Certificação AQUA concede o primeiro selo para o segmento de varejo

Novo prédio da Leroy Merlin em Niterói atendeu todas as exigências da certificação

Publicado em: 16/10/2009

Texto: Redação AECweb

Novo prédio da Leroy Merlin em Niterói atendeu todas as exigências da certificação

Certificação AQUA concede o primeiro selo para o segmento de varejo

Redação AECweb

A loja de Niterói (RJ) da Leroy Merlin, que está sendo inaugurada agora em outubro, é a primeira entre as 246 unidades da rede francesa de home centers espalhadas por nove países a obter a certificação AQUA – Alta Qualidade Ambiental, auditada pela Fundação Vanzolini. Esse foi, também, o primeiro selo concedido pela entidade vinculada à Universidade de São Paulo a um empreendimento do segmento de varejo no país. O novo ‘prédio verde’ tem 17.238 m2 de área construída e atendeu as exigências da certificação nas fases de Programa, Concepção do Projeto e Realização da Obra.

O arquiteto Pedro Sarro, gerente de Obras da Leroy Merlin, explica que o custo total foi 8% superior ao de uma construção convencional. “No entanto, estamos prevendo um ‘payback’ de seis anos”, estima, antecipando que a empresa já prepara o projeto da próxima loja sustentável, a de Taquatinga, no Distrito Federal. O projeto arquitetônico da unidade de Niterói é assinado pelo escritório Dupret Arquitetura, responsável por outras 16 lojas da rede, e contou com a consultoria de sustentabilidade da Inovatch Engenharia. A execução é da Thá Engenharia, realizada em nove meses.

O arquiteto Pedro Sarro descreve, a seguir, os principais recursos, tecnologias e boas práticas utilizados na obra da loja que acaba de ser certificada com o selo AQUA.

LOCAL

Certificação AQUA concede o primeiro selo para o segmento de varejo

A loja da Leroy Merlin, em Niterói, tem à sua frente a avenida do Contorno, rodovia que segue para São Gonçalo na região dos lagos. Nos fundos, está a Rua Carlos Gomes. São, portanto, os dois acessos ao estacionamento subterrâneo (deck) e a loja ocupa boa parte do terreno. No lote vizinho, há uma antiga tecelagem abandonada e, do outro, galpões.

CANTEIRO

“Tivemos um pequeno espaço de canteiro para nos adequar, o que envolveu toda a logística da obra e o desenvolvimento de novas metodologias para reciclagem dos materiais e educação do pessoal dentro da obra. Obtivemos a graduação máxima do selo AQUA em impacto ambiental do canteiro, considerado ‘excelente’”, explica o gerente.

Entre as práticas adotadas, foi implementado o ‘Programa de Reciclagem de Resíduos’, envolvendo triagem e destinação de materiais inertes e não-inertes. O trabalho exigiu a identificação de empresas recicladoras na região de Niterói. Paralelamente, o material resultante da demolição de uma construção pré-existente no terreno foi reutilizado na obra como berço para assentamento de tubulação e nos acessos ao canteiro. O restante foi enviado para empresas demolidoras, onde são revendidos. E, para evitar que os caminhões betoneira levassem concreto para as ruas do entorno, foram adotados lava-rodas.

De acordo com Pedro Sarro, a Leroy Merlin optou por sistema de fundação de baixo impacto. “Nessa obra, nós usamos as estacas hélice, de concreto moldada ‘in loco’. O sistema tem impacto praticamente zero e pretendemos adotá-lo em todas as novas obras, exceto quando o nível d’água não permitir”, diz o arquiteto. Através de palestras, a gerenciadora procurou desenvolver uma cultura de construção sustentável aos cerca de 300 funcionários que atuaram na obra.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

As providências adotadas pelo projeto de sustentabilidade da loja da Leroy Merlin, de Niterói, alcançou 17% de economia de energia elétrica, abrangendo o tripé: ar condicionado, iluminação e fachadas. “O carro-chefe do programa é o sistema de condicionamento de ar que garante uma economia de 30% de energia”, revela Pedro Sarro. Trata-se do sistema ‘inverter’, produzido pela Hitachi, “em que o compressor tem uma aceleração crescente, permitindo utilizar o que o usuário precisa, de zero a 100, e de forma setorizada”, explica, acrescentando que “essa foi a primeira instalação equipamento no país”.

Outra parceria semelhante foi feita pela Leroy Merlin com a Unicoba, fornecedora dos refletores LEDS instalados nas áreas externas. “Fomos os primeiros a usar o produto na nossa loja”, comenta Sarro. Internamente, a iluminação utiliza lâmpadas fluorescentes de alta eficiência.

Voltada para a baia da Guanabara, com o Cristo Redentor e o Corcovado ao fundo, a fachada da loja foi construída em pele de vidro.“A certificação AQUA exige que a edificação garanta o conforto visual. Porém, a fachada envidraçada integrando o interno e o externo acarreta o aquecimento do ambiente, até porque é uma fachada oeste. A solução foi  empregar vidros de alta performance térmica e, o que é incomum nesse tipo de obra, adotamos brises que protegem a fachada”, destaca o gerente.

Certificação AQUA concede o primeiro selo para o segmento de varejo

CONSERVAÇÃO DA ÁGUA

Outro quesito em que a loja ‘verde’ foi qualificada como ‘excelente’ pelo AQUA é o de uso e conservação da água: a economia estimada é de 50%. “Verificamos que, em Niterói, o índice de chuvas é bom durante todo o ano, o que torna produtivo reaproveitar a água de chuva. O sistema implantado considerou os cálculos da média de chuvas e do consumo previsto, resultando na construção de um sistema com reservatório enterrado de 150 mil litros”, afirma. Depois de tratada, a água é utilizada nas descargas dos sanitários, irrigação dos jardins e limpeza do pátio. Nos banheiros, as válvulas de descarga são de acionamento duplo e as torneiras automáticas. O projeto paisagístico empregou espécies que precisam de menor quantidade de água, além de atóxicas e nativas.


A água de chuva descartada no processo de tratamento é destinada à caixa de retardo e poços de infiltração. “São duas grandes caixas de infiltração, sendo uma no fundo e outra na frente da loja. Parte dessa água é absorvida pelo solo, contribuindo com o lençol freático, e o restante segue para a caixa de retardo”, conta Pedro Sarro, comentando que essa ação colabora para a redução de enchentes na região.

CONFORTO AMBIENTAL

Parte integrante das exigências do selo AQUA, o conforto térmico tem a seu favor as mantas de proteção da Santa Marina, instaladas na cobertura do prédio. Todo o condicionamento do ar da loja emprega gás ecológico e os escritórios ganharam equipamentos do tipo ‘split’, máquinas independentes cuja temperatura é controlada pelos usuários – em média, 24 ºC, de acordo com a norma técnica. “O conforto acústico tem projeto do escritório Acústica Engenharia, da Akkerman Projetos Acústicos”, relata o arquiteto Pedro Sarro. O piso da loja reedita solução desenvolvida pela rede em unidades já existentes, de concreto lapidado e polido. “Lembra uma grande placa de granito”, observa.

Redação AECweb