Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Como comprar metais sanitários?

A especificação e a compra do material envolvem muito mais do que o aspecto estético, é preciso conhecer as informações técnicas do projeto

Publicado em: 03/02/2023

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

foto de uma pessoa segurando uma espátula e uma tabua com argamassa líquida em cima
(Foto: Shutterstock)

Os metais sanitários estão presentes nas áreas de higiene pessoal, alimentação e de limpeza das edificações. Estão nos banheiros e lavabos, nas cozinhas, churrasqueiras e varandas gourmet e, também, nas lavandeiras, tanques e jardins.

“Esses materiais respondem pelo controle geral de abastecimento, através dos registros embutidos dotados de manípulo e canoplas; pelo fornecimento e controle de vazão feito por torneiras, misturadores, duchas e chuveiros; e, também, pelo esgotamento sanitário, função das válvulas de escoamento, ralos e sifões”, esclarece o engenheiro Roney Honda Margutti, assessor Técnico do Sindicato da Indústria de Artefatos de Metais Não Ferrosos do Estado de São Paulo (Siamfesp).

Vazão e pressão de água

Alguns cuidados preliminares são fundamentais antes da compra de metais sanitários, como identificar as condições de contorno de cada ambiente. “Por exemplo, se o ambiente é interno ou externo, ou se há abastecimento apenas de água fria, ou de água fria e água quente, ou ainda se há aquecimento como chuveiros e torneiras elétricas”, ensina.

As normas técnicas da ABNT definem que produtos como torneiras de tanques e de jardins devem ser dotados de maior vazão, e os de lavatórios, de menor vazão. “Desta forma, de modo geral, adquirindo um metal sanitário que atenda sua respectiva norma técnica, dificilmente haverá problemas de vazão e de pressão de abastecimento”, aponta.

De modo geral, adquirindo um metal sanitário que atenda sua respectiva norma técnica, dificilmente haverá problemas de vazão e de pressão de abastecimento
Roney Honda Margutti

Há, no entanto, situações especiais: as casas térreas e os últimos andares de edifícios. Nessas condições, a pressão de água é menor, pois a caixa d’água se encontra muito próximo do teto. Dependendo de cada pessoa, pode haver desconforto com a baixa vazão. “Alguns produtos, como misturadores monocomando para lavatório e pias de cozinha, são acompanhados por curvas de vazão, indicando que em baixas pressões há baixas vazões de água”, diz Margutti.

Entre as soluções, destaque para a instalação de pressurizadores de água de pequeno porte, que podem ser instalados junto aos gabinetes e pias de cozinha. Outra situação que pode apresentar uma vazão menor, visando inclusive a economia de água, são os aparelhos automáticos, que têm como prerrogativa fornecer o mínimo de água necessário para utilização. “Portanto, é importante ficar atento ao propósito de cada projeto”, aconselha.

Água quente e fria

O mercado oferece metais sanitários destinados apenas para sistemas hidráulicos de água fria e, também, para os sistemas de água fria e/ou água quente. Ter em mente o tipo de sistema hidráulico que será instalado quanto à temperatura de água é essencial para evitar uma compra errada.

“Um produto destinado para sistema hidráulico apenas para água fria, caso seja instalado em um ramal com água quente, terá sua vida útil reduzida para menos da metade do tempo previsto”, alerta o engenheiro, lembrando que, nessa situação, o consumidor perde a garantia oferecida pelo fabricante.

Um produto destinado para sistema hidráulico apenas para água fria, caso seja instalado em um ramal com água quente, terá sua vida útil reduzida para menos da metade do tempo previsto
Roney Honda Margutti

E tem mais: no caso de projeto de reforma, é preciso atentar para o tipo de instalação hidráulica original. “Especialmente se a intenção é instalar aquecedor em sistema que originalmente era específico apenas para água fria”, observa.

“Para identificar se um metal sanitário é apenas para água fria ou para sistema de água fria e/ou quente, basta olhar sua embalagem. Até porque os produtos em conformidade com as normas técnicas da ABNT têm essa informação em suas embalagens e terão sido construídos para cada situação”, fala.

Metais economizadores

A compra de metais de sanitários é o momento ideal para optar por aparelhos economizadores de água e torneiras automáticas, dotados de tempo de abertura e vazões controlados. “As torneiras automáticas, por si só, são concebidas e projetadas para a economia de água”, frisa Margutti.

Caso o desejo seja utilizar os metais sanitários tradicionais, é possível incorporar componentes que tenham o mesmo resultado. É o caso dos redutores de pressão e de vazão nas entradas das torneiras comuns. Ou, ainda, a instalação de arejadores com limitador de pressão. “Outras opções, que foram interessantes no período de pandemia, são as torneiras dotadas de sensores de presença”, acrescenta.

Limpeza e manutenção

Vazamentos de registros e torneiras podem ser solucionados por um instalador hidráulico ou, até mesmo, com uma visita à loja especializada ou de materiais para identificar e substituir o mecanismo de vedação.

A manutenção dos metais sanitários começa pela limpeza periódica de seus acabamentos, utilizando apenas água e sabão/detergente neutro. “Qualquer outro produto que prometa limpeza sem esfregar ou tirar manchas de gorduras, pode ter um efeito inverso, ou seja, manchar permanentemente os seus revestimentos”, adverte e diz que não são recomendados de forma alguma produtos com cloro ativo ou abrasivos em sua composição.

Os componentes internos e externos dos metais sanitários – canoplas e volantes dos registros, torneiras e misturadores – devem ser periodicamente verificados. Observar se os manípulos estão bem fixados e eliminar as folgas, para evitar desgaste durante o uso.

As bicas de torneiras com arejadores ou concentradores de jato também merecem atenção a cada dois ou três meses. “Ou quando houver alguma alteração no jato de água ou na vazão de água. Basta retirar o componente e fazer uma limpeza, eliminando sujidades que podem estar atrapalhando o jato de água”, orienta.

Dica
Na fase de uso dos metais sanitários em ambientes externos, que recebem chuva e sol, ou em regiões litorâneas, os acabamentos podem sofrer maiores desgastes. Esses danos são reduzidos pela limpeza periódica.

“Da mesma forma, independentemente do ambiente, até mesmo para ambientes fechados por muito tempo, a poeira e sujeira aérea podem comprometer a durabilidade do acabamento dos materiais, sendo recomendadas limpezas periódicas mensais”, diz.

Normas técnicas

Conheça as principais normas técnicas da ABNT para os metais sanitários:

ABNT NBR 16749 - Misturadores - Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 14162 - Sifão - Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 15267 - Misturadores monocomando para lavatório - Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 15704 - Registros - Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 10281 - Torneiras - Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 15206 - Chuveiros ou duchas - Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 14877 - Ducha Higiênica - Requisitos e métodos de ensaio
ABNT NBR 15423 - Válvulas de escoamento - Requisitos e métodos de ensaio

Compra segura

Além de verificar na embalagem do produto a indicação de atendimento às normas técnicas da ABNT, é interessante verificar se há algum selo de certificação do INMETRO ou do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H).

E, ainda, consultar a base de dados dos referidos ambientes:

- INMETRO
- PBQP-H

Veja também:

Portas
Lâmpadas
Esquadrias

Colaboração técnica

Roney Honda Margutti  – Engenheiro Civil formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – POLI/USP, com mais de 20 anos de experiência em normalização, laboratórios e programas da qualidade. Atualmente, é assessor Técnico do Sindicato da Indústria de Artefatos de Metais Não Ferrosos no Estado de São Paulo (Siamfesp) e coordenador da Comissão de Estudos de Comandos Hidráulicos da ABNT.