Encontro debate desenvolvimento econômico sustentável na construção

Construmeet 2021 reúne lideranças para discutirem responsabilidade ambiental, social e governança em empresas do setor

Publicado em: 19/10/2021Atualizado em: 19/10/2021

Texto: Juliana Nakamura

Construção sustentável
As empresas da construção civil têm um impacto muito grande na promoção de transformações sociais e ambientais (Foto: Stock-Asso/Shutterstock)

Nos últimos anos, desde que grandes gestores de recursos e fundos de investimento começaram a colocar a responsabilidade ambiental, social e a governança corporativa no centro de suas decisões, a agenda ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) só cresce. Segundo dados da Bloomberg, o montante mundial de alguma forma ligado a essa sigla representou US$ 38 trilhões em 2020 e deve chegar, em 2025, a US$ 53 trilhões, o equivalente a um terço dos ativos de investimentos.

Para discutir como essa tendência emerge também entre as principais empresas construtoras do País, líderes brasileiros se encontrarão na mesa de debate "Responsabilidade ambiental, social e governança na construção", que será realizado durante o encontro online Construmeet 2021: Um olhar para o futuro, com transmissão pela Internet nos dias 8 e 9 de novembro de 2021.

Para participar, clique aqui e inscreva-se gratuitamente

O painel terá a participação de Pedro Penna, CEO da Atex do Brasil; de Eduardo Fischer, CEO da construtora MRV; e de Regina Padilha, arquiteta e fundadora do escritório e do canal do YouTube Pura Arquitetura; além de Guillaume Sibaud, arquiteto e sócio-fundador do escritório Tryptique, que também apresentará uma palestra temática na ocasião. A mesa será realizada ao vivo no dia 8 de novembro (segunda-feira), às 16h30.

O Construmeet 2021 é uma realização AECweb – o maior portal de conteúdo, relacionamento e negócios para empresas e profissionais da Arquitetura, Engenharia e Construção Civil – e da Atex do Brasil – líder na América Latina e referência em soluções para lajes nervuradas.

Transparência e sustentabilidade

A percepção de que é mais seguro e rentável aplicar em empresas comprometidas com compliance e com responsabilidade socioambiental foi intensificada com a pandemia de Covid-19. No mercado financeiro, o entendimento que começa a se consolidar é o de que companhias com boas práticas administrativas, de sustentabilidade e sociais evitam perdas geradas, por exemplo, por disputas trabalhistas, multas por danos ambientais e escândalos de corrupção. Além disso, essas empresas têm uma imagem mais positiva perante suas partes interessadas, gerando valor para o acionista no longo prazo.

Na construção civil, esse movimento também começa a adquirir força com as empresas dedicando mais cuidado com o seu relacionamento com a sociedade. Entre outras ações, a MRV, por exemplo, aderiu ao Movimento pela Integridade do Setor de Engenharia e Construção (Misec). Trata-se de uma ação coletiva promovida pela Rede Brasil do Pacto Global da ONU e pelo Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social para reunir empresas comprometidas com a consolidação de um ambiente livre de corrupção. As signatárias assumem compromissos voluntários que se baseiam em condutas pautadas pela integridade, transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa.

Ao tornar-se signatária do Misec, a MRV reforça o seu compromisso com a cultura ética da organização e com a defesa da concorrência leal para gerar novas oportunidades de negócios em bases sustentáveis
Eduardo Fischer

“Ao tornar-se signatária do Misec, a MRV reforça o seu compromisso com a cultura ética da organização e com a defesa da concorrência leal para gerar novas oportunidades de negócios em bases sustentáveis”, destaca Eduardo Fischer, CEO da companhia e um dos participantes do Construmeet 2021.

Na Atex do Brasil, as estratégias passam pela atuação de um comitê ESG que atua em várias frentes. Entre elas, a promoção da diversidade e da equidade nas equipes internas e a redução dos impactos ambientais das atividades. “Uma diretriz importante para os gestores é pensar além das fronteiras da empresa. Precisamos saber, por exemplo, se nossos fornecedores têm práticas alinhadas com os nossos valores e cultura”, afirma o CEO da empresa, Pedro Penna, que também participará do Construmeet 2021. Ele reforça que as empresas da construção civil, até pela importância do setor para a economia, têm um impacto muito grande na promoção de transformações sociais e ambientais.

Compras responsáveis

Em um contexto de maior responsabilidade, um dos focos de atuação das companhias deve ser a realização de compras mais conscientes, que considerem não apenas o preço, mas também todos os impactos ambientais e sociais envolvidos na produção e transporte de cada material ou solução. Vale lembrar que a indústria da construção é responsável por consumir 75% dos recursos naturais extraídos da natureza, segundo dados do Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS). Além disso, cerca de 80 toneladas de resíduos de obras são geradas anualmente pelas construtoras.

Daí a relevância de investirmos na promoção da economia circular, procurando aproveitar as matérias-primas que adquirimos da maneira mais sustentável possível
Pedro Penna

“Daí a relevância de investirmos na promoção da economia circular, procurando aproveitar as matérias-primas que adquirimos da maneira mais sustentável possível”, afirma Pedro Penna. Ele explica que a Atex transforma a resina adquirida da indústria petroquímica em formas plásticas para concreto que são alugadas aos construtores e reaproveitadas inúmeras vezes nas obras. Quando chega ao fim de sua vida útil, o produto é reprocessado pela indústria, dando forma a outros componentes plásticos, como espaçadores de armaduras, que ficam incorporados à estrutura edificação. Com isso, prolonga-se a utilização da matéria-prima e reduz-se drasticamente a geração de resíduos.

Colaboração técnica

 
Eduardo Fischer — Engenheiro civil com MBA em finanças pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC). É CEO da MRV.
 
Pedro Penna — Engenheiro industrial com MBA em administração pela Fundação Dom Cabral. É CEO na Atex Brasil e membro do conselho regional da Indústria da Construção para a América Latina da Young Presidents’ Organization.