Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Gestão de excelência

A unidade da Siemens Anhanguera implementou uma série de práticas sustentáveis que garantiram o LEED GOLD de uso e manutenção ao prédio de 1977

Publicado em: 23/09/2013Atualizado em: 01/04/2021

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Siemens

“No ciclo de vida normal de um edifício 90% dos seus custos estão na operação e manutenção, e não na etapa de projeto e construção como poderíamos imaginar. É notório, portanto, que para obtermos mais eficiência e menor impacto ambiental, devemos privilegiar uma gestão de excelência”, comenta David Douek, diretor da OTEC – consultoria de sustentabilidade e desempenho energético.

E foi a prática de uma gestão de excelência que garantiu à unidade da Siemens Anhanguera, construída em 1977, na avenida Mutinga, em São Paulo, a certificação LEED EB O&M Gold, concedida pelo US Green Building Council. Com esta conquista, a OTEC – consultoria de sustentabilidade e desempenho energético – comemora o segundo LEED Gold da categoria de uso e manutenção em que atuou, e já conferido pelo órgão norte-americano no Brasil. O primeiro foi o edifício JK 1455, da CCP – Cyrela Commercial Properties, em São Paulo.

É notório que para obtermos mais eficiência e menor impacto ambiental, devemos privilegiar uma gestão de excelência

De acordo com o consultor, a adoção de critérios de sustentabilidade traz benefícios ao proprietário, que percebe nas contas mensais uma sensível redução de gastos, e aos usuários que desfrutam de um ambiente que privilegia o conforto e a saúde. O aumento da produtividade é consequência natural. “A conquista da certificação por um edifício construído em 1977 demonstra que a gestão de excelência pode manter um empreendimento sempre comparável aos mais altos padrões de qualidade em operação e manutenção”, diz . A OTEC, consultoria selecionada pela Siemens para orientar o processo de certificação, é testemunha da criteriosa determinação da equipe envolvida para ajustar, medir e documentar os processos necessários à certificação.

“A obtenção do LEED Gold é um reconhecimento dos programas e ações da Siemens que visam o desenvolvimento sustentável. Essa importante conquista reforça a responsabilidade da companhia em promover o equilíbrio entre meio ambiente, negócios e sociedade. Receber este selo do Green Building Council é motivo de grande orgulho para todos nós”, afirma Jose Kuhn, diretor de Real Estate da Siemens no Brasil.

Leia também: O que são facilities e qual a sua importância?

Ações sustentáveis

Entre os aspectos que garantiram os resultados alcançados, estão a preservação da mata nativa e adaptada, cobrindo 65,90% da área do site, sendo que 55,64% são de mata atlântica; procedimentos manuais de manutenção e controle de pragas das áreas de mata nativa, a fim de não interferir no habitat da reserva; e irrigação em apenas 10% da área verde existentes no site. “Foram tomadas medidas de incentivo ao uso de transportes alternativos, em resposta à pesquisa realizada na empresa que constatou que 67% de seus usuários fazem uso de transporte alternativo, para se deslocar no trecho residência-trabalho e trabalho-residência”, conta Douek.

A edificação recebeu diversas adequações, a começar pela substituição dos equipamentos hidrossanitários convencionais pelos economizadores, sendo alguns com arejadores, incluindo torneiras temporizadas e sensorizadas, vasos sanitários com válvulas de acionamento duplo e mictórios sensorizados.

A implantação de sistema de captação de águas pluviais para reúso nas torres de resfriamento e nos sanitários resultou, em 15 meses, numa economia de 77 mil litros de água

Para a redução do efeito ilhas de calor, a cobertura do prédio foi pintada com tinta que assegura índice de refletância solar igual a 87%. “A implantação de sistema de captação de águas pluviais para reúso nas torres de resfriamento e nos sanitários resultou, em 15 meses, numa economia de 77 mil litros de água”, destaca David Douek, acrescentando que foram asseguradas 72,85% de área permeável dentro do site, de maneira a contribuir para a infiltração das águas pluviais no local.

A eficiência energética foi alcançada por meio de estratégias como a utilização de equipamentos eficientes, automação predial e manutenção preventiva. Foi implantada a submedição e monitoramento de todo o consumo de energia do sítio, sendo mais de 80% por uso final e a realização de comissionamento nos sistemas consumidores de energia dentro do site, processo que promove a melhoria de gestão dos sistemas prediais.

A conservação do edifício relativa à limpeza passou a utilizar equipamentos economizadores e que emitem baixo índice de ruído e poluentes. Optou-se por procedimentos de limpeza manual e equipamentos ergonômicos na manutenção das áreas externas, além de uso de produtos de limpeza, tintas e selantes com baixo índice de compostos orgânicos voláteis. Nas áreas verdes, foi eliminado o uso de fertilizantes químicos que pudessem contaminar o solo e o lençol freático.

Na unidade da Siemens Anhanguera, 94% dos ambientes internos permanentemente ocupados têm vista do meio externo. A qualidade do ar no interior do edifício ficou assegurada com a entrada de alguns aliados, como a implantação de um programa de identificação e controle/eliminação das fontes poluidoras; renovação do ar, atendendo às taxas definidas pela ASHRAE 62.1-2007, para proporcionar mais conforto, bem-estar e produtividade aos usuários do edifício; implantação de política de proibição do fumo no interior do edifício e em áreas externas que estejam a menos de 7,7 m de qualquer abertura; e extinção do uso de gases CFC dentro do sítio (gases nocivos e destruidores da camada de ozônio). Capachos foram colocados em todos os acessos públicos do edifício, com o intuito de evitar que os poluentes do meio exterior sejam transportados para os ambientes internos pela circulação de pedestres.

As medidas se complementam com a adoção de políticas de compras sustentáveis, que priorizam a aquisição de produtos de baixo impacto ambiental, e de gerenciamento de resíduos, com o intuito de desviar de aterros e incineradores os resíduos gerados pela sua operação, encaminhando-os para processos de reúso, reciclagem e outros fins ambientalmente responsáveis.

Colaborou para esta matéria

David Douek – Arquiteto e administrador, David Douek é fundador e diretor da OTEC, empresa de consultoria de desempenho do ambiente construído, atuando em áreas que vão do urbanismo ao projeto, obra, operação e manutenção do edifício. Inclui serviços de processo de certificações como LEED, AQUA e Procel Edifica. É professor convidado de universidades como a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) e do Mackenzie; e palestrante em congressos nacionais como o Green Building Brasil, e internacionais, como o Ecobuild, em Londres. Assina artigos técnicos publicados na mídia especializada em construção civil e sustentabilidade. Introduziu no mercado brasileiro o software inglês de simulação de desempenho energético DesignBuilder, utilizado pelos laboratórios de auditoria do Procel Edifica.