Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Como fazer a manutenção e eventuais reparos em porcelanato líquido

Manutenção preventiva inclui limpar o piso, aplicação de cera, polimento e até lixamento da superfície. Método de reparo deve ser analisado conforme a intensidade

Publicado em: 16/10/2018Atualizado em: 15/06/2021

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Manutenção dos porcelanatos passa por cuidados básicos durante o uso diário (Crédito: shutterstock.com / Filip Miletic)

O porcelanato líquido proporciona diversas vantagens ao ambiente, como excelente acabamento estético e assepsia. No entanto, para garantir alta durabilidade, desempenho e evitar patologias na superfície, o piso epóxi, como também é conhecido, requer alguns cuidados. “Os problemas mais comuns ocorrem tanto na execução, como durante o uso” afirma o engenheiro Caio Pereira, fundador do site Escola Engenharia.

Veja opções de piso epóxi no Portal AECweb 
Veja fornecedores de piso epóxi no Portal AECweb

EVITANDO RISCOS NA SUPERFÍCIE

“Um dos problemas mais comuns do porcelanato líquido é o surgimento de riscos, que resultam da falta de cuidados durante o uso, como arrastar móveis ou entrar com sapato com pedras e areia no solado”, destaca Alexandre Osmar Soethe, técnico da JA Training Ltda..

Além de ficar atento a esses cuidados, outra forma de manutenção preventiva é a aplicação de adesivos de feltro na base dos móveis, impedindo o contato direto com a superfície. A aplicação de uma cera protetora específica para essa finalidade também auxilia na proteção e no acabamento estético do porcelanato líquido.

Um dos problemas mais comuns do porcelanato líquido é o surgimento de risco, que resulta da falta de cuidados durante o uso, como arrastar móveis e entrar com sapato com pedras e areia no solado
Alexandre Osmar Soethe

FISSURAS, TRINCAS E QUEBRAS

A ocorrência de fissuras, trincas e até mesmo quebras em porcelanato líquido também não é incomum. Pereira explica que, nesses casos, pode ser que o porcelanato tenha sido aplicado em áreas diferentes das recomendadas pelo fabricante ou tenha até mesmo sofrido impacto de objetos.

É importante analisar as especificações do produto com relação à intensidade de tráfego, local recomendado para uso e modos de aplicação. Geralmente os fabricantes sugerem a cera mais indicada para os porcelanatos líquidos. “A aparência pode ser melhorada com a aplicação de ceras recomendadas pelo fabricante. Também não se deve alterar a finalidade para o qual o piso foi projetado e nem se alterar o layout”, explica Pereira.

Leia também: O que é manutenção preventiva, preditiva e corretiva?

REPAROS

Por ter aparência monolítica, o reparo exige maiores cuidados para evitar discrepâncias nas características da superfície do revestimento. Por isso, caso o ambiente a ser reparado seja pequeno, recomenda-se a troca completa do porcelanato líquido, a fim de garantir uma estética homogênea e sem diferenças visuais de desgaste do revestimento.

Para casos de riscos mais leves, é possível realizar um reparo superficial, conforme sugere Soethe. “Para remover os riscos, é possível fazer o lixamento da superfície utilizando lixas a base d`água e uma lixadeira treme-treme ou manual. Depois, é necessário polir o revestimento utilizando uma politriz e finalizar o reparo com a aplicação de uma cera protetora.”

Pereira, por outro lado, defende a reaplicação do material, mesmo que parcialmente, realizando a troca completa do revestimento na área afetada. Para isso, é necessário seguir os passos:

1- Efetuar a delimitação e o corte geométrico da área que necessita de reparo.
2- Remover o revestimento danificado da região.
3- Reconstituir o revestimento com o mesmo material e utilizando os mesmos procedimentos para a aplicação.

Pode ser necessário realizar reparos em maior profundidade, adotando-se técnicas e materiais específicos fornecidos pelo fabricante. Pereira ainda alerta sobre a possibilidade de correções ainda durante a aplicação. “Se o reparo for no momento da aplicação, na execução do serviço, enquanto o material ainda possuir fluidez, podem ser efetuadas leves passadas de rolos”, conclui.

É aconselhável entrar em contato com o fabricante para verificar se o mesmo possui Plano de Coleta Reversa de seus materiais e embalagens usados
Caio Pereira

REMOÇÃO

A remoção do porcelanato líquido pode ser realizada de maneiras diferentes, porém, sempre por profissionais habilitados. O cuidado passa desde o uso dos EPI's necessários – como luvas, óculos de proteção e máscaras – até o cuidado para não danificar o contrapiso. “Deve-se aplicar um produto químico removedor de resina a base de solvente para amolecer o porcelanato líquido e, após pouco tempo, retirar rapidamente o revestimento com um tipo de rodo”, explica Caio.

Por se tratar de produto químico, o descarte dever ser realizado em locais apropriados. “É aconselhável entrar em contato com o fabricante para verificar se o mesmo possui Plano de Coleta Reversa de seus materiais e embalagens usados”, reforça Caio.

CUIDADOS

Para garantir a longevidade do porcelanato líquido, é de suma importância respeitar a classificação de tráfego indicada pelo fabricante. A limpeza também deve respeitar alguns itens, como utilizar água com temperatura de até 40°C, detergente neutro e pano macio. Não deve ser utilizado solventes durante a higienização do revestimento.

PORCELANATO LÍQUIDO 3D

Usado para aplicações com maiores apelos estéticos, o porcelanato líquido 3D requer os mesmos cuidados de manutenção exigidos na solução tradicional. No entanto, por contar com um adesivo por baixo de uma resina transparente, é necessário removê-lo, trocar toda a imagem e reaplicar o revestimento.

Leia também:
Aplicação de piso epóxi demanda cuidados específicos. Conheça
Saiba como aplicar rejunte em pisos e azulejos

Colaboração técnica

caio-pb
Caio Pereira  – Engenheiro civil formado pela Escola de Engenharia Kennedy e especialista em gerenciamento de obras e desempenho na construção civil. É o fundador do site Escola Engenharia e compartilha informações e conhecimento para estudantes da área e pessoas interessadas no assunto desde 2010.
Alexandre Osmar Soethe  – técnico na JA Training Ltda.