Como escolher a manta para impermeabilização de lajes de cobertura?

Antes de especificar é preciso avaliar alguns critérios, analisar o local, verificar se há passagem de pedestres ou movimentação estrutural, exposição à água e ao sol. Saiba mais

Publicado em: 21/01/2020Atualizado em: 24/11/2023

Texto: Juliana Nakamura

saiba como escolher mantas asfálticas
A escolha da manta asfáltica ideal deve considerar se há ou não a passagem de pedestres pelo local, algum tipo de movimentação estrutural, se a área será exposta ao sol ou receberá água (foto: KarepaStock/shutterstock)

Flexíveis e pré-fabricadas, as mantas asfálticas compõem um sistema impermeabilizante muito indicado para estruturas sujeitas a movimentações como as lajes de cobertura. A ABNT NBR 9952/2014 - Manta asfáltica para impermeabilização, classifica os produtos em quatro tipos (I, II, III e IV) em função do índice de tração e alongamento. Também distingue as mantas em três classes (A, B e C) de acordo com sua flexibilidade a baixas temperaturas.

"Uma manta de classe A é a que apresenta massa asfáltica de melhor qualidade e com mais percentual de elastômeros”, diz José Miguel Morgado, diretor executivo do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI). Ele explica que as mantas do tipo I utilizam filme de poliuretano como estruturante. As do tipo II empregam fibra de vidro e não tecido de poliéster. Já os tipos III e IV utilizam como estruturante somente o não tecido de poliéster e, por isso mesmo, são mais resistentes à tração.

Leia também:

Como aplicar manta asfáltica? Entenda todas as etapas
Como escolher manta asfáltica para impermeabilizar a minha obra?
Como impermeabilizar com mantas asfálticas? Assista ao passo a passo

Uma manta de classe A é a que apresenta massa asfáltica de melhor qualidade e com mais percentual de elastômeros
José Miguel Morgado

As mantas asfálticas também diferem entre si quanto ao tipo de acabamento. As mais usuais são:

• Mantas de poliéster - Elaboradas à base de asfaltos modificados armados com estruturante de poliéster, têm grande resistência à tração e ao puncionamento. São indicadas para lajes planas e inclinadas, pisos, marquises, helipontos, viadutos, caixa d’água, reservatórios, piscinas elevadas, muros, jardineiras, espelhos d’água, áreas frias, terraços e sacadas gourmet.

• Mantas de polietileno - Produzidas à base de asfaltos modificados armados com estruturante de polietileno de alta densidade (PEAD). Têm como característica grande elasticidade sem comprometer a uniformidade dimensional. São indicadas para lajes transitáveis planas ou inclinadas em geral, com proteção mecânica sobre a manta.

• Mantas de fibra de vidro - À base de asfaltos modificados armados com estruturante de fibra de vidro, também apresentam elevada elasticidade sem comprometer a uniformidade dimensional. São indicadas para áreas internas, pisos de cozinhas, banheiros, área de serviço, porões, terraços e sacadas.

• Manta aluminizada - Possui uma lâmina de alumínio na face superior e é utilizada como acabamento final em áreas sem trânsito. Há versões que devem ser aderidas com asfalto ou maçarico e também versões adesivas. São indicadas para calhas, telhados, abóbodas, marquises e beirais.

• Manta ardosiada - Possui camada de autoproteção na face superior formada por grânulos de agregado mineral (ardósia), dispensando proteção mecânica. É utilizada como acabamento final em coberturas não transitáveis em cúpulas e abóbadas, principalmente.

Leia também: 
Quais são os fatores que influenciam a durabilidade das mantas asfálticas?
Preço não deve ser o único critério na escolha do fornecedor

CRITÉRIOS DE ESPECIFICAÇÃO

O princípio de tudo é elaborar um projeto de impermeabilização de acordo com a ABNT NBR 9575- Impermeabilização – Seleção e projeto
Marcos Storte

Definir o tipo de manta mais adequado para cada situação depende de uma análise cuidadosa do campo de aplicação. “É preciso conferir se haverá ou não passagem de pedestres, algum tipo de movimentação estrutural, se a área ficará exposta ao sol ou receberá água”, comenta Bruno Pacheco, executivo de marketing da Vedacit.

“O princípio de tudo é elaborar um projeto de impermeabilização de acordo com a ABNT NBR 9575- Impermeabilização – Seleção e projeto”, acrescenta o consultor Marcos Storte. Segundo ele, é durante o projeto que são analisadas a fundo as necessidades da obra e definidas as espessuras e demais especificações das mantas.

ATENÇÃO À EXECUÇÃO

Antes de iniciar a colocação da manta, o concreto deve estar limpo, íntegro, seco e sem impregnação de desmoldantes, agentes de cura, ou qualquer material que prejudique a aderência da manta
Bruno Pacheco

Além de escolher o tipo de manta adequado, um processo de aplicação bem feito é crucial para garantir proteção à estrutura. “Antes de iniciar a colocação da manta, o concreto deve estar limpo, íntegro, seco e sem impregnação de desmoldantes, agentes de cura, ou qualquer material que prejudique a aderência da manta. Também é importante verificar se há falhas ou fissuras no concreto, a localização e fixação dos coletores, tubulações e a regularização do piso”, destaca Pacheco, lembrando que todas as correções precisam ser feitas antes de iniciar o processo de impermeabilização.

Durante a aplicação das mantas, deve-se atentar para a sobreposição mínima de 10 cm. Outra prática recomendada é aplicar um bom primer para garantir a melhor adesão ao substrato.

“O tripé projeto de impermeabilização, mão de obra qualificada e produto adequado é a garantia para uma impermeabilização segura e durável. Se faltar uma perna neste tripé, certamente o sistema ficará instável e não atenderá ao seu objetivo", diz Storte.

Colaboração técnica

engenheiro civil marcos storte
Marcos Storte – Engenheiro civil com mestrado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. É palestrante na área de impermeabilização em edificações e em obras de saneamento, proteção de estruturas de concreto e atenuação ao ruído de impacto entre lajes. Também é diretor técnico da A2S Engenharia e Perícia.
bruno pacheco
Bruno Pacheco  – Administrador de empresas, possui MBA em marketing e gestão comercial pela Business School São Paulo. É executivo de marketing da Vedacit.
engenheiro civil jose miguel morgado
José Miguel Morgado – Engenheiro civil com MBA em varejo de material de construção pela FAAP e em negócios e inovação pela Barry University e pela University of Nevada. É diretor executivo do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI).