Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Como pintar estruturas metálicas e protegê-las da corrosão precoce?

As tintas têm a função de dar acabamento e proteção aos elementos de aço. Para acertar na escolha do produto, é preciso levar em conta, entre outros fatores, o ambiente e sua agressividade

Publicado em: 16/04/2018Atualizado em: 07/06/2021

Texto: Vanessa Moura

banco-cetelem
A corrosão precoce ocorre pela especificação inadequada das tintas (Foto: Divulgação_WEG Tintas)

A pintura é um dos métodos mais utilizados para dar acabamento e proteger as estruturas metálicas da corrosão. Mas, para garantir maior durabilidade, é imprescindível escolher o material correto. A decisão deve considerar o ambiente e sua agressividade, assim como outros fatores que possam impactar na conservação dos elementos de aço.

Para o engenheiro químico e chefe de vendas técnicas da WEG Tintas, Ramsés Della Libera, as tintas mais comuns disponíveis no mercado encontram-se na versão líquida e em pó. “Para a escolha do melhor sistema de pintura devem ser observados o ambiente e sua agressividade, segundo a norma ISO 12944. Nas soluções de tintas líquidas para ambientes considerados de baixa agressividade (C1/C2) e baixa poluição, por exemplo, pinturas de tintas alquídicas e monocomponentes são excelentes soluções para a proteção anticorrosiva, independentemente se o ambiente for interno ou externo”, afirma o profissional.

Para a escolha do melhor sistema de pintura devem ser observados o ambiente e sua agressividade, segundo a norma ISO 12944
Ramsés Della Libera

Já os projetos que se encontram em ambientes de atmosferas industriais e urbanas (C3/C4) necessitam de uma proteção maior. “Para tanto, são desenvolvidos esquemas de pintura através de tintas epóxis e poliuretanas”, esclarece.

Ambientes altamente agressivos (C5-I/C5-M), tais como áreas industriais de alta umidade, áreas marinhas offshore, costeiras e de alta salinidade, requerem tintas resistentes à alta umidade e à névoa salina. De acordo com Adriana de Araújo, pesquisadora do Laboratório de Corrosão e Proteção do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), as tintas em pó ricas em zinco são as mais recomendáveis para fazer um acabamento com proteção necessária contra a corrosão e as intempéries.

“O zinco é usado com sucesso para a proteção do aço por possuir uma excelente resistência à corrosão intrínseca nos mais variados meios de exposição. Além desta característica, o material é anódico em relação ao ferro, o que lhe confere a capacidade de proteger o aço também catodicamente”, explica.

O zinco é usado com sucesso para a proteção do aço por possuir uma excelente resistência à corrosão intrínseca nos mais variados meios de exposição
Adriana de Araújo

A especialista garante, ainda, que os mecanismos envolvidos na proteção catódica pelas tintas ricas em zinco são idênticos àqueles envolvidos em processos de revestimento de zinco do aço-carbono por imersão a quente e aspersão térmica. “A proteção do revestimento ao aço requer que ambos os metais estejam expostos a um mesmo eletrólito. Na ausência deste, a proteção do revestimento ao aço restringe-se apenas ao efeito barreira”, diz Araújo.

Segundo Della Libera, a escolha do sistema de pintura entre tintas líquidas e em pó vai depender, ainda, dos custos de produção e da capacidade da linha de pintura, já que nos produtos em pó, por exemplo, faz-se necessário o uso de estufa.

Leia também: 
Como a digitalização da FVS pode acelerar a transformação digital?
Compra de estruturas metálicas requer acompanhamento técnico

CONSEQUÊNCIAS DO USO INADEQUADO DO MATERIAL

A corrosão precoce é um dos principais problemas causados pela especificação inadequada. “Qualquer projeto de estrutura metálica possui uma estimativa de vida útil, mas em casos de corrosão precoce haverá a necessidade de manutenção não prevista. E se forem aplicadas tintas de ambientes de alta agressividade em ambientes de baixa, por exemplo, poderá ocorrer um superdimensionamento e, consequentemente, elevar o custo da obra”, explica o engenheiro químico da WEG Tintas.

Além disso, de acordo com o profissional, se a aplicação dos produtos for incorreta, é possível que surjam problemas como enrugamento, falta de aderência, sangramento e ainda levantamento da tinta anterior.

PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE

O preparo da superfície a ser revestida dependerá do tipo de tinta a ser aplicada e do ambiente onde se encontra. Para o uso de tintas líquidas em regiões de baixa agressividade, é importante realizar a limpeza da superfície com solventes ou desengraxantes, além de lançar mão de um tratamento com jato abrasivo ou fosfatização. Nos ambientes de média agressividade, deve-se priorizar o jateamento abrasivo ao metal quase branco, padrão visual Sa 2 1/2 ou tratamento manual/mecânico, padrão visual St 3. Nos ambientes de alta agressividade, o tratamento da superfície deve seguir o jateamento abrasivo ao metal quase branco, padrão visual Sa 2 1/2.

Para aplicação de tintas em pó em ambientes de baixa e média agressividade, o substrato deve estar livre de graxas, agentes desmoldantes, poeiras ou outros contaminantes, além da recomendação de fosfatização para aumentar a resistência à corrosão. Nos ambientes de alta agressividade, é imperativo realizar a preparação de superfícies com jato abrasivo ao metal quase branco, padrão visual Sa 2 1/2.

Baixe agora o e-Book e descubra “Tendências e melhores práticas para resolver os problemas e desafios das vistorias de qualidade”.

MANUTENÇÃO E DURABILIDADE

A durabilidade do sistema de pintura normalmente está condicionada ao tratamento da superfície e à escolha do tipo de pintura. Alguns podem durar mais de 15 anos, dependendo do local da obra e da forma de utilização. “A conservação é muito importante e quase sempre feita por meio do tratamento da superfície utilizando ferramentas manuais e mecânicas, sendo que a tinta também deve ter especificação de como deve ser aplicada”, destaca Della Libera.

Vale lembrar que o principal problema averiguado em pinturas é a forma de sua utilização e os eventuais danos mecânicos. “Nestes casos, a manutenção imediata é fundamental para a durabilidade do revestimento. Além disso, deve-se levar em conta se a manutenção ocorrerá somente nos pontos de corrosão ou na obra toda, já que esses fatores impactam na durabilidade. Por isso, é muito importante consultar um departamento técnico nessa área”, aconselha.

 Veja também:

Por que o gerenciamento de peças é tão importante para manutenção industrial?

Colaboração Técnica

Ramsés Della Libera  – Engenheiro químico e chefe de vendas técnicas da WEG Tintas.

Adriana de Araújo  – Pesquisadora do Laboratório de Corrosão e Proteção do Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT.