5 motivos para a indústria da construção incorporar a tecnologia em nuvem

Mais do que armazenar arquivos em formato digital, a computação em nuvem viabiliza o compartilhamento rápido de informações entre os profissionais, melhorando a gestão

Publicado em: 25/08/2021Atualizado em: 21/09/2021

Texto: Juliana Nakamura

Tecnologia em nuvem
A computação em nuvem pode trazer benefícios para o setor da construção (Foto: Who is Danny/Shutterstock)

Desenvolvida como recurso para adicionar inovação, flexibilidade e reduzir custos operacionais, a computação em nuvem consiste no fornecimento de serviços de computação, incluindo servidores, armazenamento, bancos de dados, rede e software, pela Internet.

Graças a essa tecnologia, tornou-se possível implementar soluções de TI sem ter que adquirir hardware e software ou ter uma equipe dedicada para mantê-los. Além disso, a tecnologia em nuvem criou condições para a ampliação dos SaaS (softwares como serviço), método para a distribuição de aplicativos sob demanda, normalmente baseado em assinaturas, cada vez mais utilizado pelas empresas da construção.

Listamos a seguir alguns motivos que justificam a inserção da computação em nuvem na indústria da construção. Confira:

1) Adiciona flexibilidade — Segundo Fernando Falaschi, cofundador da :upd8, a construção é uma das indústrias que mais se beneficiam da tecnologia em nuvem principalmente porque envolve grandes volumes de dados, serviços e documentos. “Com a nuvem, você tem elasticidade e escalabilidade que permitem a criação de arquiteturas tecnológicas flexíveis para dimensionar a capacidade dos seus sistemas segundo a carga dos projetos em andamento”, diz ele.

A gestão de projetos na construção civil envolve a articulação de diferentes disciplinas e agentes. Ao manter estes projetos em nuvem, várias áreas podem acessá-los ao mesmo tempo, com atualização imediata
Fernando Falaschi

2) Melhora a gestão das obras e dos empreendimentos — Ao dar mais mobilidade, a computação em nuvem tende a facilitar muito a atividade de gestão de obras e de facilities. Ela permite o acesso de projetos em qualquer local que o interessado estiver, através de smartphones, viabilizando a comparação fácil e rápida entre o projetado, suas instruções diversas e o executado. “A gestão de projetos na construção civil envolve a articulação de diferentes disciplinas e agentes. Ao manter estes projetos em nuvem, várias áreas podem acessá-los ao mesmo tempo, com atualização imediata. Isso ajuda a reduzir a incompatibilidade entre os projetos e tem interface com a modelagem da informação da construção (BIM)”, destaca Fernando Falaschi.

3) Auxilia a tomada de decisão — Na indústria da construção, onde normalmente os colaboradores estão dispersos em diferentes locais, a portabilidade oferecida pela computação em nuvem significa comunicação e compartilhamento de informações mais efetivos. Com a integração de ferramentas de gestão e de controle de qualidade, a tecnologia permite resolver problemas em menor tempo e tomar decisões estratégicas conforme a realidade de cada projeto.

4) Representa um avanço na jornada de transformação digital — A computação em nuvem permite às empresas ter acesso às inovações mais rapidamente, sem precisar investir muito em infraestrutura. Nesse contexto, ela favorece a jornada de transformação digital das empresas. “A nuvem amplifica a capacidade das empresas interagirem com os seus dados de forma confiável e inteligente”, destaca Falaschi, lembrando que integrar informação de diversas fontes e consolidá-las em visões interativas é um trabalho pesado que precisa de tecnologia moderna para ser viabilizado.

A nuvem é uma tecnologia recente no Brasil. Daí a importância de contar com um parceiro com experiência, bem como conhecer os casos de sucesso que ele tenha participado
Fernando Falaschi

5) Mais segurança — Na nuvem, os dados e documentos tendem a estar mais seguros contra roubos, perdas e danos. Isso porque tudo é criptografado e protegido por senhas e níveis de acesso. Outra vantagem dessa tecnologia é o backup automático, que reduz a zero as chances de haver perdas de dados e de horas de trabalho. Contudo, é importante que o fornecedor de cloud computing possua amplas práticas de segurança, que envolvam uma hierarquia robusta. “A nuvem é uma tecnologia recente no Brasil. Daí a importância de contar com um parceiro com experiência, bem como conhecer os casos de sucesso que ele tenha participado”, recomenda Falaschi. “Um time preparado e certificado também demonstra que o parceiro integrador possui as habilidades necessárias para ajudar a empresa na jornada de transformação digital”, continua ele.

Principais tipos de computação em nuvem

• Nuvem pública — Pertence a um provedor público, ou seja, um fornecedor de serviço terceirizado. Isso significa que toda a infraestrutura de suporte é de propriedade do provedor de nuvem e também é gerenciada por ele.

• Nuvem privada — É indicada para as empresas que pretendem armazenar informações confidenciais do negócio. Esse tipo de nuvem é mais seguro, pois a infraestrutura é hospedada na companhia. Além disso, pode facilitar o acesso dos colaboradores aos serviços e aplicativos.

• Nuvem híbrida — É uma mistura das duas anteriores, ou seja, possui provedores públicos e privados. Esse serviço é recomendado para quem precisa armazenar dados confidenciais, mas também precisa de um serviço acessível.

Fonte: Totvs

Leia também:

Impressoras 3D podem reduzir desperdício de matéria-prima nos canteiros
Realidades virtual e aumentada agregam produtividade e economia à construção

Baixe a Calculadora MTBF e MTTR e melhore os KPIs de sua empresa!

Colaboração técnica

Fernando Falaschi
Fernando Falaschi — Com formação acadêmica em planejamento estratégico e mais de 25 anos de experiência em TI, é especialista em cloud e cofundador da :upd8.