Conheça soluções para construir um deck bonito, durável e de baixa manutenção

PVC, cimento e cerâmica são algumas opções para quem quer ‘fugir’ da madeira

Publicado em: 02/09/2013Atualizado em: 04/03/2021

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket


Deck na piscina

Além do uso da madeira e do cimento para a composição de um deck, o atual aquecimento do mercado levou as empresas do setor a lançarem novas opções de materiais. “Existem decks fabricados a partir de plástico mesclado com serragem de madeira, que utilizam garrafa pet e tubos de pastas de dentes reciclados, e até aqueles feitos com casca de arroz – leve, resistente e bonito –, mas que ainda não estão disponíveis no mercado nacional”, afirma a arquiteta e paisagista Daniela Sedo, responsável pelo escritório Daniela Sedo Paisagismo.

Para a escolha do melhor material, é importante levar em consideração a disponibilidade para manutenção e o local em que será aplicado. “Hoje, muitas pessoas escolhem os materiais da casa, desde revestimento de piso até a cortina, com base na manutenção que o produto requer. Com o deck não é diferente”, explica Daniela.

Para quem não quer se preocupar com isso, o ideal é fugir da madeira – uma boa opção são os de PVC que simulam o material. E para casas de praia e/ou em cidades muito úmidas, como Ubatuba, uma ótima solução é o eco deck – que pode ser de plástico reciclado ou feito com matérias-primas renováveis – e que reage melhor à intensa exposição à chuva e sol.

Quando a opção é madeira

Para quem não abre mão da sofisticação da madeira, a mais recomendada é a itaúba, que pode ser frisada ou lisa, dependendo do uso. “Ela é mais resistente a mudanças climáticas, à chuva e requer manutenção a cada dois anos, no máximo, quando é aconselhável aplicar camadas de impermeabilizantes especiais. A opção da lisa é mais indicada quando se quer criar espaços para deitar e tomar sol. Já a frisada, indico para caminhos ou passagens que demandem melhor aderência”, explica.


Instalação e Manutenção

Hoje, muitas pessoas escolhem os materiais da casa, desde revestimento de piso até a cortina, com base na manutenção que o produto requer. Com o deck não é diferente

Os decks de plástico possuem a mesma instalação do deck de madeira e o ideal é que ela seja feita por um bom marceneiro ou empresa especializada. Para os de madeira, a manutenção requer mais cuidados principalmente em áreas externas. “Dependendo das condições do local, ela pode ser feita a cada seis meses ou até dois anos. É fácil perceber quando está na hora de lixar e envernizar a madeira, pois a superfície fica esbranquiçada e com aspecto envelhecido”, esclarece a arquiteta que ainda aconselha: “Para proteger e aumentar a durabilidade do deck, a sugestão é envernizar. Existem diversas opções de vernizes no mercado, coloridos e incolores, e também com ou sem brilho”. Já os decks de plástico não precisam de cuidados extras.

Deck na piscina 2

Para a colocação do deck de cimento e cerâmica, o recomendado é que seja um profissional com experiência, uma vez que será necessário preparar uma base sólida, como um contrapiso para o assentamento. “Esses dois tipos são assentados com argamassa como um porcelanato”, explica a profissional. Para proteger e também dar um ‘toque’ especial aos decks de cimento ou cerâmica, Daniela cita produtos que se assemelham à função do filtro solar. “Eles devem ser aplicados sobre a tinta que cobre o cimento ou a cerâmica. Deixa mais bonito, além de aumentar a vida útil do deck”, afirma.


Relação custo-benefício

Hoje, muitas pessoas escolhem os materiais da casa, desde revestimento de piso até a cortina, com base na manutenção que o produto requer. Com o deck não é diferente

Há pouco tempo o eco deck era mais caro do que a madeira, mas atualmente o valor já é muito similar. “Em alguns casos chega a ser mais barato, devido à sua produção em escala”, explica Daniela. Com valores aproximados, o grande benefício do eco deck é não ter custos adicionais com manutenção. E eles têm ainda o apelo da sustentabilidade.

Especialmente nos decks de cimento e cerâmica, o valor de instalação é maior devido ao preparo exigido para recebê-lo. O de cimento apresenta também mais problemas com a durabilidade da superfície colorida, que desbota e trinca com mais facilidade. Já a cerâmica tem apresentado ótima durabilidade e dispensa manutenção. “Uma dica para quem estiver escolhendo um deck é, preferencialmente, conversar com alguém que já tenha utilizado alguma solução semelhante por mais de dois anos, no mínimo”.

Deck paisagem

Como a maioria das soluções é nova no mercado, só é possível saber das diferenças de qualidade após o uso, e isso acontece a partir de cinco anos de experiência. “Outra ideia é procurar por empresas que já tenham realizado testes em seus produtos, que comprovem a qualidade e durabilidade prometida”, conclui.

Leia também: Conheça as principais atitudes para a gestão de projetos sustentável


Colaborarou para esta matéria


Daniela Sedo – Formada em 2003 pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da PUC e há sete anos tem sua própria empresa. Já atuou com profissionais renomados como Arthur de Mattos Casas e o paisagista Alex Hanazaki, além de desenvolver mais de 90 projetos residenciais e cerca de 40 comerciais por todo o Brasil. Assina trabalhos de grandes construtoras e incorporadoras, como Tecnisa, Rossi Residencial, Brenge Engenharia e Inovatech.