Como especificar tintas imobiliárias para o seu projeto?

Especialista da ABRAFATI – Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas – fala sobre especificação, técnicas de aplicação, mercado e descarte de resíduos

Publicado em: 05/08/2011Atualizado em: 22/10/2023

Texto: Redação AECweb

Redação AECweb

Tintas imobiliárias, cores e técnicas

Entrevista: Gisele Bonfim

“A preparação da superfície é um dos três fatores essenciais para a obtenção de um bom resultado na pintura, juntamente com a qualidade da tinta e a sua aplicação de forma correta”, é o que conta Gisele Bonfim, gerente Técnica e de Meio Ambiente da ABRAFATI – associação que reúne as indústrias do setor. Sobre a qualidade das tintas do mercado brasileiro, Gisele recomenda ao consumidor o uso de tintas de fabricantes que participam do Programa Setorial da Qualidade: “Essas empresas estão comprometidas em produzir de acordo com as normas técnicas. Hoje, 90% do volume de tintas imobiliárias vendidas no Brasil atendem aos requisitos mínimos de qualidade”.

AECweb - O que o especificador deve considerar ao comprar uma tinta para paredes internas e externas?
Gisele Bonfim - A escolha da tinta deve ter como primeiro critério o local onde será aplicada. Em ambientes internos, podem ser aplicados os três tipos de tinta látex: Econômica, Standard e Premium, cabendo a cada consumidor, de acordo com seu gosto, a escolha da cor e do tipo de acabamento (fosco, acetinado ou brilhante). Em ambientes externos (fachadas), em que existe maior necessidade de resistência, em função do intemperismo, devem ser usadas as tintas classificadas como Standard e Premium.


AECweb - E para coberturas, pisos e azulejos?
Gisele - Para coberturas, pisos e azulejos, existem tintas específicas, adequadas às características desses substratos. Seu uso é recomendado para obter o melhor resultado, lembrando sempre a necessidade de escolher produtos que atendam aos requisitos mínimos de qualidade.


AECweb – Qual o critério para escolher o fabricante?
Gisele - Após a definição do local é importante verificar se a tinta atende às especificações determinadas pelas normas técnicas brasileiras. Esse é o melhor critério técnico para saber se uma determinada tinta tem padrões mínimos de qualidade. O ideal é utilizar tintas de fabricantes que participam do Programa Setorial da Qualidade – Tintas Imobiliárias, pois essas empresas estão comprometidas em produzir de acordo com as normas técnicas.


AECweb - Onde e como são usadas as tintas epóxi?
Gisele - As tintas epóxi são produtos à base de dois componentes, que precisam ser misturados na aplicação. São utilizadas especialmente em locais onde é necessário ter maior resistência à abrasão, como em pisos.


AECweb - Quais são as medidas para preparar a superfície que receberá a tinta?
Gisele - A preparação da superfície é um dos três fatores essenciais para a obtenção de um bom resultado na pintura, juntamente com a qualidade da tinta e a sua aplicação de forma correta. Para começar, é preciso fazer uma limpeza completa na superfície a ser pintada, removendo qualquer material estranho que possa contaminá-la, como poeira, gordura, graxa ou sabão. A superfície precisa estar firme, uniforme e livre de mofo. Uma dica importante é, em caso de reboco novo, aguardar a secagem do reboco por 28 dias no mínimo. Para corrigir imperfeições na superfície, use argamassa. No caso de imperfeições rasas, o recomendado é utilizar massa corrida.  Dependendo das condições da alvenaria, o tratamento da superfície pode exigir a utilização de um fundo preparador.


AECweb - Como evolui o PSQ de tintas?
Gisele - Criado em 2002, o Programa Setorial da Qualidade vem contribuindo para o aprimoramento dos produtos e o ordenamento do mercado. A partir dele, foram criados parâmetros claros, concretos e científicos de avaliação das tintas imobiliárias, com a publicação de mais de duas dezenas de normas ABNT (NBR) e a revisão posterior de várias delas, refletindo a evolução do mercado e da tecnologia. É importante destacar que, como resultado direto do Programa, hoje 90% do volume de tintas imobiliárias vendidas no Brasil atendem aos requisitos mínimos de qualidade. Esse percentual continua crescendo gradualmente, com o ingresso de novos fabricantes no PSQ e com a retirada do mercado ou o ajuste de marcas não conformes.


AECweb – Qual o impacto do PSQ no mercado imobiliário? 

Gisele - O reconhecimento da importância da qualidade, por parte do governo federal e de governos estaduais, restringiu o espaço para a atuação dos fabricantes de marcas não conformes, que não podem vender suas tintas para programas habitacionais e tampouco podem cadastrá-las para financiamentos a obras de construção e reformas com o uso do Cartão BNDES. Adicionalmente, cresceu a pressão por parte do Ministério Público e de órgãos de defesa do consumidor para que cesse a produção e venda de tintas fora da conformidade técnica.


AECweb - Todos os segmentos de tintas imobiliárias participam do programa?
Gisele - Como o portfólio de produtos de tintas imobiliárias é muito grande, o programa vem sendo implantado gradualmente, tendo se iniciado pelas tintas látex Econômicas e incluído depois as tintas Standard e Premium, os esmaltes sintéticos, as massas corridas, as tintas a óleo, os vernizes. Outros produtos serão incorporados com o tempo, sempre privilegiando aqueles que têm maior presença no mercado.


AECweb – Qual a solução para clarear uma parede pintada em tom escuro?
Gisele - Nesse caso, o melhor procedimento é lixar a parede e, após remover bem a poeira gerada pela lixação, pintá-la com a cor clara. Outra opção é usar os chamados seladores, que vários fabricantes de tintas produzem. Usa-se um selador colorido claro (amarelo, por exemplo) para cobrir a parede escura e, depois disso, aplica-se a tinta. Já o termo primer denomina os produtos utilizados como base antes da pintura de superfícies como metais e plásticos.


AECweb – Já se observa o crescimento no consumo de tinta branca em coberturas para reduzir a carga térmica?
Gisele - A utilização de tinta branca em telhados, coberturas e áreas como grandes estacionamentos a céu aberto vem sendo defendida por muitos pesquisadores. Mas ainda são necessários mais estudos para se determinar melhor os seus impactos. No Brasil, não foi detectado aumento no consumo de tinta branca relacionado a essa utilização.


AECweb - O que as obras devem fazer para melhor destinar os resíduos de tintas, inclusive as latas e instrumentos usados?
Gisele - A ABRAFATI vem trabalhando há bastante tempo na definição de procedimentos para a correta destinação dos resíduos da utilização de tintas na construção civil. Esse trabalho mobilizou consultores especializados e profissionais das indústrias de tintas, contando com a colaboração de entidades de classe, órgãos governamentais ligados ao meio ambiente e instituições de ensino e pesquisa. As principais recomendações da ABRAFATI em relação às embalagens e resíduos de tintas são:


·         Calcular corretamente e adquirir apenas o volume de tinta necessário para a obra, evitando assim a sobra;


·         Armazenar corretamente a tinta durante sua utilização;


·         Conservar adequadamente os instrumentos de pintura durante o trabalho;


·         Não guardar sobras de tintas, aproveitando-as imediatamente em outros locais ou doando-as;


·         Limpar instrumentos de pintura somente no final do trabalho;


·         Não lavar as latas e sim esgotar seu conteúdo, escorrer e raspar os resíduos com espátula;


·         Encaminhar latas com filme de tinta seco para uma ATT (área de transbordo e triagem) ou para reciclagem;


·         Inutilizar as embalagens no momento do descarte, evitando seu uso para outras finalidades;


·         Guardar sobras de solventes em recipientes bem fechados, para utilização futura, ou enviá-los para empresa de recuperação ou de incineração.


AECweb - Quais as principais mudanças na NBR 15079:2011 em vigor desde maio?
Gisele - A norma NBR 15079 estabelece uma classificação das tintas imobiliárias em três níveis: Econômicas, Standard e Premium. O que determina essa classificação é o cumprimento de requisitos mínimos relacionados ao poder de cobertura de tinta seca e de tinta úmida e à resistência à abrasão. Esses requisitos específicos estão vinculados a ensaios descritos em outras normas aprovadas pela ABNT. A norma também estabelece outros requisitos, relacionados à necessidade de informar, na embalagem, dados do fabricante e do produto, além das suas instruções de aplicação. A versão atual da norma, revisada em 2010 e em vigor desde maio de 2011, estabeleceu como principal mudança a indicação de uso de tintas látex Econômicas apenas para utilização em ambientes internos. Já as tintas Standard e Premium, que têm maior rendimento, cobertura e durabilidade, são recomendadas para uso tanto em ambientes internos como em externos, pois resistem melhor às intempéries.

AECweb - Quais as principais normas que o especificador deve conhecer?

Gisele - É importante que ele conheça especialmente as normas de especificação:



  • NBR 15079:2011, para tintas látex foscas de cor clara
  • NBR 15348:2006, para massas niveladoras
  • NBR 15494:2010, para esmaltes brilhantes/tinta óleo

Redação AECweb

 


 COLABOROU PARA ESTA MATÉRIA

 

Tintas imobiliárias, cores e técnicas GISELE BONFIM é formada em Química, é gerente Técnica e de Meio Ambiente da ABRAFATI – Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas.