Como fazer a manutenção de bombas submersas para poços artesianos

Falta de vazão, motor sobrecarregado e instalação inadequada são alguns dos problemas mais comuns das bombas submersas usadas em poços artesianos. Saiba como evitá-los

Publicado em: 16/12/2015Atualizado em: 28/03/2023

Texto: Redação PE

Redação PE

 

A manutenção de bombas submersas é prioridade de quem utiliza poços artesianos. A crise hídrica tem impulsionado o uso de água subterrânea e aqueceu as vendas de empresas como a Anauger, por exemplo, que em 2014 computou um crescimento de 12%. “Começamos a perceber aumento na demanda assim que a falta de água se agravou”, conta o diretor comercial da empresa, Marco Aurélio Gimenez. O feeling para esse negócio também atraiu a coreana Hyundai, que esse ano começou a vender motobombas no Brasil.

Veja também: Anel de concreto para fossa preço

Com o aumento do tempo de utilização das bombas, é importante destacar pontos essenciais de manutenção, já que é impossível tratar aqui de todos os defeitos que podem acometer um equipamento de bombeamento. “Cada um tem características peculiares de fabricação, é necessário recorrer ao manual do fabricante e aos serviços de assistência técnica sempre que apresentarem problemas pouco comuns”, aconselha o geólogo Eugênio Pereira, da SystemMud.

Ele adverte que algumas das falhas apresentadas pelos equipamentos são decorrentes de má instalação e no caso de bombas de motor submersível, alguns problemas podem ser minimizados, como em instalação de eletrodos de controle de nível de água. “A disposição de dois eletrodos deve ser tal que, uma vez desligada, a bomba decorra a um período mínimo de 8 minutos para o reinício do funcionamento”, explica Pereira.

Leia também: Tubos e conexões, como comprar?
Matriz de Qualificação de Fornecedores

Hora de começar o conserto

Gedeon Gaiato, gerente da Refrigeração Gedeon, apresenta algumas dicas na hora de abrir uma bomba: “Muitas vezes, parafusos estão enferrujados, com a cabeça ruim. Nesse caso, é necessário utilizar dois alicates, um na parte de cima do parafuso torcendo de um lado, e outro embaixo torcendo a porca para outro, até soltar”, recomenda.

Conheça os defeitos mais comuns das bombas, segundo o Manual de Operação e Manutenção de Poços, do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo):

Defeitos mais comuns em bombas

Falha

Causa provável

Como corrigir

 

 

 

Bomba funciona mas não extrai água

* A bomba e a tubulação não estão cheias de água

* Escovar a bomba

 

* Motor com rotação insuficiente

* Ajustar a tensão do motor

 

* A bomba está girando ao contrário

* Fazer a ligação certa

 

* Entrada de ar na tubulação ou na carcaça 

* Vedar conexões

 

 

 

Bomba fornece vazão inferior

* Entrada de ar pela sucção

* Vedar as conexões

 

* Rotação do motor abaixo do normal

* Controlar tensão da corrente

 

* Rotor e válvula de pé parcialmente entupidos

* Desobstruir o rotor ou a válvula de pé

 

* Rotor gasto ou danificado

* Substituir rotor

 

 

 

Bomba perde escovamento depois da partida

* Entrada de ar na sucção

* Vedar as conexões

 

* Presença de ar na água

* Usar bomba auto escorvante

 

* Entrada de ar pela gaxeta

* Recolocar selo mecânico ou anéis

 

 

 

Bomba sobrecarrega o motor

* Rotação acima do normal

* Ajustar a tensão

 

*Altura manométrica total inferior ao previsto e vazão superior à capacidade

* Reduzir e controlar por meio de registro

 

* Atrito mecânico na bomba

* Desmontar e revisar peças

 

 

 

Bomba Vibra

* Base de assentamento mal feita, sem rigidez

* Consertar a base

 

* Bomba mal alinhada em

* Desmontar a bomba

Em relação ao motor

* Fazer revisão e substituir as peças desgastadas
* Rotor desajustado
* Eixo torto 
* Atrito mecânico anormal 
* Rolamentos gastos nos mancais da bomba
* Bomba não escorvada
* Desgaste por cavitação

 

Bombas de eixo vertical: Falhas mais comuns

Falha

Causa provável

Como corrigir

 

 

 

Bomba fornece vazão inferior ao normal

* Incremento da altura manométrica normal

* Localizar a causa redimensionar o recalque

 

* Vazamento no tubo de descarga/ sucção

* Substituir a seção danificada

 

* Desajuste dos rotores; cavitação eixos tortos

* Ajustar os rotores; substituir peças desgastadas

 

* Baixa velocidade

* Ajustar tensão

 

* Obstrução do crivo

* Retirar a bomba, limpar o poço, limpar o crivo.

 

 

 

Bomba dá partida com pouca ou nenhuma vazão

* Rotação invertida eixo solto ou quebrado

* Revisar as fases
* Refazer o acoplamento do motor bomba

 

* Nível de água abaixo do crivo ou do ponto de sucção de válvula

* Regular vazão
* Redimensionar a posição dos eletrodos de controle de nível

 

* Eixo travado por sedimento ou obstrução total do crivo

* Retirar a bomba, limpar poço, limpar crivo

 

 

 

Bomba vibra

* Lubrificação defeituosa da coluna

* Revisar os mancais

 

* Eixos tortos ou parcialmente travados, rolamentos desgastados

* Retirar a bomba e subs-tituir as peças desgastadas

 

 

 

Bomba com ruídos Anormais

* Cavitação: rotores desgastados

* Substituir rotores

 

* Lubrificação defeituosa da coluna

* Revisar os mancais

 

 

 

Sobrecarga do motor

* Velocidade muito alta

* Ajustar a tensão ou aceleração

 

* Mancais desgastados

* Substituir as peças defeituosas

 

* Rotores e/ou eixos parcialmente travados

* Desmontar a bomba e fazer revisão geral

 

* Gaxetas muito apertadas

 

 

 

 

* Regulagem do relé de nível a cada 2 ou 3 meses;
* Instalação de pára-raios, com o cuidado de que sua ligação seja feita completamente independente do quadro de comando.


Veja também: 

Manutenções preventivas evitam paralisações inesperadas nas indústrias

Colaboraram para esta matéria

 

Marco Aurélio Gimenez - Diretor comercial da Anauger

Eugênio Pereira - Geólogo da SystemMud

Gedeon Gaiato - Gerente da Refrigeração Gedeon