• Busque fornecedores, produtos e matérias

Produto indisponível

O produto que você buscou se encontra indisponível no momento.

> > > > Incertezas sobre reforma trabalhista preocupam setor da construção

Incertezas sobre reforma trabalhista preocupam setor da construção

Entidades da construção veem insegurança jurídica com mudanças recentes no texto da nova legislação trabalhista. Sinduscon-SP recomenda cautela às empresas do setor

Texto: Nathalia Lopes

Entidades da construção veem insegurança jurídica com mudanças recentes no texto da nova legislação trabalhista. Sinduscon-SP recomenda cautela às empresas do setor


Presidente Michel Temer e Congresso estudam a regulamentação da lei por meio de decreto (crédito: Mércia Lemos / Agência Minas Gerais)

26/04/2018 | 11:07 – A Medida Provisória número 808, que alterava parte do texto da reforma trabalhista perdeu a validade na segunda-feira e, com isso, a lei volta ao seu formato original, que entrou em vigor em 2017. Seriam introduzidas mudanças em 17 itens, entre elas a de que um ex-empregado só poderia ser recontratado como intermitente após um período de 18 meses e a revogação em relação à cláusula de exclusividade na contratação de empregados autônomos.

Sobre a jornada de trabalho, o documento original determinava um acordo individual em caso de 12 horas trabalhadas por 36 horas de descanso, o que volta a valer. A MP sugeria um acordo coletivo nesses casos. A MP também liberava mulheres grávidas de atividades insalubres, podendo seguir somente com autorização médica. O texto original, novamente em vigor, determina que elas podem continuar trabalhando em tais atividades e grau mínimo e médio, exceto se apresentassem atestado médico.

O presidente Michel Temer e o Congresso estudam a possibilidade de edição de um decreto para regulamentar os dispositivos da reforma trabalhista. Em paralelo, a comissão do Tribunal Superior do Trabalho analisa se a reforma valeria somente a partir da data de sua promulgação, em novembro.

Em função dessas incertezas legais e das diferentes interpretações manifestadas em decisões recentes da Justiça do Trabalho, o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) aconselha que as empresas do setor adotem uma postura cautelosa no âmbito trabalhista.

Já a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) chama a atenção para a necessidade de isonomia no quadro de empregados, para que trabalhadores em condições de trabalho idênticas não tenham benefícios diferentes em função do momento da contratação – anterior ou posterior às mudanças na legislação.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro