Dicas para projetar churrasqueiras em condomínios

Além de evitar que a fumaça e os ruídos gerados nesse ambiente cheguem aos apartamentos, os projetistas devem se preocupar também com a privacidade e a segurança dos moradores e visitantes

Publicado em: 28/04/2021Atualizado em: 07/12/2023

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Projeto de churrasqueiras
O projeto de churrasqueiras deve ser multidisciplinar (Foto: Martha Gavião)

Apesar de parecer simples, o projeto de churrasqueiras de condomínios oferece grandes desafios aos profissionais envolvidos. Para além da questão estética, está a necessidade de harmonizar o local com os interesses dos condôminos, a vizinhança e a legislação.

Segundo a arquiteta paisagista Martha Gavião, titular de escritório homônimo, são muitas as regras a serem atendidas ao se projetar uma área de lazer. “O trabalho reúne desde o arquiteto autor do projeto ao arquiteto paisagista, passando pelos projetistas de instalações, que negociam entre si as muitas exigências. Junto com o projetista, setorizamos todas as áreas, das churrasqueiras às piscinas, das quadras aos muros”, conta.

Veja também:

Churrasqueira pré-moldada
Saiba como construir churrasqueiras com blocos de alvenaria passo a passo

Fumaça e ruído

De acordo com Martha Gavião, o primeiro passo é analisar a planta do empreendimento. “Imagine as janelas dos primeiros andares dando de cara com a chaminé da churrasqueira! Já vimos projeto em que as condensadoras do ar-condicionado sugavam a fumaça do churrasco direto para o quarto do bebê”, conta. Problemas como esses indicam que existe uma localização correta desse equipamento em relação ao próprio condomínio e, se possível, ao empreendimento vizinho.

A arquiteta Adriana Canova chama a atenção para o ruído produzido pelas festas na área da churrasqueira. "Por isso, devem ser consideradas a localização e a privacidade de quem está participando de um evento e, principalmente, de quem não está”, alerta. Para um projeto ser bom, é importante estudar também a direção dos ventos. Dependendo da direção predominante, ele pode tanto ajudar, levando para longe os ruídos, como prejudicar.

A implantação da churrasqueira no espaço térreo deve observar a posição do sol ao longo do dia, pois o ideal é que fique protegida do sol da tarde. “Se estiver voltada para a face norte, pega o sol o dia inteiro, o que não é nada agradável”, observa Canova.

Distribuição dos equipamentos

A distribuição dos equipamentos da área de lazer precisa considerar diversos fatores, priorizando informações como número de torres, de apartamentos por prédio e de pavimentos, entre outros quesitos. Martha Gavião defende que o melhor layout é aquele em que o salão de festas e a churrasqueira possam ser alugados separadamente, para garantir certa privacidade para cada um dos eventos.

Quando há área suficiente, ela projeta duas churrasqueiras, sendo uma junto do salão de festas e outra mais distante. Porém, nunca duas churrasqueiras contíguas, para assegurar privacidade aos eventos simultâneos.

Em relação a questões de acessibilidade, o cadeirante precisa ter espaço para circular sem degraus na área. Também é imprescindível prever banheiros próximos, numa quantidade adequada ao volume de pessoas que a churrasqueira suporta.

De acordo com Gavião, piscina e churrasqueira próximas só funcionam em residência unifamiliar. “Em condomínios, separamos esses equipamentos, assim como o playground. Não se trata de colocar grades, mas de distribuir essas atividades com distância razoável”, ressalta. Para Canova, é imprescindível que se crie barreiras, ainda que seja com vegetação. “Isso porque a piscina é área restrita aos condôminos, enquanto a churrasqueira recebe visitantes. Já a integração com o playground é possível, desde que a capacidade de pessoas na churrasqueira não seja elevada”, diz.

Churrasqueira equipada

Os itens básicos que compõem o ambiente da churrasqueira são: geladeira, freezer, armários, bancada de trabalho e pia. “É interessante contar com cubas grandes e fundas, e com cuba molho, ideal para pôr gelo e ter escoamento perfeito da água”, diz Canova, acrescentando que a churrasqueira exige excelente chaminé, tudo bem dimensionado e posicionado – além de atenção com a direção dos ventos, para evitar o uso de exaustor, que pode aumentar a chance de problemas em um evento, além de maior manutenção.

Veja também:

Tijolos refratários devem ser usados em fornos e churrasqueiras
Construção de churrasqueiras carece de normas e exige cuidado redobrado

Quanto ao mobiliário, depende sempre do orçamento da obra, podendo conter mais ou menos armários e mesas, entre outros itens. “O mínimo é obrigatório no projeto”, diz Gavião, dando como exemplo a geladeira, que a construtora pode não comprar, mas o espaço e a tomada têm que ser providenciados. “Todas as churrasqueiras, no final, ficam lindas. Para tanto, há materiais mais caros e mais baratos, inclusive as churrasqueiras de condomínios do Minha Casa, Minha Vida, como já fiz”, diz.

Quando a construtora permite, ela projeta a cobertura desse ambiente. Caso contrário, cria um pergolado que, no futuro, os condôminos poderão cobrir. “Em empreendimentos de alto padrão, os moradores acabam fechando com vidro e instalando ar-condicionado”, conta.

Especificação da churrasqueira

Para a arquiteta paisagista, a melhor churrasqueira é aquela fácil de limpar, resistente e durável. Canova, por sua vez, esclarece que o material de revestimento precisa ser próprio desse elemento e de fácil manutenção, por se tratar de uma área de uso recorrente. “Não é indicado o uso de madeira, a não ser que sejam superimpermeabilizadas, com tratamento especial. Sou a favor dos granitos e de cor escura, que disfarçam melhor as consequências do uso, como manchas de gordura, por exemplo”, diz.

Todas as churrasqueiras, mesmo as mais caras do mercado, produzem fumaça, especialmente as que funcionam a carvão. No entanto, são mais aceitas do que os equipamentos a gás. “Culturalmente, é preferência nacional, pois mantém o sabor”, frisa Gavião que, em seus projetos, normalmente opta pelo carvão. Ela chama a atenção para o fato de inexistir norma técnica que proíba encostar a churrasqueira na parede do vizinho. “Mas o Código Civil, no capítulo de vizinhança, restringe”, observa.

Implantação em edifícios já existentes

Quando o condomínio possui mais de três blocos, o ideal é que cada um tenha sua própria churrasqueira. Isto evita que o espaço fique muito concorrido, funcionando melhor para os usuários
Adriana Canova

A implantação de churrasqueira em edifício existente exige estudo que atenda aos aspectos de privacidade, localização e acessibilidade. “Não é interessante, por exemplo, que um visitante com mobilidade reduzida ou não, atravesse o condomínio inteiro, passando por áreas mais privativas, para acessar a churrasqueira”, destaca Adriana Canova, que continua: “Quando o condomínio possui mais de três blocos, o ideal é que cada um tenha sua própria churrasqueira. Isto evita que o espaço fique muito concorrido, funcionando melhor para os usuários. Outra opção é criar, a cada dois blocos, uma área comum que terá churrasqueiras”.

Churrasqueiras na cobertura

A instalação da área de lazer na cobertura vem se tornando uma tendência. Enquanto Canova considera essa uma solução desafiadora, que não indica ou adota, Gavião é uma entusiasta.

Canova argumenta que o principal problema é o acesso de convidados e moradores através dos elevadores. “Como subir e descer todas essas pessoas sem incomodar os condôminos? Seria um elevador de uso exclusivo só para acesso a essa área? Isso teria um alto custo”, diz, acrescentando que há, também, os problemas decorrentes do uso de álcool pelos convivas, que pode impactar a segurança e o bem-estar de todos. “O ideal mesmo, é que seja uma área mais reservada”, defende.

Área de lazer na cobertura é ótimo, porque sempre tem uma vista linda e a fumaça não vai incomodar ninguém
Martha Gavião

“Área de lazer na cobertura é ótimo, porque sempre tem uma vista linda e a fumaça não vai incomodar ninguém”, destaca Martha Gavião. Para evitar o vento e que objetos sejam jogados pelos beirais, ela protege todo o perímetro da cobertura com vidro sobre guarda-corpo de alvenaria. Além disso, adota a providência de colocar vasos e floreiras para evitar que alguém se aproxime da beirada. “A área de lazer na cobertura exige acessibilidade, elevador, banheiro. O ponto polêmico é o elevador, que acaba onerando o condomínio pelo maior número de pessoas que vão utilizá-lo. Mas, se há espaço no térreo, faço ali o salão de festas e mais uma churrasqueira”, conta, observando que o número de convidados para um churrasco não é tão grande como o de festas.

Erros comuns nos projetos

Martha Gavião tem observado que o principal erro é situar a churrasqueira em local que vai incomodar os próprios moradores. É recorrente, também, que em espaço muito limitado, o projeto inclua um amplo rol de equipamentos, como cuba dupla e forno de pizza. “É melhor fazer uma bancada maior do que um forno de pizza num espaço apertado”, conclui.

Para Adriana Canova, os maiores erros acontecem quando o projeto não considera as necessidades de quem vai utilizar o ambiente da churrasqueira. “Quando se projeta uma área comum com vários itens, é imprescindível pensar nos usuários e antever quais problemas poderão surgir com as demandas geradas, compatibilizando tudo, de maneira que fique bom para todos”, ensina.

Leia também:

Saiba como construir churrasqueiras com blocos de alvenaria passo a passo

Colaboração técnica

Adriana Canova
Adriana Canova – Formada em Arquitetura e Urbanismo pela PUC-Campinas. Atende em minúcias os desejos de seus clientes há mais de 20 anos, reunindo expertise na elaboração de projetos, acompanhamento de obras e reformas e criação de mobiliário sob medida.
Martha Gavião
Martha Gavião – Formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1982), com estágio prático, em 1987, na Alemanha, com Bolsa de Estudos patrocinada pela FUBAE - Fundação Brasil-Alemanha de Estudos. Em 2012, defendeu na FAU da Universidade de São Paulo (USP) sua dissertação de mestrado, com base nos dados de avaliação de uso dos pavimentos térreos na cidade de São Paulo. Após experiência em outros escritórios, iniciou em 1989 atividades em escritório próprio, prestando serviços de projetos de arquitetura paisagística. Desde então, foram projetados cerca de 1000 edifícios residenciais e comerciais, além de residências unifamiliares, escolas e áreas públicas, para aproximadamente 100 construtoras e clientes particulares. Desde agosto de 2015, além das atividades no escritório, é professora de paisagismo na Universidade Guarulhos (UNG).