Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Conheça os sistemas de coberturas ideais para cada projeto

Telhas sanduíche, zipadas...independentemente da escolha, o sistema de cobertura deve ser estanque e absorver calor e ruídos, orienta o arquiteto Sidonio Porto

Publicado em: 23/03/2011Atualizado em: 04/10/2019

Texto: Redação AECweb

Entrevista: Sidonio Porto

Um olhar atento para as coberturas

As coberturas dos projetos assinados pelo arquiteto Sidonio Porto podem ostentar um fino mármore branco ou telhas zipadas, tanto numa residência quanto numa fábrica. Sem preconceito por qualquer tipo de solução, desde que boas e bem instaladas, ele insiste na adequação do sistema ao projeto arquitetônico. Em entrevista ao AECweb, Sidonio identifica quais as melhores opções e quando utilizá-las. Autor de mais de uma centena de residências no Brasil e no exterior, muitas fábricas, edifícios corporativos e bancos, ele lembra que o sistema de cobertura ideal é aquele que proporciona total estanqueidade, absorção de calor e de ruídos.

Redação AECweb

AECweb – Qual a solução mais atual para cobertura industrial?
Porto -
As mais utilizadas, hoje, são as coberturas mais leves, do tipo ‘sanduíche’ com duas superfícies em alumínio e miolo com elemento isolante acústico e térmico. Apresentam ótima estanqueidade, principalmente quando zipadas, mas podem, também, ser justapostas. Elas são feitas, praticamente, na obra através de unidade móvel de perfilação. A vantagem é que não se tem emendas no sentido longitudinal. Assim, num galpão de 50 m de largura, a cobertura terá 50 m, sem emendas. Já as emendas laterais são feitas por zipamento, que veda totalmente.

AECweb – O ‘sanduíche’ também é construído in loco?
Porto -
O processo é feito todo in loco. Primeiro vem o forro, que é uma chapa metálica frisada para dar maior consistência estrutural. Em seguida é instalado o miolo com materiais de isolação térmica e acústica e, finalmente, entra a cobertura superior. Há anos, utilizamos em nossas obras a pintura branca da superfície superior para refletir o calor.

AECweb – Essa é uma solução restrita a galpões industriais?
Porto -
Ao contrário. Temos utilizado a telha zipada em edifícios – comerciais ou residenciais -, como o da Sede Administrativa da Petrobras, em Vitória, com a função de sombreamento sobre a última laje. Destino as áreas técnicas do prédio ao espaço criado entre a laje e a cobertura. O fechamento das laterais da cobertura é feito com elementos que permitem a ventilação natural, como venezianas, contribuindo para a redução da temperatura no último pavimento.

AECweb – Como foi feito o aproveitamento do sistema na Petrobras Vitória?
Porto -
O projeto das duas torres que projetei para a Pebrobras de Vitória tem quatro sobresolos, dois pilotis e seis pavimentos. Além de utilizar o sistema para sombrear a cobertura, consigo fazer o sombreamento das fachadas dos dois prédios voltadas para o átrio central. Tenho outras duas obras feitas para a Petrobras com esse sistema. Não fizemos medição mais científica para saber qual o índice de isolamento térmico obtido nesses prédios, mas o efeito térmico é real.



AECweb – Há outras soluções indicadas para áreas industriais?
Porto - Já usei, no passado, laje pré-fabricada e impermeabilizada, que recebe placas de concreto leves para o isolamento térmico. É solução mais indicada para prédios comerciais ou residenciais quando não se deseja uma cobertura de telhado. É pouco usual em indústrias, porque tem custo mais elevado e não permite vencer grandes vãos. Outra variante desse sistema é empregar vermiculita, cinasita ou seixos que ajudam a complementar a isolação térmica.

AECweb – Os telhados verdes são uma boa opção de cobertura?
Porto - Essa é uma solução muito boa, que temos adotado em vários projetos. É possível, inclusive, empregar todas as possibilidades que descrevi e, ainda, sobrepor o telhado verde. São utilizados elementos plásticos retendo a água, que vai alimentar a vegetação bastante resistente e que dispensa irrigação. Tem preço bom e refresca o ambiente. Com essa mesma função, a arquitetura usou por algum tempo os espelhos d’água, mas com o problema do mosquito da dengue já não são recomendados.

AECweb – Quais os sistemas de cobertura indicados para residências?
Porto - Valem todos os que abordei até aqui, mas tudo de acordo com o projeto. Telhados metálicos para uma casa podem ser usados, desde que componham a estética do projeto, caso contrário ficará parecendo um barracão. As lajes são perfeitas para uma arquitetura mais geométrica. Se quisermos, podemos tirar partido de uma cobertura em telhado cerâmico ou em concreto, que funcionam muito bem, se não tiver muitos recortes e calhas internas – o melhor é que tenha, no máximo, quatro águas.

Um olhar atento para as coberturas

AECweb – Ou seja, tecnicamente todas funcionam bem?
Porto - As soluções, em si, são boas. Quanto mais regular for a cobertura, teremos menos problemas. O telhado torna as coisas mais difíceis numa arquitetura livre, com curvas, cheia de planos inclinados. Para isso, a impermeabilização é mais adequada, porque se acomoda a uma liberdade maior de formas.

AECweb – Seus projetos utilizam também as telhas do tipo shingle?
Porto - Eu fiz uma casa com a shingle. Tem boa estanqueidade e funciona bem. As placas são pregadas sobre uma estrutura lisa, em geral de madeira compensada. Sob esse conjunto é possível ter um isolamento térmico, porque a shingle em si não cumpre o papel.

AECweb – E o cobre?
Porto - Para minha casa de praia, cheguei a pedir um orçamento. Mas era muito mais caro – cerca de três vezes mais que o telhado cerâmico. É uma bela opção, que dura uma vida inteira, e vale a pena quando o arquiteto quer valorizar a forma e o cliente está disposto a pagar. Mas não é para qualquer projeto. Uma cobertura de cobre não se justifica para a arquitetura das décadas de 40 e 50, de características geométricas, bem cubista e simples, porque ele não vai ser visto. Mas justifica uma impermeabilização. Numa estrutura mais movimentada, com muitas formas, faz sentido tirar partido estético da cobertura e usar um material bacana, como o cobre.

AECweb – Independente do preço, é o seu material preferido?
Porto - O cobre é um dos mais nobres. Mas, já fiz uma casa com uma cobertura curva, que se destacava do conjunto. Sobre a laje impermeabilizada foi instalado mármore branco, que funciona como um simples revestimento. E pelo destaque que teria na arquitetura, optei pelo branco, que cumpriu ainda a função de refletir o calor. É uma folha fina de mármore, mas também pode ser granito ou cerâmica. É possível ter, ainda, soluções em telha zipada para residências, como as que projetei para a cobertura curva e que ficaram muito bonitas – mas, poderia ser em cobre.

Redação AECweb