Levantamento topográfico inadequado pode causar paralização total da construção

Estudo determina se há necessidade de terraplenagem ou transposição de árvores, remoção de dutos e licenciamento ambiental

Publicado em: 30/06/2014

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Estudo topográfico

Ao iniciar o planejamento de qualquer construção, o primeiro passo é definir a localização, dimensões e condições do terreno onde a obra será alocada. Nessa fase inicial, são pesquisados os elementos presentes no local, como estruturas de antigas edificações, árvores, cursos de água e interferências subterrâneas. “Essa etapa da obra é chamada de levantamento topográfico e consiste na medição executada sobre a superfície terrestre que gera uma representação gráfica. A partir deste estudo, pode-se determinar a exata posição da construção, se há necessidade de terraplenagem ou de transposição de árvores, remoção de dutos, licenciamento ambiental, entre outras variáveis. A exatidão das informações é fundamental para todas as áreas da construção civil, tanto na etapa de projeto quanto na execução da obra”, explica o engenheiro Hamilton Fernando Schenkel, presidente da Associação das Empresas de Topografia do Estado de São Paulo (AETES).

É imprescindível que o profissional que atua neste segmento conheça a ABNT NBR 13133. É uma norma didática e que define bem os tipos de levantamentos topográficos mais usuais

De acordo com o engenheiro, o levantamento topográfico tem que ser realizado em conformidade com a norma ABNT NBR 13133 – Execução de levantamentos topográficos, que regulamenta os procedimentos a serem adotados. “É imprescindível que o profissional que atua neste segmento conheça a ABNT NBR 13133. Essa é uma norma bem didática e que define bem os tipos de levantamentos topográficos mais usuais. Atualmente, existe uma equipe de estudo na ABNT trabalhando na atualização dessa norma, adaptando as novas ferramentas e tecnologias. Temos hoje vários instrumentos para realização do levantamento topográfico. É possível utilizar trenas, teodolitos, estações totais, GPS, níveis, georadares e ecobatímetros”, afirma Schenkel, lembrando que ao profissional cabe escolher o equipamento que melhor se adeque ao serviço que será realizado. “Existem também diferentes softwares no mercado de automação topográfica, sendo que praticamente todos atendem a norma”, complementa.

A partir deste estudo, pode-se determinar a exata posição da construção, se há necessidade de terraplenagem ou de transposição de árvores, remoção de dutos, licenciamento ambiental, entre outras variáveis. A exatidão das informações é fundamental para todas as áreas da construção civil, tanto na etapa de projeto quanto na execução da obra

Além de ser uma das primeiras fases na obra, o levantamento topográfico é também etapa de grande importância. Estudos realizados de maneira inadequada podem causar problemas imensuráveis, que vão desde o aumento do custo até a paralização total da construção. “Um projeto de terraplenagem feito a partir de levantamento que retrate com fidelidade o relevo resulta em cálculos de volumes de corte corretos. Já nos estudos em que as divisas das áreas estão erradas, pode acontecer de parte da obra invadir o terreno de outro proprietário ou uma área de preservação permanente. Em construções onde há escavações, existe a possibilidade de ser criado grande prejuízo financeiro e problemas para a comunidade com o rompimento de adutoras, cabeamento elétrico, fibras ópticas ou dutos caso não seja investigada a presença de interferências subterrâneas”, exemplifica o profissional.

Entre os cuidados para um levantamento topográfico de qualidade, está a verificação prévia das diferenças de relevo, solo, cobertura vegetal e clima local. “Esses são fatores que dificultam a realização do estudo e devem sempre ser considerados no seu planejamento e execução. Tais particularidades também interferem diretamente no custo do serviço”, diz o engenheiro. “O profissional que realizará o levantamento topográfico tem que ser da área e legalmente habilitado no conselho de classe, ter experiência, saber detalhadamente qual é o objetivo do estudo, além de conhecer as normas e especificações técnicas à qual o levantamento se destina. Dependendo da finalidade do estudo topográfico, essa etapa representa em torno de 10% a 20% do custo do projeto. O tempo de execução também varia em função de fatores como tamanho e local da área, tipo de relevo, cobertura vegetal e trânsito local. Cabe ao profissional que vai executar o trabalho fazer uma análise e estimar esse tempo”, finaliza Schenkel.

Colaborou para esta matéria

Hamilton Fernando Schenkel
Hamilton Fernando Schenkel – Engenheiro Agrimensor e de Segurança do Trabalho. Presidente da AETESP – Associação das Empresas de Topografia do Estado de São Paulo – e diretor da empresa Tsenge Engenharia.