5 tipos de telhas metálicas e suas características técnicas

Elas podem ser empregadas em qualquer tipo de obra, desde as residenciais até as mais complexas coberturas arquitetônicas, inclusive, para o fechamento lateral

Publicado em: 08/07/2021Atualizado em: 26/09/2023

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Telhas metálicas
Entre as vantagens das telhas metálicas está a facilidade em identificar mão de obra para realizar a instalação (Foto: Sirisak_baokaew/Shutterstock)
As telhas metálicas garantem, ainda, durabilidade excepcional e agregam benefícios que vão muito além de uma simples cobertura
James Mauro Fuck

Telhas metálicas são coberturas dinâmicas, que diminuem o volume de serviços in loco, resultando em obras mais industrializadas e modernas. Devem ser especificadas levando em consideração o tipo de revestimento, espessura, pintura e tratamento. “Elas garantem, ainda, durabilidade excepcional e agregam benefícios que vão muito além de uma simples cobertura”, diz James Mauro Fuck, vice-presidente de Coberturas Metálicas da Associação Brasileira da Construção Metálica (Abcem). Os tipos de telhas disponíveis no mercado são as metálicas, termoisolantes (sanduíche), autoportantes, zipadas e roll-on.

Veja também: Telha branca

Telha Trapezoidal peso por m²

Telhas metálicas

O item é produzido, principalmente, em aço galvalume pré-pintado ou galvalume natural. A telha metálica fabricada em alumínio é utilizada para coberturas e fechamentos laterais.

Suas vantagens vão do baixo custo à grande facilidade em identificar mão de obra para realizar as instalações. Por outro lado, tem a desvantagem de possuir baixíssimo fator de isolamento térmico, além de aumentar o fator de propagação de calor da cobertura para os ambientes internos. Com isso, é preciso dotar a edificação de maior volume de climatização ou de soluções em ventilação.

As telhas metálicas são de fácil instalação, o que simplifica o acesso e a contratação do serviço. James Mauro Fuck chama a atenção para o caso de instalações malconduzidas, sem o devido cuidado com a limpeza dos fixadores e utilização de equipamentos não conservados. Esse tipo de negligência pode causar vazamentos e oxidação.

As telhas metálicas também são desenvolvidas com revestimento em alumínio, utilizadas onde os sistemas de cobertura exigem contato direto com agentes químicos ou corrosivos, garantindo maior durabilidade à cobertura
James Mauro Fuck

“As telhas metálicas também são desenvolvidas com revestimento em alumínio, utilizadas onde os sistemas de cobertura exigem contato direto com agentes químicos ou corrosivos, garantindo maior durabilidade à cobertura”, explica.

Telhas termoisolantes

Essa solução é recomendada para quem busca conforto térmico com economia de energia e consequente redução de investimento nos equipamentos de climatização. As telhas termoisolantes, comumente chamadas de telhas ‘sanduíche’, são constituídas de uma camada superior em aço galvalume natural ou pré-pintado, núcleo isolante em EPS (poliestireno expandido) ou PIR (poli-isocianurato), somadas a um revestimento inferior em aço ou filme de alumínio.

Além da vantagem de atuar no isolamento térmico dos ambientes, esse produto possui um bom acabamento e vence grandes vãos, diminuído o volume de estruturas para sua instalação. “No entanto, o mercado brasileiro possui pouco interesse em fatores ambientes, o que fortalece o custo do produto e diminui seus benefícios agregados à cobertura”, indica Fuck, acrescentando outra desvantagem das termoisolantes, que é a exigência de mão de obra qualificada para sua instalação.

Telhas autoportantes

É um sistema construtivo que dispensa estrutura de apoio para as telhas, pois são feitas em aço e capazes de vencer grandes vãos. Isso é possível devido a sua resistência à tração e leveza. “Com o cálculo adequado são capazes de vencer vãos de até 40m sem necessidade de vigas intermediárias”, expõe.

Fabricadas no local da obra e sob medida, são produzidas em sistema de telhas contínuas perfiladas em chapa de aço carbono, com espessuras entre 0,65 mm e 1,55 mm. “As telhas são solidizadas umas às outras, formando um conjunto único e monobloco, no qual, além de elevada resistência mecânica, as telhas podem ser aplicadas em coberturas curvas e planas”, fala.

Entre as vantagens das telhas autoportantes está a rapidez com que são aplicadas na obra e a redução do desperdício de material. Fuck destaca, ainda, a utilização racional e programada do uso do material; o ganho interno de espaço devido à ausência de estrutura metálica; o alívio das fundações; e o visual mais limpo da obra. As desvantagens vão do baixo desempenho térmico e acústico à facilidade com que as telhas podem quebrar, devido ao seu comprimento. Além disso, as autoportantes exigem maior dimensionamento dos pilares e vigas principais, em decorrência de seu peso.

Leia também: Faça a qualificação de fornecedores com mais facilidade usando nossa Matriz de Qualificação gratuita. Baixe já!

Telhas zipadas

As telhas zipadas são perfiladas em obra de forma contínua e permitem inclinação a partir de 2,5%, sendo recomendadas para coberturas com grandes águas e baixa inclinação. A instalação das telhas é feita através de clips fixos e deslizantes, o que garante a perfeita união entre telhas e terças e a movimentação do telhado, acomodando-se às variações climáticas, garantindo a integridade da cobertura. São, geralmente, desenvolvidas em aço galvalume, mas também podem ser perfiladas em alumínio.

Apresentam a vantagem do desenvolvimento da cobertura sem furações, evitando vazamentos e garantindo melhor estanqueidade. Também permitem a dilatação longitudinal sem comprometer a fixação. Porém, têm a desvantagem de exigir extensa mão de obra desenvolvida in loco. “E, para garantir isolamento térmico, é necessário contar com recursos distintos, geralmente fornecidos por vários fornecedores, o que dificulta o projeto e a instalação”, comenta.

No momento da instalação, por serem perfiladas, as telhas zipadas vencem grandes vãos e dispensam transpasses. “A dificuldade é a necessidade de uso de equipamentos específicos como a perfiladeira”, diz Fuck, acrescentando que o material não possui fator de isolamento térmico. Assim, deve ser construído com sistemas de camadas e núcleo isolante instalado em obra, para agregar o fator à cobertura.

Telhas roll-on

Trata-se de sistema integrado de estrutura e cobertura metálica, onde as treliças são paralelamente dispostas de forma modular. Sobre elas são desenroladas as bobinas contínuas de aço revestido, podendo ser aplicado em coberturas com até 1% de inclinação.

A principal vantagem é a integração da telha com a estrutura metálica formando um único conjunto, além de atender coberturas com baixa inclinação. O peso do sistema é sua desvantagem, pois pede estrutura metálica mais robusta, além da complexidade na montagem.

Leia também: 

Telhas galvanizadas aliam conforto térmico e custo-benefício

Colaboração técnica

James Mauro Fuck
James Mauro Fuck – É vice-presidente de Coberturas Metálicas da Associação Brasileira da Construção Metálica (Abcem) e diretor Nacional de Vendas na multinacional Kingspan Isoeste. Tem mais de 30 anos de experiência, com vivências no mercado de metalurgia, aço, indústrias e construção civil, assumindo funções de diretoria e gestão de negócios em grandes empresas do País. Com uma visão ampla do mercado da construção civil diretamente associada à utilização do aço, busca soluções cada vez mais limpas e sustentáveis para uma construção mais moderna e industrializada.