Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Marteletes devem ser adquiridos em função do tipo de uso

Ferramenta aumenta a produtividade dentro do canteiro, porém é preciso levar em consideração a maneira como ela será utilizada para adquirir ou alugar o modelo ideal

Publicado em: 13/04/2021

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Martelete
Os marteletes auxiliam na saúde do operador ao reduzirem a repetição de movimentos (Foto: Dmitry Kalinovsky/Shutterstock)

Os marteletes são utilizados no canteiro para furar e romper o concreto de maneira rápida e eficiente. Comparado com as opções manuais, como as talhadeiras, o equipamento oferece elevado ganho de produtividade e desempenho. Para que esses benefícios sejam realmente aproveitados, é preciso atenção no momento de escolher a ferramenta, já que o mercado disponibiliza variados tipos de soluções para cada uso.

Bruno Eloel Arena, vice-presidente da Associação Brasileira das Empresas Locadoras de Bens Móveis (Alec), comenta que os marteletes mais empregados pela construção civil, no que tange o mercado de varejo do setor, são os de 10k, 16k e 30k. “Geralmente, eles são desenvolvidos para trabalhos específicos e é possível que mudem conforme o fabricante. Mas suas aplicações podem ser caracterizadas de maneira genérica”, complementa.

O profissional detalha que o de 10K é indicado para paredes, colunas e demais usos na horizontal. “Já para pequenas obras no chão, em pisos com até 20 cm de espessura, utilizamos o de 16k”, afirma. Por fim, o de 30k é ideal para intervenções em pisos com espessura superior a 20 cm. Os equipamentos também se diferenciam de acordo com sua função, sendo que existem os perfuradores, rompedores e demolidores.

O método de acionamento é mais uma particularidade que distingue os marteletes. Há, basicamente, dois modelos: os pneumáticos, que funcionam por meio do ar comprimido, e os elétricos, operados por motor. Entre eles, o elétrico apresenta a vantagem de dispensar o compressor de ar.

Veja fornecedores de marteletes no Portal AECweb

Como adquirir os marteletes

Existe uma tendência mundial de economia compartilhada. Acredito que a locação propicia sempre uma melhor relação custo x benefício
Bruno Eloel Arena

Além da opção de compra, as construtoras também têm como alternativa o aluguel dos marteletes. Para decidir entre uma modalidade ou outra, há certas variáveis para levar em consideração, como o tamanho da empresa e a frequência de uso do equipamento. “Existe uma tendência mundial de economia compartilhada. Acredito que a locação propicia sempre uma melhor relação custo x benefício”, diz Arena.

O locador pode auxiliar seu cliente na escolha da solução ideal. “Para isso, é preciso informar qual será a aplicação, o tipo de obra, em que fase a construção está, quem será o operador, se o canteiro tem estrutura mínima (energia adequada), entre outros”, enumera o especialista, destacando que a locação oferece para a construtora a vantagem de acesso a múltiplas ferramentas sem o ônus de possuí-las em seu estoque de materiais.

Martelete ou furadeira?

Por serem soluções semelhantes, podem existir dúvidas sobre quando utilizar a furadeira ou o martelete perfurador. Graças ao seu motor mais potente, o martelete é ideal para lidar com materiais de rigidez maior, como pedras e paredes de concreto. Além disso, consegue fazer a broca penetrar nessas estruturas com mais facilidade e cria furos de maneira precisa. Já a furadeira deve ser empregada em situações mais simples.

Operação

Se bem aproveitados, os marteletes auxiliam na saúde do operador ao reduzirem a repetição de movimentos — que acontecem quando as talhadeiras são utilizadas. No entanto, o profissional tem que estar bem paramentado ao trabalhar com o equipamento. Na lista de EPIs estão os capacetes, máscaras, luvas e botas. Devido ao elevado grau de ruído produzido, é fundamental estar sempre com os protetores auriculares nos ouvidos.

Todo equipamento elétrico com uso e aplicação na construção civil precisa de manutenção periódica a cada ciclo de locação de maneira preventiva
Bruno Eloel Arena

Cuidado indispensável ao lidar com os marteletes é garantir que o local que será perfurado ou rompido não abriga nenhum tipo de instalação hidráulica, de gás ou elétrica. Na existência das duas últimas, por exemplo, há o risco de explosões ou choques elétricos, respectivamente. Outra verificação recomendada é buscar o auxílio de um engenheiro estrutural antes de iniciar qualquer tipo de intervenção em elementos como colunas e vigas.

Aferir as condições do martelete antes de começar o trabalho também consta na relação de boas práticas. “Todo equipamento elétrico com uso e aplicação na construção civil precisa de manutenção periódica a cada ciclo de locação de maneira preventiva”, afirma Arena ao se referir aos materiais alugados. “Recomendamos que cada locador procure, junto a sua estrutura de mecânicos, estabelecer um controle cíclico dos equipamentos”, conclui.

Leia também:

Furadeira elétrica ou pneumática: qual utilizar?
Saiba como especificar e comprar a furadeira ideal para a sua atividade

Colaboração técnica

Bruno Eloel Arena
Bruno Eloel Arena — Vice-presidente da Associação Brasileira das Empresas Locadoras de Bens Móveis (Alec), é administrador de empresas. Pós-graduado em Gestão de Franquias e formado em Governança Corporativa, tem 16 anos de experiência no segmento de franquia voltado ao mercado de locação de equipamentos para a construção civil.