Armadura pronta soldada eleva a produtividade nos canteiros

APS abrevia o tempo de execução, reduz a quantidade de profissionais alocados na obra e assegura o maior controle de qualidade

Publicado em: 19/11/2021

Texto: Juliana Nakamura

Armadura pronta soldada
As armaduras prontas podem ser fornecidas com forma incorporada, composta por chapa galvanizada, elevando ainda mais o grau de industrialização (Fotos: Divulgação/ArcelorMittal)

A necessidade de elevar os índices de produtividade nos canteiros de obras tem induzido construtoras e fornecedores de materiais a desenvolverem soluções industrializadas, que permitam simplificar processos, abreviar prazos de execução, diminuir custos com a redução da quantidade de mão de obra e, ainda, garantir alto desempenho.

Tecnologias construtivas inovadoras como as armaduras prontas soldadas (APS) vêm se destacando neste contexto. Trata-se de um passo além do serviço de corte e dobra já consagrado no mercado e que também significou um avanço na maneira de fornecer aço, agregando mais racionalização em comparação ao material tradicionalmente fornecido em barras.

Indicada para a execução de estacas, blocos de fundações, vigas baldrames, pilares, barreiras de concreto e contenções, a armadura pronta pode ser fornecida com forma incorporada, composta por chapa galvanizada, elevando ainda mais o grau de industrialização com a eliminação dos serviços relacionados à montagem e à desmontagem dos moldes.

“No caso das fundações, a maior produtividade com o uso de APS pode minimizar eventuais atrasos de cronograma em função de eventualidades como presença de rocha, lençol freático etc.”, afirma Alessandra Moreira, engenheira de inovação e desenvolvimento de produtos na ArcelorMittal.

Ganhos de produtividade

Isso mostrou o potencial de ganhos de produtividade que poderiam ser conquistados se as armaduras fossem fornecidas pré-montadas
Ubiraci Espinelli Lemes de Souza

Um estudo realizado pela Produtime e pelo Sinduscon-SP em 2018, em 16 obras, detectou que 80% do tempo dedicado à armação de pilares e vigas é despendido com a pré-montagem das armaduras. “Isso mostrou o potencial de ganhos de produtividade que poderiam ser conquistados se as armaduras fossem fornecidas pré-montadas”, comenta Ubiraci Espinelli Lemes de Souza, professor da Escola Politécnica da USP e diretor da Produtime.

Para mapear os pontos fortes e fracos da tecnologia, Souza estudou a produtividade em três obras com armaduras prontas soldadas em blocos de fundações. Em todas elas, houve redução drástica na relação homem/hora gasta para realizar o serviço de armação.

Souza também estudou uma obra do Metrô de São Paulo, em que a APS foi utilizada na produção de lamelas para paredes diafragma. Nesse caso, o recebimento da lamela pronta permitiu reduzir 93% o consumo de mão de obra para armação dos elementos. Outra diferença foi a diminuição de área demandada no canteiro para a central de montagem das armaduras, que caiu de 990 m² para 330 m² para a produção de 4 lamelas/dia. “Tal ganho de espaço favorece a produtividade e permite avançar a produção de mais lamelas/dia e abreviar o prazo de execução”, explicou Souza.

Competitividade financeira

Armadura pronta soldada
Sem a necessidade de montar/desmontar formas, obra da Tarjab obteve ganhos de produtividade de 82% na produção de blocos pequenos e de 71% nos blocos grandes (Foto: Divulgação/ArcelorMittal)

A Tarjab é uma das construtoras que identifica vantagens na utilização das armaduras prontas com formas incorporadas para a produção de blocos de fundação. “Em uma obra protótipo detectamos ganhos de produtividade de 82% na produção de blocos pequenos e de 71% nos blocos grandes. Isso se deve, principalmente, à eliminação da etapa de montagem e desmontagem de formas”, revela Sérgio Fernando Domingues, diretor técnico da Tarjab. Ele conta que também foi possível reduzir o tempo de execução de um conjunto de blocos de uma torre residencial de 45 para 26 dias, em um cenário com peças de muita interferência, e para 14 dias em blocos de pouca interferência.

Além do ganho de produtividade, outros benefícios percebidos pela Tarjab foram a redução de armadores na obra, mais limpeza no canteiro, além de maior qualidade, visto que a armadura soldada é produzida em ambiente controlado e apresenta maior confiabilidade do que a amarrada montada na obra. “Mesmo considerando haver um custo adicional com o aluguel de equipamento para a movimentação das gaiolas no canteiro, registramos economia de 19% em uma análise global de custos, considerando a redução de prazo proporcionada”, continua Domingues.

Planejamento crítico

Armadura pronta soldada
Com as armaduras prontas, é possível reduzir armadores na obra e obter mais limpeza no canteiro, além de assegurar maior qualidade (Foto: Divulgação/ArcelorMittal)
A opção a ser escolhida é particular para cada obra e deve ser determinada considerando o acesso ao local de execução no canteiro, o peso e as dimensões dos elementos
Alessandra Moreira

A introdução bem-sucedida de sistemas construtivos industrializados no canteiro impõe algumas condições. A sinergia entre construtor, projetista e fornecedor é a primeira delas. Também é essencial que a obra se programe previamente para o processo industrializado, desde a fase de projeto à logística no canteiro.

A depender das particularidades da obra, a mecanização por grua, caminhão munck ou escavadeira é imperativa. “A opção a ser escolhida é particular para cada obra e deve ser determinada considerando o acesso ao local de execução no canteiro, o peso e as dimensões dos elementos”, afirma Alessandra Moreira. Segundo a engenheira, outro foco de atenção deve ser a estocagem provisória no canteiro, que precisa assegurar que as peças não tenham contato direto com o solo, nem fiquem expostas à chuva e à umidade.

Materiais de apoio

O portal AECWeb realizou em parceria com a ArcelorMittal o webinar “Produtividade e Inovação na Construção Civil”, que debateu as aplicações das armaduras prontas soldadas. Clique aqui para assistir o evento na íntegra.

E para obter mais detalhes técnicos sobre a APS, não deixe de consultar o “Manual de Execução — Armadura Pronta Soldada e Forma Incorporada”.

Colaboração técnica

 
Ubiraci Espinelli Lemes de Souza — Engenheiro civil com mestrado (Poli-USP) e doutorado (Poli-USP/Pennsylvania State University). É professor da Escola Politécnica da USP e diretor da Produtime Gestão e Tecnologia.
 
Sérgio Fernando Domingues — Engenheiro civil, mestre em Inovação na Construção Civil pela Poli-USP. É diretor técnico da Tarjab Incorporadora.
 
Alessandra Moreira — Engenheira de inovação e desenvolvimento de produtos na ArcelorMittal.