Home office: 6 dicas para criar um ambiente ergonômico e produtivo

Boa iluminação, conforto acústico, mobiliário adequado e interação harmoniosa com a residência são requisitos importantes para os escritórios em casa

Publicado em: 21/07/2020

Texto: Juliana Nakamura

home office
Confira dicas para criar um ambiente proprício ao home office (foto: LStockStudio/shutterstock)

O isolamento social trazido pela pandemia de Covid-19 impulsionou uma tendência que já vinha se desenhando nos últimos anos: o trabalho remoto. Esse movimento colocou em evidência os home offices, que adquiriram novas exigências. Já não basta ter somente apoio para notebook e conexão com a Internet. Agora é preciso garantir iluminação adequada, conforto e privacidade para atividades prolongadas, realização de reuniões, conferências etc.

Conversamos com arquitetos e designers de interiores em busca de orientações para quem precisa transformar um cômodo ou um espaço de casa em um ambiente de trabalho. Confira a seguir:

1) Escolha um local adequado

Para definir onde implantar o escritório, é importante considerar quais atividades serão realizadas no local. Para um usuário que precisa apenas de um espaço para tarefas breves e de baixa complexidade, uma estação de trabalho integrada a outro cômodo pode ser suficiente. “Mas se o trabalho demanda concentração por períodos mais longos, ou se o usuário faz muitas reuniões por vídeo ou telefone, será necessário um espaço mais reservado, onde seja possível minimizar interferências e/ou ruídos”, comenta o designer de interiores Rodney Lawrence.

A escolha do espaço para a instalação de um home office também depende das características da casa. Muitas vezes, não há cômodo específico para esse ambiente. Nesses casos, a saída pode estar no setor íntimo do imóvel, como em uma parte do quarto, ou mesmo do closet.

2) Tenha uma estação de trabalho ergonômica

Independente das necessidades de cada usuário, um home office não pode prescindir de uma mesa ou bancada com altura adequada. Como padrão, a superfície de trabalho deve estar a uma distância entre 70 e 75 cm do piso.

“Quando a mesa estiver contra uma parede, dá para considerar uma profundidade generosa para permitir o alongamento das pernas e articulações do joelho”, sugere o arquiteto Marcelo Macedo, do Studio MEMM. Também vale dar atenção ao monitor, que deve ser colocado a uma distância de cerca de um braço dos olhos do usuário. “O topo da tela pode alinhar-se com o nível dos olhos, e o alinhamento inferior, em caso de laptops, deve estar um pouco acima do nível da mesa, de forma que o pescoço não fique angulado”, continua.

3) Invista em uma boa cadeira

Um ambiente de trabalho produtivo deve contar com uma cadeira ergonômica, estável e durável. “Os móveis devem ser mais práticos e confortáveis do que esteticamente lindos, privilegiando a funcionalidade”, destaca a designer de interiores Ana Weege.

A preferência deve se dar para os modelos com rodízios, regulagem da altura do assento e apoio de braços. Um apoio adequado para os pés também é importante para manter uma postura adequada e evitar lesões. “O ideal é que os pés estejam apenas tocando o chão, mantendo os joelhos no mesmo alinhamento do assento para evitar dificuldades de circulação nas pernas e pés”, diz Lawrence.

4) Crie um local organizado e tranquilo

Muitas horas do dia são passadas no local de trabalho. Por isso, ele deve ser agradável e ter boa ventilação, preferencialmente natural. “Cores mais neutras e suaves são as mais recomendadas, já que auxiliam no aumento da produtividade. Também recomendo apostar em plantas naturais, pois isso pode aumentar a sensação de bem-estar”, afirma a arquiteta Alessandra Gandolfi.

A organização é outro ponto a considerar. “Contar com um móvel ou mesmo uma gaveta para armazenar papeis e objetos também é importante”, sugere Gandolfi.

5) Iluminação uniforme e eficiente

Em home offices é interessante que a iluminação seja difusa e preencha o ambiente da forma uniforme. “O objetivo é prevenir os problemas mais comuns e que levam à fadiga ocular, como ofuscamentos, sombras, contrastes excessivos e reflexos incômodos”, comenta Ana Weege.

Além da iluminação natural, é importante ter uma iluminação artificial adequada. “Costumamos usar lâmpadas com temperatura de cor entre 2700 e 3000K”, conta a arquiteta Mona Singal, que indica, ainda, lâmpadas LED para maior durabilidade e não aquecer o ambiente.

6) Ponto crítico: conforto acústico

Antes de qualquer intervenção visando melhorar a acústica do home office, é importante identificar a origem dos ruídos mais incidentes. “Supondo que sejam ruídos que passam pelas paredes, uma forma possível de contorná-los é criar camadas secundárias adjacentes ou paredes duplas com recheio de lãs minerais”, diz Marcelo Macedo. Para ruídos que vêm da rua, a saída pode ser substituir o caixilho existente por um mais robusto, com vidros duplos, por exemplo.

Recursos mais simples, como introduzir itens de mobiliário e de decoração que absorvam o som (estantes com livros, tapetes, estofados e almofadas) também podem surtir efeito positivo. “Uma dica simples para melhorar o conforto é instalar um quadro de feltro ou cortiça em frente à mesa para evitar o eco durante reuniões online”, propõe Gandolfi

A porta que dá acesso ao espaço de trabalho é um elemento que merece ser observado. “Portas de correr nunca fornecem o mesmo nível de isolamento acústico que as portas de abrir. Por isso, devem ser evitadas nesses casos”, conclui a arquiteta Monise Rosa.

Colaboração técnica

Ana Weege – Publicitária pós-graduada em design de interiores, está à frente de escritório especializado em projetos residenciais e comerciais em São Paulo.
Mona Singal – Arquiteta e urbanista, é sócia fundadora do Rua 141, escritório que desenvolve projetos residenciais e comerciais.
Rodney Lawrence – À frente de escritório próprio, atua nos segmentos residencial e corporativo de alto padrão. É formado em história da arte e mestre em história das artes decorativas e design pela Cooper-Hewitt National Design Museum.
Alessandra Gandolfi – Arquiteta e urbanista, mestre em interior design pelo Politecnico di Milano. É titular de escritório de arquitetura e interiores em Curitiba, PR.
Monise Rosa – Arquiteta e urbanista, comanda escritório próprio onde desenvolve projetos residenciais, comerciais e corporativos.
Marcelo Macedo – Arquiteto e urbanista, é mestre de arquitetura avançada pela Columbia University. Desde 2018 está à frente do Studio MEMM.