Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

AQUA lança selo habitacional

Manuel Martins, Coordenador Executivo do Processo AQUA, comenta sobre o selo e sua receptividade

Publicado em: 03/02/2010

Texto: Redação AECweb

Entrevista: Manuel Martins

AQUA lança selo habitacional

Redação AECweb


A Fundação Vanzolini está apresentando ao mercado a nova versão da certificação Alta Qualidade Ambiental: é o selo AQUA Habitacional, destinado às moradias populares e, também, ao setor imobiliário e unidades unifamiliares. O professor Manuel Martins, Coordenador Executivo do Processo AQUA, em entrevista ao AECweb, conta que 80% das novas edificações sociais na França contam com o selo. Aqui, a receptividade de órgãos como a CDHU – Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano – e das construtoras tem sido muito boa. Segundo ele, há três propostas de prédios residenciais em análise e muita expectativa de crescimento. Nas modalidades lançadas em abril de 2008, foram certificados sete empreendimentos comerciais, de escritórios, escolares e de hotéis e centros de lazer.

AECweb – Quais as características do selo AQUA Habitacional?
Martins -
A nova certificação AQUA exige um sistema de gestão do empreendimento para garantir o controle total do projeto, de modo a obter os desempenhos planejados. Os critérios de desempenho estão distribuídos nas mesmas 14 categorias do AQUA para edifícios de serviços, envolvendo os conceitos de conforto, saúde e meio ambiente. Mas, com algumas peculiaridades próprias da habitação como temperatura, ruído e conforto visual.

AECweb – Poderia exemplificar?
Martins -
No AQUA Habitacional, fica mais explícita a questão da acessibilidade e sua norma técnica. Nesta versão, passa a ser exigido o uso de equipamentos com etiquetagem Procel, como os de água, de iluminação, de aquecimento e resfriamento de ar. A etiquetaquem Procel é orientativa, permitindo ao consumidor escolher o que melhor lhe convém. No AQUA, nós usamos a escala de etiquetagem como critério de desempenho Bom, Superior e Excelente. E, assim que a norma Procel Edifica Habitacional for criada, deveremos incorporá-la a esta versão do AQUA.

AECweb – A nova versão faz referência à Norma de Desempenho de Edificações?
Martins -
Alguns parâmetros, como os relativos a temperatura, iluminação e ruído, fazem referência à Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais de baixa altura (NBR 15575). Esse documento é uma referência bastante útil e vem ao encontro do referencial técnico AQUA, que é considerar como mínimo o nível regulamentar e normativo, desde que haja regulamentação de normas razoavelmente exigentes.

AECweb – Há referências, portanto, a três normas técnicas?


Martins -
Em energia, o AQUA Habitacional faz referência ao selo Procel para equipamentos. Em conforto térmico, acústico e visual, utiliza a Norma de Desempenho, e em acessibilidade e disposições de cozinhas e banheiros, remete à Norma de Acessibilidade.

AECweb – Para qual segmento residencial se destina o novo selo?
Martins -
Olhando um pouco o exemplo francês, 80% das construções novas para fins sociais são certificadas pelos nossos parceiros com o selo HQE. É um número imenso! Temos no Brasil, de um lado, uma situação de necessidade habitacional, de desenvolvimento e capacidade de investimento. De outro, pela maneira como a norma foi estabelecida - é um referencial técnico que lida desempenho e não soluções pré-determinadas – somada ao interesse na qualidade da habitação popular, acredito que seja um campo de grande potencial de aplicação da certificação do processo AQUA.

AECweb – A certificação deverá atrair, também, o mercado imobiliário?
Martins -
Nossa expectativa é que o AQUA Habitacional certificará tanto edifícios residências, quanto conjuntos habitacionais unifamiliares. Claro que os empreendimentos privados de classe média têm interesse, até mesmo de apelo ao consumidor, pois vão poder demonstrar sua capacidade de maior economia de água e energia, entre outros itens, gerando menor custo de condomínio e maior valor patrimonial.

AECweb – Essa conta já foi feita pela Fundação Vanzolini?
Martins -
Não fizemos o cálculo de redução de consumo, porque estamos começando agora a implementar a certificação habitacional. O próprio Estado que está promovendo o uso de aquecimento solar de água, não fez a conta. Mas precisa ser feita porque vai indicar para o usuário o quanto mais fácil será manter a sua habitação, principalmente nas faixas populares.

AECweb – Em outras palavras, o quanto vai ficar mais cara a construção?
Martins -
Esse cálculo envolve mais do que números, envolve uma reflexão. Veja: a comparação de uma obra mais sustentável, portanto, ‘melhor’, usa como referência uma construção entre ‘pior’. Até quando a convencional – ou, ‘pior’ - vai ser referência? À medida que a construção evoluir, a referência também muda. Vejamos o caso da unidade da Leroy Merlin, de Niterói, que obteve o selo AQUA recentemente (veja matéria sobre esta obra). O custo da obra foi 8% superior às convencionais, com ‘payback’ de seis anos. O mesmo cálculo para as novas lojas, já não terá por base aquilo que faziam antes, porque nunca mais vão construir no patamar não sustentável. É uma decisão empresarial.

AECweb – Perderá, então, o sentido do comparativo?
Martins -
Se lembrarmos que a filosofia do processo AQUA é uma boa arquitetura e um bom projeto, talvez, um dia, a construção civil atinja uma condição em que terá mais sentido falar em quanto custa a mais fazer sustentabilidade. No entanto, hoje, é uma preocupação válida. No caso das construções sociais, a questão do quanto custa a mais quem vai investir é o Estado e quem vai colher os benefícios é o usuário. Gastando menos para manter sua habitação, ele poderá manter mais facilmente a qualidade de vida de sua família. E isso representa uma garantia maior de que vai continuar pagando o financiamento. Por outro lado, o Estado vai economizar em infraestrutura com o aproveitamento dos resíduos, em energia e água. E, se fizer um bom planejamento urbano, estará usando melhor o dinheiro que é da sociedade.

AECweb - A Fundação Vanzolini já se sentou na mesa com a CDHU?
Martins -
Sim, com a CDHU, em São Paulo, e com a Secretaria de Habitação de Cubatão. Estamos procurando outros interlocutores para prosseguir nessa conversa. A receptividade é boa, mas ainda não se traduziu em ação. Não deixa de ser uma cultura nova e até que os agentes se acostumem com a idéia - que vale a pena, dá resultados – da construção sustentável avaliada, comprovada, certificada, leva um tempinho.

AECweb – As construções particulares unifamiliares também poderão ter o AQUA Habitacional?
Martins -
Tenho constatado o interesse principalmente de profissionais da arquitetura, com quem estamos conversando bastante. Nesses casos, a referência normativa é a mesma, o que muda um pouco é o processo, pois não se trata mais de um conjunto habitacional, mas de uma unidade. A questão é identificar quem quer mostrar para as partes interessadas que aquela unidade segue os critérios de sustentabilidade. Talvez não seja tanto proprietário, embora ele possa se beneficiar numa futura venda ou locação, mas o próprio profissional para mostrar que os projetos que produz são certificados pela Alta Qualidade Ambiental.

AECweb – Como o empreendedor se beneficia com o novo selo?
Martins -
O empreendedor pode mudar a qualidade do seu portfólio, se incluir o processo do AQUA desde a fase do programa do edifício. Isto não implica, necessariamente, maiores investimentos, porque, se de um lado ele vai investir um pouco mais no projeto arquitetônico, na implantação no terreno, na envoltória e em demais características; por outro lado, ele poderá economizar em outros sistemas prediais. Essa visão do empreendedor de pensar o AQUA desde o início, trará mais resultados com menos investimentos, e permitirá comprová-los para o mercado.

AECweb – O AQUA Habitacional já tem candidatos à certificação?
Martins -
Recebemos três propostas de edifícios habitacionais, destinados à classe média, sendo um no nordeste e dois em São Paulo.

Redação AECweb