Conheça os principais equipamentos para iluminação de áreas externas

Saiba como escolher luminárias, lâmpadas, postes e balizadores para aplicações em jardins, pátios, áreas de lazer e fachadas

Publicado em: 14/03/2022

Texto: Juliana Nakamura

Detalhe de uma luminária instalada em um ambiente externo
As luminárias precisam atender a requisitos específicos para uso ao ar livre (Foto: Mama Belle and the kids/Shutterstock)

A iluminação desempenha papeis muito importantes em áreas externas, tanto funcionais, quanto estéticos. A começar pelo apoio à segurança patrimonial, passando por criar condições para o uso de espaços no período noturno, como jardins e outras áreas de lazer. A iluminação tem função relevante, também, para sinalizar áreas específicas da circulação, criando caminhos e alertando os usuários para a existência de obstáculos. Há, ainda, a estética, seja quando a luz valoriza o paisagismo, seja quando destaca elementos arquitetônicos.

Mas para ser bem-sucedido, o projeto de iluminação de áreas externas deve se basear em um estudo prévio consistente sobre os usos, as particularidades e as necessidades do local. O trabalho deve buscar uma linguagem harmoniosa com o estilo arquitetônico da edificação, bem como visar eficiência com relação ao gasto energético.

Uma etapa importante é a especificação e o dimensionamento de equipamentos e instalações. Luminárias, refletores, balizadores, postes e lâmpadas precisam atender a requisitos específicos para uso ao ar livre, sobretudo resistência à exposição às intempéries.

Luminárias para jardins e espaços de lazer

Diferentes tipos de luminárias podem ser utilizados em áreas externas. Independente do modelo, o importante é que os equipamentos sejam adequados ao grau de exposição aos quais serão submetidos.

Um aspecto a ser observado é o índice de proteção (IP), que classifica o grau de vedação de produtos eletrônicos fornecidos contra intrusão, poeira, contato acidental e água. Luminárias IP 20, por exemplo, devem ser usadas somente em ambientes internos sem umidade. Em varandas, onde pode ocorrer o respingo de água, recomenda-se o uso de equipamentos IP 64. Já para jardins, onde a luminária pode receber chuvas fortes, a especificação deve se voltar para os equipamentos IP 67 ou superiores.

A diversidade de modelos de luminárias é enorme. Há opções como a LE 020, desenvolvida pela Arquitetura da Luz para instalação em solos, fabricada em alumínio com difusor em vidro temperado. Clique aqui para obter informações complementares e orçamento deste produto.

Outra alternativa de luminária de solo é a CoolGlass, que pode ser equipada com lâmpadas halógenas ou multivapores metálicos. Disponível em três modelos, o equipamento conta com uma câmara de dissipação térmica, que torna possível a redução de temperatura no vidro da superfície. Para cotar esse e outros produtos, acesse o Guia de Produtos.

Para levar luz aos jardins, os espetos são um recurso eficaz e prático. Essas luminárias podem ser fincadas diretamente na terra, propiciando uma luminosidade pontual e bem direcionada. A indústria oferece modelos de diferentes tamanhos, cores e potências. Alguns, inclusive, possuem cabeça articulável para redirecionar o facho quando necessário.

Indicado para uso em jardins, o espeto Par 30/38 é fabricado em alumínio fundido, parafusos de fechamento de aço inox, guarnição de silicone e vidro temperado. Clique aqui para saber mais. Já o espeto para jardim Tel 03, com acabamento preto, funciona com três leds com potência máxima de 3 W. Com 297 x 70 mm, está disponível na cor preta.

Holofotes e refletores

Para iluminação de vias, pátios e praças, modelos como a luminária pública solar RTNDW-120 são uma opção. Com 120 W de potência e 100 lm/W de fluxo luminoso, o equipamento com classificação IP 67 está disponível na cor preta, com ângulo de abertura de 120°. Você pode obter mais informações e cotação de preço clicando aqui.

Os holofotes GE EF 2000 são indicados para iluminar grandes espaços ao ar livre, como instalações esportivas, pistas de corrida, estacionamentos, áreas de lazer e fachadas. O equipamento possui tecnologia de iodetos metálicos, com capacidade de 2000 watts. No Guia de Produtos de AECWEB você obtém a cotação de preços desse e de outros equipamentos.

Ainda entre os refletores, outra alternativa é o modelo com sensor Golden, desenvolvido para iluminar locais dirigidos. O produto oferece a possibilidade de regular o tempo e o período de seu funcionamento, proporcionando maior economia de energia. Para saber mais, clique aqui.

Postes e balizadores para espaços externos

Dois equipamentos muito utilizados para iluminar áreas abertas são os postes e os balizadores. Os primeiros visam iluminar de forma geral, contemplando tanto a construção, quanto o paisagismo. Já os balizadores são empregados para delimitar espaços.

Postes e balizadores também precisam ser confeccionados com matéria-prima resistente e contar com vedação para evitar infiltração de água ou sujeira. No caso dos postes, normalmente, aconselha-se escolher modelos altos, que não prejudiquem a visualização da área. Mas há espaço, também para o uso de mini postes, especialmente para iluminação de caminhos ou de plantas próximas ao solo.

O mercado oferece ampla diversidade para quem busca soluções de balizador. Com corpo de alumínio e acrílico, o Light LED proporciona luz suave e homogênea para iluminação de passarelas, jardins e outras áreas de circulação. Já o balizador de Parede Vigia tem corpo de alumínio fundido com pintura eletrostática a pó, grade, nicho de alumínio, vidro temperado e parafusos de inox para fechamento.

Também com corpo de alumínio fundido, o poste Arandela Quadrada conta com alojamento para equipamento auxiliar e difusor plano de vidro temperado. O produto é compatível com diferentes tipos de lâmpadas, inclusive led integrado. Já o poste Decorativo Caixa Retangular Duplo tem refletor de chapa de alumínio brilhante pintada eletrostaticamente a pó de poliéster, além de lente plana de cristal temperado.

LED e lâmpadas de vapor

Assim como ocorre em interiores, a escolha das lâmpadas é um ponto crítico na iluminação de áreas externas. Afinal, elas estão diretamente relacionadas à quantidade de lumens, à cor e à temperatura da luz obtida.

Nos últimos anos, os leds adquiriram maior protagonismo por serem mais duráveis e consumirem menos energia que outros tipos de lâmpada. Outra vantagem os leds é serem de baixa temperatura, evitando que as plantas sejam prejudicadas pelo calor no caso da iluminação de um jardim.

Alguns destaques para uso em locais abertos são a lâmpada fluorescente compacta Anti-inseto Taschibra e a lâmpada de vapor metálico Foxlux. A primeira dura cerca de 6000 h e, em função de sua cor amarelada, tem a propriedade de repelir insetos. Já a lâmpada de vapor, oferece excelente reprodução de cores sendo indicada para iluminar espaços públicos e quadras esportivas.

Entre os leds, um produto com indicação para áreas externas é o cordão flexível eW Flex SLX, da Philips. Trata-se de uma fita com pontos de luz branca que podem ser controlados individualmente. Outra solução é a luminária Led Paisagismo, desenvolvida para aplicação em jardins, fachadas e monumentos. Com com IP 65, IP 66 ou IP 67, o equipamento possui sistema de led integrado. Mais informações e cotação de preços podem ser obtidas aqui.

Leia também:

Iluminação de áreas externas agrega valor à edificação
Iluminação de emergência deve atender a NBR 10.898