Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Detalhamento de interfaces garante alto desempenho a vedações verticais

Patologias como fissuras e infiltrações podem ser evitadas com projeto adequado das ligações entre painéis termoisolantes e estrutura de aço. Entenda

Publicado em: 12/06/2018Atualizado em: 09/11/2018

Texto: Juliana Nakamura

banco-cetelem
A combinação entre as soluções é comum em empreendimentos comerciais (Foto: Aleks Kend/shutterstock)

 

As estruturas compostas de pilares, vigas e lajes de aço costumam ser bastante flexíveis no que tange à escolha por sistemas de fechamento vertical. De maneira geral, é possível utilizar essa solução estrutural com vedações das mais artesanais, caso das alvenarias de blocos cerâmicos e de concreto, às mais modernas, como os painéis de fechamento pré-fabricados.

Mas em função do grau de industrialização que induzem, o mais usual é combinar as estruturas de aço com sistemas de fechamento pré-fabricados, como os painéis arquitetônicos (cimentícios) e os termoisolantes. Em todos os casos, a interface entre vedação e estrutura deve ser cuidadosamente trabalhada no projeto, pois precisa garantir estanqueidade, alto desempenho, estética adequada e baixa manutenção.

PAINÉIS TERMOISOLANTES

Os painéis termoisolantes combinados a estruturas de aço são uma alternativa muito comum na construção de empreendimentos comerciais, como supermercados, edifícios industriais, galpões logísticos e salas limpas. Esses fechamentos são compostos de lâminas metálicas (de aço ou alumínio) com isolamento térmico e revestimento interno, do tipo “sanduíche” ou “integrado”. Os painéis podem receber acabamentos distintos, como pintura orgânica ou eletrostática. Também podem contar com núcleo de poliestireno expandido (EPS), poliestireno extrudado (XPS), poliuretano (PUR), poli-isocianurato (PIR) ou lã de rocha.

Uma característica importante dos painéis termoisolantes é a facilidade de instalação, que se dá por encaixe macho e fêmea e fixação aparafusada a guias e montantes metálicos. “A precisão geométrica do sistema, que conta com ligações e encaixes padronizados, confere estanqueidade à vedação vertical, além de ser totalmente compatível com obras de aço”, comenta a engenheira e consultora em estruturas metálicas Rosane Beviláqua.

A precisão geométrica do sistema, que conta com ligações e encaixes padronizados, confere estanqueidade à vedação vertical, além de ser totalmente compatível com obras de aço
Rosane Beviláqua

INTERFACES BEM RESOLVIDAS

O fato de se tratar de uma solução industrializada, que chega à obra pronta para a montagem, exige que todas as interfaces sejam bem planejadas e compatibilizadas ainda na fase de projeto. Arquitetura e projeto de estruturas devem ser realizados em consonância. Do contrário, podem surgir interferências dimensionais e conflitos durante a execução das instalações, demandando retrabalho. É importante, ainda, que a estrutura metálica atenda a algumas premissas, como existência de área mínima para ancoragem dos painéis.

De acordo com a engenheira Maristela Gomes da Silva, professora do departamento de engenharia da Universidade Federal do Espírito Santo, o projeto de vedação vertical é o instrumento capaz de garantir o detalhamento das interfaces com os demais subsistemas, bem como a garantia do desempenho projetado. “No entanto, para que os projetos sejam seguidos fielmente e concretizados no canteiro, a mão de obra utilizada precisa ser especializada”, ela ressalta.

O projeto de vedação vertical é o instrumento capaz de garantir o detalhamento das interfaces com os demais subsistemas, bem como a garantia do desempenho projetado
Maristela Gomes da Silva

ASPECTOS CRÍTICOS

Com o apoio de plataformas elevatórias, os painéis termoisolantes são fixados à estrutura principal por meio de guias e montantes, com grampos e parafusos embutidos entre os encaixes e as juntas do tipo macho e fêmea. O objetivo é garantir o encaixe dos painéis rente à estrutura, proporcionando maior linearidade.

Nos últimos anos, os fornecedores desenvolveram painéis com fixação oculta e que podem ser montados na vertical ou na horizontal, exigindo apenas que a estrutura de apoio seja projetada especificamente para cada opção. Nas emendas intermediárias, é empregado um perfil união fixado com parafusos autobrocantes.

Como em qualquer sistema de vedação vertical, as juntas merecem atenção especial. Para evitar que se transformem em condutores de água e umidade, elas devem receber tiras de selante comprimidas pelas superfícies laterais dos painéis. “Durante a execução, outro cuidado importante é o uso adequado do tarucel, anel de borracha que evita danos aos elastômeros e permite o correto dimensionamento das juntas”, recomenda o engenheiro e consultor especializado em estruturas metálicas, Carlos Valério Amorim.

De modo geral, os cuidados com os painéis termoisolantes são os mesmos que se deve ter com qualquer sistema industrializado, ou seja, um projeto detalhado garante boa performance do conjunto em obra. Também é importante conhecer as características geográficas do empreendimento, bem como o espaçamento adotado para a estrutura de suporte. “A partir daí é possível determinar a composição e a espessura mais adequadas para o painel”, afirma Beviláqua.

Patologias na associação dos painéis e estruturas metálicas – essencialmente problemas de estanqueidade e fissuras – costumam ser consequência de três problemas: projetos não detalhados adequadamente (que dão margem a improvisações no canteiro), desconhecimento do comportamento do aço e dos demais materiais e, principalmente, falhas de execução. “Por isso, não se pode prescindir, jamais, de mão de obra cuidadosa e habilidosa para a montagem bem-sucedida desses sistemas de vedação”, conclui Amorim.

COLABORAÇÃO TÉCNICA

Rosane Beviláqua – engenheira civil com mestrado em Estruturas Metálicas e MBA em Gestão de Projetos. É consultora em estruturas metálicas.

Carlos Valério Amorim – Engenheiro civil e arquiteto. É consultor de projetos de estruturas metálicas e sócio-diretor da CVA Engenharia de Negócios.

Maristela Gomes da Silva – Engenheira civil com mestrado e doutorado pela Universidade de São Paulo (USP). Professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), tem pós-doutorado em Engenharia Civil e Ambiental pela Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, e em Arquitetura e Construção pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É coautora do manual Painéis de vedação, publicado pelo CBCA (Centro Brasileiro da Construção em Aço).