Conheça modelos de pisos laminados de madeira, vantagens e usos

Com aparência que se assemelha cada vez mais à madeira natural, os pisos laminados não absorvem organismos transmissores de alergias e são práticos de instalar. Confira

Publicado em: 08/02/2013Atualizado em: 17/06/2019

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Por Tatiana Arcolini e Paula Barradas

Divulgação_Paula Ferraz

Ideais para ambientes residenciais e comerciais secos e de baixo tráfego, os pisos laminados podem ser confeccionados a partir de diversos tipos de madeira. “Os mais comuns são os feitos de pinus ou eucalipto, variando na tonalidade para atingir aspectos rústicos que lembram a madeira de demolição, até aspectos mais sutis, com tonalidades mais brancas, que remetem à patina”, pontua a arquiteta Paula Ferraz.

O piso laminado, em geral, transforma a madeira em fibra e prensa-a com resina para chegar a um material chamado HDF. Sua parte inferior, que dá estabilidade, é conhecida como balanço, enquanto a de cima é a superfície decorativa, feita de papel fotográfico com impressão da textura da madeira desejada. Sobre essa impressão, é acrescentado o overlay, uma resina que garante resistência aos riscos que o piso sofrerá com o tempo.

Flávia Athayde Vibiano, gerente de marketing da Eucafloor, explica que os pisos laminados da marca são fabricados com HPP, um substrato de partículas de eucalipto que não absorve substâncias ou organismos transmissores de alergias, além de ser ecologicamente correto – fabricado com 100% de madeira reflorestada, proveniente de florestas certificadas com Selo Verde, da Scientific Certification Systems (SCS).

Já o piso laminado decorativo de alta pressão – como é conhecido tecnicamente o produto da Formica® – tem em sua composição papéis e resinas, enquanto sua superfície tem padrões madeirados constituídos de papel impresso com proteção superficial (overlay) que confere ao produto resistência e beleza. “Ele tem em sua composição o aditivo antimicrobiano da Microban® que, além de proporcionar mais segurança, facilita a limpeza, descartando o uso de produtos clorados e necessitando apenas de um pano macio umedecido em água e detergente neutro para retirar pó e manchas”, explica José Reginaldo Missiato, gerente de marketing e produto da empresa.

Qualidade

Os parâmetros técnicos utilizados para avaliar a qualidade dos pisos laminados são: ISO 14001, 9001, FSC e resistência à abrasão (norma ABNT NBR 14.833-1, de 2009, intitulada “Revestimento de Pisos Laminados Melamínicos de Alta Resistência”). A norma classifica o piso em quatro categorias de resistência (de AC2 a AC5) e seis classes de uso (21, 22, 23, 31, 32 e 33), de acordo com o local de aplicação (doméstico e comercial) e a intensidade do tráfego, sendo três classes para usos domésticos e outras três para comerciais: baixa, média e alta, segundo o Laboratório de Madeira e Produtos Derivados do Centro de Tecnologia de Recursos Florestais do IPT.

Mitos e verdades

Há dois fatores que costumavam gerar preconceito nos profissionais e impediam o uso deste produto: estética e acústica. A primeira era prejudicada pelo aspecto artificial. “Existia esse preconceito. Porém, hoje as padronagens se assemelham muito mais à madeira natural”, afirma Paula Ferraz.

Outro elemento que prejudica a estética de algumas marcas é um fio preto que fica nas bordas das peças. Embora a maioria dos profissionais desconheça a fita de borda, essa solução elimina o tal fio, igualando a tonalidade do piso.

Já que os pisos laminados não possuem boa acústica, o problema pode ser facilmente solucionado com a colocação de uma manta específica. Há diversos fabricantes que produzem mantas adesivas, emborrachadas ou mesmo feitas de garrafas PET, que são colocadas sobre o contrapiso, minimizando o ruído. “Vale lembrar que a solução para diminuir os ruídos varia em cada caso, devendo ser analisada com atenção”, explicam as arquitetas Elaine Delegredo e Luciana Correa.

Como instalar?

A colocação do piso pode ser feita tanto com cola, quanto com sistema de encaixe ou adesivo de contato. Mas Daniel Azevedo Silva, coordenador de materiais básicos da Leroy Merlin, explica que, antes de tudo é preciso analisar a umidade do local e o contrapiso para verificar se há irregularidades. Caso haja saliências superiores a três milímetros, é indicado removê-las previamente.

As arquitetas Elaine Delegredo e Luciana Correa dão outra dica: “o piso laminado de madeira nunca deve ser encostado na parede, no batente ou em pilares. É preciso deixar, pelo menos, 15 mm para a dilatação”.

ManutenÇÃo


Divulgação_Paula Ferraz

Em geral, os pisos laminados de madeira podem ser limpos diariamente. Porém, o que determina a aparência e a higienização é a perfeição da sua camada superficial. Quando desgastado ou danificado, o laminado suja mais e fica com aparência feia.

Para situações como essa, o indicado é usar detergente neutro em um pano bem torcido, já que laminados não podem ser molhados abundantemente. “Se o piso estiver muito desgastado, no entanto, aconselha-se o uso de cera”, revela Rodrigo Barone, diretor da Pisoclean.

COLABORARAM PARA ESTA MATÉRIA


Elaine Delegredo e Luciana Correa; Flávia Athayde Vibiano; e José Reginaldo Missiato