Conheça 5 tecnologias que podem atenuar a inflação dos materiais de construção

Na tentativa de minimizar os impactos da crise de abastecimento de insumos básicos, empresas olham com mais atenção para soluções construtivas alternativas

Publicado em: 06/07/2021Atualizado em: 20/07/2021

Texto: Juliana Nakamura

Tecnologias materiais de construção
Solução industrializada para a produção de paredes e forros, o drywall é 100% reciclável (Foto: martiroz/Shutterstock)

O forte aumento dos preços de insumos básicos, o atraso nas entregas e o desabastecimento de alguns itens registrados desde o final de 2020 têm exigido de construtores e incorporadores muita ginástica para atenuar a corrosão das margens de lucro e evitar repasses aos preços dos imóveis.

A ordem é evitar desperdícios, buscar alternativas que permitam corrigir atrasos em cronogramas e analisar a substituição/racionalização de materiais tradicionais, como aço, tubos de PVC, fios e cabos elétricos, além de telhas e blocos.

“Uma possibilidade a ser verificada na fase de projetos, sempre em comum acordo com os projetistas, é a substituição de componentes e elementos, resguardando os requisitos e critérios técnicos e de desempenho”, diz Roberto Matozinhos, assessor técnico do Sinduscon-MG. “Para isso, o ideal é que a especificação pelo projetista seja, sempre que possível, pautada em desempenho”, continua ele.

Baixe esse Kit de Conteúdo e aprenda a comprar materiais para construção civil corretamente

Nesse contexto, algumas tecnologias construtivas ganham evidência, seja por proporcionarem maior racionalidade, seja por substituírem, ainda que parcialmente, materiais que apresentaram grande estouro de preços. Confira a seguir:

Inicialmente, o custo desses kits pode ser mais elevado em relação aos produtos convencionais, mas a redução da mão de obra e das perdas pode compensar essa diferença
Daniel Setrak Sowmy

1) Lajes bubble deck — Solução para a produção de lajes moldadas in loco, a tecnologia consiste no uso de esferas de plástico ocas colocadas uniformemente entre telas metálicas de modo a ocupar a região em que o concreto não tem função estrutural. Com essa tecnologia, é possível construir lajes mais leves com a mesma resistência de uma laje plana maciça. Estima-se que, ao diminuir o peso próprio do elemento estrutural, o bubble deck permita uma economia de cerca de 35% do volume de concreto.

2) Kits hidráulicos — Os avanços promovidos nos últimos anos na direção de industrializar as instalações prediais permitiram às construtoras ter múltiplas opções para reduzir o número de conexões, abreviar o tempo de montagem na obra e evitar erros de interpretação de projetos. Entre elas, destacam-se o PEX (polietileno reticulado), os chassis pré-montados e os sistemas polvo. “Inicialmente, o custo desses kits pode ser mais elevado em relação aos produtos convencionais, mas a redução da mão de obra e das perdas pode compensar essa diferença”, comenta Daniel Setrak Sowmy, pesquisador do Laboratório de Conforto Ambiental, Eficiência Energética e Instalações Prediais do IPT.

3) Telas de fibra de vidro — Para empreendimentos construídos com o sistema paredes de concreto, uma alternativa que vem sendo explorada é a substituição das telas de aço por malhas de fibra de vidro para a armação. Além de alto desempenho no controle de fissurações e maior leveza, os produtos de fibra de vidro se tornaram mais competitivos em um cenário de aumento do preço do aço. A MRV é uma das construtoras que têm utilizado essa solução em obras do programa habitacional Casa Verde e Amarela.

4) Drywall — Solução industrializada para a produção de paredes e forros, o drywall se torna mais competitivo em um cenário que exige agilidade de execução e redução de desperdícios. Vale lembrar que o descarte adequado de resíduos é um item que também custa caro para as construtoras. Segundo dados da Associação Drywall, enquanto a alvenaria produz cerca de 20% de resíduos de obra, o drywall produz apenas 5% e seus resíduos são 100% recicláveis.

De forma ampla, todos os sistemas industrializados alinhados a esses benefícios têm potencial de se destacar em um contexto de alta de preços
Roberto Matozinhos

5) Sistemas estruturais industrializados — Em um cenário instável marcado pela elevação nos custos, a construção offsite (fora do canteiro) surge como meio de agregar maior previsibilidade de custos e prazos. Este modelo construtivo, que tira partido da padronização e da escalabilidade, permite ciclos mais curtos de produção. Isso tende a atenuar riscos, como a elevação de custos indiretos.

Matozinhos lembra que a construção industrializada está associada a vantagens como redução de prazos, elevado nível de controle de qualidade, menor desperdício de materiais e maior sustentabilidade. “De forma ampla, todos os sistemas industrializados alinhados a esses benefícios têm potencial de se destacar em um contexto de alta de preços”, conclui ele.

Leia também:

Como driblar a alta dos preços de materiais de construção?
Por que digitalizar o gerenciamento de obras?

Colaboração técnica

 
Roberto Matozinhos — Engenheiro civil, consultor técnico e responsável pela assessoria técnica do Sinduscon-MG. Líder do grupo de acompanhamento de normas da COMAT/CBIC, é coordenador e idealizador do Portal de Normas da Construção — CBIC.
 
Daniel Setrak Sowmy — Mestre e doutor em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo, é pesquisador do Laboratório de Conforto Ambiental, Eficiência Energética e Instalações Prediais do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT). Também é professor na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).