Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Desempenho dos freios faz a diferença em pás carregadeiras

A manutenção periódica desse componente é crucial para otimizar as operações nos canteiros e em outras atividades

Publicado em: 25/11/2014Atualizado em: 16/11/2022

Texto: Redação PE

Assim como nos automóveis, os freios de uma pá carregadeira desgastam após longos períodos de atividade intensa em canteiros de obras e outros terrenos acidentados que demandam frenagem. Sendo assim, é de suma importância os cuidados com esse componente que têm por objetivo fundamental evitar acidentes, colisões, e garantir uma operação segura, sem prejuízo humano e material.

As pás carregadeiras, em sua grande maioria, possui um sistema de freios multidisco banhado a óleo e montado na extremidade do cubo. Os discos têm revestimento composto por lonas de material orgânico, inofensivo ao meio ambiente e de grande vida útil. Esse é um modelo de freio diferente dos utilizados na indústria automotiva. Neivo Person, gerente de pás carregadeiras da JCB do Brasil, esclarece essas diferenças:

“Num carro, por exemplo, o freio é composto por pastilhas e disco. A frenagem ocorre por meio do atrito da pastilha no disco de freio. Já nas pás carregadeiras, devido à intensidade do trabalho os fabricantes optam por um sistema banhado a óleo, que vai fazer com que as peças internas sejam lubrificadas. Isso diminui a temperatura e o desgaste do conjunto de freios. Esse sistema também conta com ajuste automático conforme a perda de vida útil dos componentes que minimiza a necessidade de intervenção ou reparos".

Veja também: Pá carregadeira Case W20e nova preço

Manutenção periódica 

Devido a sobrecarga e funcionalidade, os freios das pás carregadeiras necessitam de cuidados operacionais ainda mais específicos. "Se o operador ‘descansar’ o pé no pedal do freio, deixando-o acionado sem necessidade, vai implicar na diminuição da vida útil do sistema. Além disso, é muito importante seguir as orientações do fabricante em relação às manutenções preventivas descritas no manual do operador. Isso vai fazer toda a diferença para prolongar a longevidade desses componentes”. 

Rafael Ribeiro, gerente de pós venda da Tracbel, explica qual é o momento certo para trocar o sistema de freios. “A manutenção é ligada à temperatura dos componentes. Se ela subir, isso é sinalizado ao operador pelo painel de informações”, diz.

Outra maneira é um procedimento similar a um “exame de sangue”. “Removemos o óleo, enviamos para análise e o laudo informa o que deve ser feito. Outro fator é um pino indicador de desgaste externo. Nas revisões com intervalo de 1.000 horas ele faz a medição de desgaste. Isso informa o usuário se será preciso realizar a troca dos freios”, garante Ribeiro.

A maioria dos fabricantes recomenda a reposição dos discos do freio após 500 horas de trabalho. Mas mesmo antes desse prazo, é preciso ficar sempre atento para uma operação sem riscos nas obras.

A Tracbel vende pás carregadeiras Volvo acopladas com o sistema multidisco em banho de óleo de freios em todos os modelos. O modelo com maior peso operacional é o L350, com 17 toneladas e meia. E o menor, o L60, com duas toneladas e meia de carga.

A JCB do Brasil utiliza o mesmo sistema da Volvo em toda a sua linha de pás carregadeiras. Desde janeiro de 2014, os modelos 422ZX (11.900 Kg) e 426ZX (13.305Kg) estão sendo produzidos na nova fábrica em Sorocaba com essa tecnologia de frenagem.

Em terrenos inclinados 

Uma das características das pás carregadeiras, em aplicações gerais, é o grande deslocamento entre os diversos pontos de carregamento. muitas vezes o terreno é acidentado ou possui declives acentuados aos quais exigem o uso de freios com maior frequência e intensidade.

“Em terrenos inclinados o desgaste sempre será maior, além do alto grau de dificuldade do operador para controlar a velocidade. Já em piso plano, o usuário consegue reduzi-la com mais tranquilidade e a frenagem é menos brusca”, garante Rafael Ribeiro.

Ou seja, o sistema de freio em inclinações acentuadas gera muito calor devido ao atrito das partes móveis, e a alta temperatura faz com que a capacidade de frenagem na pá carregadeira diminua.

Colaboraram para esta matéria

 
Neivo Person– gerente de pás carregadeiras da JCB do Brasil
 
Rafael Ribeiro– gerente de pós venda da Tracbel