Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Adições de fibras metálicas agregam durabilidade a pisos industriais

Menor ocorrência de fissuras e possibilidade de redução de juntas são alguns motivos que induzem o uso desta tecnologia

Publicado em: 10/12/2021

Texto: Juliana Nakamura

fibras metálicas
A principal aplicação das fibras de aço é em pisos e pavimentos em indústrias e centros logísticos (Foto: urfin/Shutterstock)

O reforço de concreto com a adição de fibras é uma tecnologia de uso consagrado no meio técnico para substituição de armaduras convencionais. A solução é especialmente indicada para a produção de peças estruturais onde há possibilidade de redistribuição de esforços, como em pisos industriais de concreto. Nesses casos, as fibras atuam tanto com função estrutural, quanto no combate à retração e no controle de fissuração.

Com a evolução dos concretos e das fibras metálicas, as aplicações foram ampliadas para paredes, bunkers, estruturas pesadas, tubos de concreto e obras com concreto projetado
Daniel Lopes Garcia

“Com a evolução dos concretos e das fibras metálicas, as aplicações foram ampliadas para paredes, bunkers, estruturas pesadas, tubos de concreto e obras com concreto projetado”, explica Daniel Lopes Garcia, gerente nacional de vendas na Belgo Bekaert. Ele conta, porém, que no Brasil, a principal aplicação das fibras de aço é em pisos e pavimentos em indústrias e centros logísticos.

“A adição de fibras de aço possibilita incrementar a tenacidade do concreto, representada pela energia necessária para conduzir a peça ao colapso. Ou seja, ela permite ao concreto ter maiores deformações antes da ruptura”, explica o engenheiro Marcel Aranha Chodounsky, diretor da Trima Engenharia. Ele conta que pisos de concreto reforçados com fibras de aço apresentam capacidade de carga muito superior aos equivalentes de concreto simples. Além disso, as fibras agregam ductilidade, permitindo carregamentos crescentes mesmo depois do início do processo de fissuração.

CONCRETO REFORÇADO

As fibras de aço consistem em armaduras tridimensionais distribuídas na matriz de concreto. “Por terem um módulo de elasticidade maior, elas costuram as fissuras iniciais. Isso eleva a durabilidade do piso e traz outras vantagens, como a possibilidade de reduzir a espessura das placas e de elevar o tamanho dos panos de concreto, reduzindo a quantidade de juntas”, diz Garcia, lembrando ser possível produzir panos de até 40 x 40 m com fibras de aço.

A adição gera impactos, também, na produtividade da obra e no quesito sustentabilidade. Afinal, a diminuição do volume de concreto associada ao uso de um material reciclável, como o aço, cria condições para a redução de emissões de Co₂.

A ABNT NBR 15.530 — Fibras de aço para concreto — Requisitos e métodos de ensaio é a norma brasileira que classifica as fibras metálicas em classes, em função de sua conformação geométrica e do tipo de aço utilizado como matéria-prima.

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO

A adição das fibras de aço deve ser realizada na central de concreto, através do espalhamento do material na esteira de agregados. “Embora a adição das fibras na obra seja possível, é sempre preferível a adição na central, permitindo uma mistura por um tempo prolongado durante o percurso do caminhão até a obra”, destaca Chodounsky.

Embora a adição das fibras na obra seja possível, é sempre preferível a adição na central, permitindo uma mistura por um tempo prolongado durante o percurso do caminhão até a obra
Marcel Aranha Chodounsky

O especialista conta que nos pisos industriais de concreto com acabamento liso-espelhado, realizado com acabadoras de superfície, os procedimentos executivos são semelhantes ao dos pisos de concreto sem fibras. “Deve haver apenas uma atenção especial, ainda durante o acabamento, para evitar que o piso acabado apresente um número excessivo de fibras na superfície”, continua o engenheiro da Trima.

De acordo com Daniel Garcia, quando seguidas as boas práticas de aplicação, especialmente o uso adequado da régua vibratória para adensamento, não há problemas de desempenho e de afloramento. “A ideia de que as fibras de aço geram corrosão é um mito, já que estamos falando de armaduras aleatórias e descontínuas que não propagam corrosão como um vergalhão”, diz ele.

Para o engenheiro da Belgo Bekaert, outra ideia equivocada comumente relacionada às fibras de aço é a de que elas são mais abrasivas e geram problemas em equipamentos como bombas de concreto. “Entre os agregados do concreto, as britas são muito mais abrasivas do que segmentos de 80 mm”, argumenta Garcia.

O reforço com a adição de fibras metálicas foi utilizado na construção na região do berço 201, ponto de atracação do terminal de contêineres de Paranaguá (TCP). A instalação no estado do Paraná compõe um hub de portos que manejam, em média, 53 milhões de toneladas em seus quatro quilômetros de cais. Nas obras, realizadas pela Porto Construtora, foram utilizadas 530 toneladas de fibras de aço estirado a frio. “Com cerca de 3500 m², esta é a maior obra de piso com fibras metálicas da América Latina, mostrando que esta técnica confere alto desempenho também para aplicações em atmosferas agressivas”, comenta Garcia.

Leia também:

Concreto reforçado com fibras dispensa o uso de armaduras

Colaboração técnica

Daniel Lopes Garcia — Engenheiro civil com MBA em gestão de empresa, é gerente nacional de vendas na Belgo Bekaert.
Marcel Aranha Chodounsky — Engenheiro civil com MBA em Gestão Financeira e Controladoria e especialização em Economia Financeira. É diretor da Trima Engenharia e co-autor do livro “Pisos Industriais de Concreto: Aspectos Teóricos e Executivos”, Editora Regeenza, São Paulo, 2007.