamentos absorventes (forros minerais ou painéis absorventes) empregados no controle da reverberação e melhora da inteligibilidade em ambientes como salas de aula, auditórios e restaurantes.

Mesmo sendo alternativa versátil, existem casos em que a lã de rocha não é indicada, principalmente quando aplicada de maneira exposta, pois pode gerar pó que se espalha no ambiente e causa coceira e irritação nos ocupantes. “Quando usado externamente, o produto deve sempre contar com algum tipo de revestimento, como tintas vinílicas nos forros modulares ou ensacado com polietileno, poliéster, véu de vidro ou elementos têxteis mais sofisticados para revestimentos absorventes de paredes”, adverte o engenheiro. Esse cuidado é dispensável quando a lã está confinada em cavidades não acessíveis.

ESPECIFICAÇÃO

A lã de rocha é especificada no projeto acústico. Entre as singularidades que merecem atenção do projetista estão a espessura e a densidade do produto quando se trata de isolamento acústico, assim como seu coeficiente de absorção sonora. “Os fabricantes oferecem o material em variadas espessuras, porém as de 50, 70 e 90 mm são as mais usadas nas edificações, por coincidir com o padrão de perfilaria de drywall, sistema muito ligado às lãs minerais”, diz Frias.

O tipo de ambiente interfere no uso da solução, pois uma das características da lã é sua capacidade de reter água, por isso é desaconselhável seu aproveitamento em áreas molhadas. “O contato com a água não danifica o material, porém, suas propriedades de isolação acústica enfraquecem, mesmo após secar”, explica.

O contato com a água não danifica o material, porém, suas propriedades de isolação acústica enfraquecem, mesmo após secar
Juan Frias

INSTALAÇÃO

O responsável pela aplicação da lã de rocha deve sempre usar luvas, óculos e máscara descartável, principalmente se estiver realizando a instalação em ambientes pouco ventilados ou se estiver realizando trabalhos de corte dos painéis.

O material precisa ser acomodado de maneira que preencha totalmente as cavidades, sem apresentar descontinuidades. “Usando densidades muito baixas, ele pode não apresentar a resistência mecânica adequada para sustentar-se verticalmente. Assim, acaba concentrando-se na parte inferior da cavidade e deixando vazia a superior”, alerta o engenheiro.

QUALIDADE

A CEE-155 – Materiais Isolantes Térmicos e Acústicos – é a responsável pela elaboração das normas dos produtos de isolamento acústico. Atualmente, estão em vigor:

  • ABNT NBR 11364 - Painéis termoisolantes à base de lã de rocha - Especificação
  • ABNT NBR 11722 - Feltros termoisolantes à base de lã de rocha
  • ABNT NBR 13047 - Mantas termoisolantes à base de lã de rocha
  • ABNT NBR 11363 - Tubos termoisolantes à base de lã de rocha
  • ABNT NBR 11626 - Isolantes térmicos de lã de rocha - Flocos

VANTAGENS

Segundo Frias, além da questão acústica, o material apresenta características de um excelente isolante térmico. Para complementar, ele não exige nenhum tipo de manutenção periódica para manter suas características.

Solução que exige baixo investimento, o produto é comprado geralmente por metro quadrado e seu preço depende de diferentes fatores, como densidade, espessura e material de revestimento. “O valor do material mais básico está entre R$ 20 e R$ 25/m2”, fala o engenheiro.

LÃ DE ROCHA X LÃ DE VIDRO

A principal diferença entre a lã de rocha e a de vidro é a matéria-prima empregada na fabricação de ambas. A lã de vidro é feita a partir da fusão de materiais como areia e vidro reciclado, enquanto a de rocha, por fusão de rochas basálticas. “O processo de fusão, fibrado, e de adição de resinas é semelhante nas duas, entretanto, é importante salientar que a temperatura de fusão da lã de vidro é um pouco mais baixa do que a de rocha, sendo que a última é mais utilizada em aplicações de proteção passiva contra incêndios (portas corta-fogo e revestimento de estruturas metálicas) por resistir a temperaturas mais altas”, finaliza Frias.

Leia também:
Isolamento acústico em paredes: saiba especificar
Conheça soluções que ajudam a amenizar o ruído em edificações

E mais: edifícios, casas e discotecas que utilizaram lã de rocha em seus projetos:
Sede da Dentsu Aegis Network, do escritório AUM
Rochaverá Corporate Towers, do escritório aflalo/gasperini
Disco Club, do estúdio Guto Requena
Casa 4 x 30, dos escritórios CR2 e FGMF

Colaboração técnica

Juan Frias – Engenheiro de acústica pela Universidade Politécnica de Madri (Espanha). Foi gerente da Associação Espanhola para a Qualidade Acústica (AECOR) entre 2006 e 2011 e colaborou na redação do DB-HR (Documento Básico de Habitabilidade - Ruído) do Código Técnico da Edificação (norma de desempenho espanhola). Durante essa etapa, foi Coordenador do Comitê Técnico de Normalização 74 de Acústica de AENOR e membro do CTN 196 de Edificação Sustentável. Participou do Projeto Cost de Harmonização de Critérios Acústicos na Edificação Europeia. É coordenador do Comitê Acústica nas Edificações da Associação ProAcústica e sócio-diretor da Bracústica.
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro